''A internet é uma nova gramática de linguagem para a Igreja’’. Entrevista com Gianfranco Ravasi

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2012

"O amor que não se renova todos os dias e todas as noites se torna hábito e lentamente se transforma em escravidão".

Uma frase, uma citação, 140 caracteres podem conter um fulgor e uma profundidade deslumbrantes. Entre os 500 milhões de pessoas que todos os dias se deparam com os breves textos do Twitter, há também o cardeal Gianfranco Ravasi, e a citação de Kahlil Gibran é um dos seu tuítes mais recentes, juntamente com passagens dos Evangelhos, frases de Sciascia e John Lennon, Gesualdo Bufalino e Goethe, versículos do livro do Eclesiástico e das Cartas aos Coríntios.

A reportagem é de Cesare Buquicchio e Maddalena Loy, publicada no jornal L'Unità, 29-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Tudo isso com uma lógica: tuítes seculares de manhã, tuítes religiosos à tarde. É o atebti e meditado exercício de introduzir complexidade e sentido na rígida e, às vezes, um pouco vaga onda dos tuítes. E, ao mesmo tempo, uma resposta ao preconceito de uma Igreja fechada ao progresso. É o esforço do presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, que desembarcou nas redes sociais "por curiosidade", mas imergiu nos 140 caracteres com o compromisso e a profundidade dos homens da Igreja.

Eis a entrevista.

Cardeal, como e quando o senhor começou a usar o Twitter?


Como migrante digital, e não como nativo, eu comecei a percorrer essas ruas de uma forma muito ingênua e muito curiosa. Foi essa curiosidade que me levou a começar...

O senhor refuta o estereótipo de uma Igreja fechada ao progresso?

A minha tarefa está no âmbito de um dicastério vaticano dedicado à cultura. É, portanto, a de ter um respiro no átrio, não tanto no templo, mais na praça do que no palácio. Isso vale para toda a cultura, não só para o Vaticano, porque atualmente não há mais o conceito aristocrático de cultura. Existe o antropológico da cultura industrial. E é por isso que eu saí para o átrio. Mas considero que toda a Igreja também deve estar na praça e não só entre os incensos do templo.

Conceitos profundos na brevidade do Twitter: esse é o desafio da Igreja?


Um dos aspectos mais interessantes do Twitter é o vínculo de ficar na gaiola dos 140 caracteres. Isso lhe obriga não só à incisividade, ao fulgor, ao brilho, mas também ao rigor. E isso vai contra uma certa tendência atribuída à eloquência sacra, que, dizia Voltaire, "é como a espada de Carlos Magno, longa e plana...", porque o que os pregadores não sabem dar em profundidade procuram dar em extensão.

Não há o risco de desnaturalizar a mensagem da Igreja?

Essa é uma pergunta capital, porque, efetivamente, percorrer as artérias desse novo meio de comunicação não deve nos fazer esquecer que a linguagem é muito mais suntuosa e gloriosa, sobretudo a religiosa, que tem séculos de elaboração nas costas. Por isso, nunca se deve abandonar a subordinada. A informática exige as coordenadas, as frases breves, enquanto a filosofia, a teologia, a grande cultura preferem as subordinadas, as deduções, as ramificações. Não usamos o Twitter de modo ingênuo.

O senhor tem mais de 13 mil seguidores, mas segue apenas 32 pessoas. Segue outros cardeais, editores de jornais, mas acho que só vimos um político: Matteo Renzi. É uma escolha de campo?


Para mim, é uma surpresa, eu não tinha percebido. Mas, além de Renzi, devo dizer que o sentido da minha participação no Twitter é dirigido aos não crentes e particularmente aos polêmicos... Nestes tempos em que se fala muito do ICI [imposto sobre os imóveis] da Igreja, no Twitter, eu fui ininterruptamente alvejado e devo dizer que a palma do tuíte mais divertido vai para a minha seguidora que parafraseou o lema de Santo Agostinho: "Oh, Senhor, fazei-me casto, mas não ainda" para "Oh, Senhor, fazei-me cadastrado, mas não ainda".

Essa sua familiaridade com a Web tem encontrado resistências no Vaticano?

O fato de haver perplexidade é normal, às vezes eu também tenho. Muitas vezes, há um desvio na comunicação informática. E deve ser aprofundado o impacto sobre as culturas jovens, porque um rapaz que está cinco horas por dia na frente de um computador muda antropologicamente. Mas, por outro lado, estar na Web é necessário, porque é uma nova gramática de linguagem. E muitos bispos começam a frequentar a Web: o bispo de Soissons inventou as tweet-homilias. Uma forma para alcançar um horizonte de pessoas que jamais colocarão os pés em uma igreja.

O Santo Padre também foi parar no Twitter. Foi o senhor que o aconselhou?

Não, o mérito é de Dom Celli, presidente do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais e responsável vaticano por esse setor. Mas, recentemente, com Bento XVI, falamos longamente sobre esses assuntos e ele estava muito curioso sobre a decifração do que eu chamo de "sexto poder". Um poder que realmente tem uma eficácia imperial. Porque não se trata mais de um agregado, como podia ser a televisão com o olho, ou o telefone para o ouvido. É um verdadeiro ambiente em que estamos imersos, embora não queiramos estar...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A internet é uma nova gramática de linguagem para a Igreja’’. Entrevista com Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV