Ciência e fé face a face: Dawkins, o biólogo frente a Williams, o teólogo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 25 Fevereiro 2012

O cientista ateu Richard Dawkins tratou ontem de desmontar a crença em Deus do arcebispo da Cantuária, Rowan Williams, partindo dos argumentos do naturalista Charles Darwin, num debate público na Universidade de Oxford. Dawkins, autor de livros de divulgação científica como “El espejismo de Dios” (A miragem de Deus) e “La magia de la realidad” (A magia da realidade), realizou uma viva defesa do darwinismo para apoiar sua tese de que o ser humano é um produto exclusivo da evolução biológica, sem a intervenção divina.

A reportagem está publicada no sítio Religión Digital, 24-02-2012. A tradução é do Cepat.

“É maravilhoso saber que as leis da física, por meio da seleção natural, produziram estas enormes coleções de átomos que são os seres vivos, tão complexas que facilmente se produz a ilusão de que existe algum desenho atrás delas”, sustentou.

A publicação, em 1859, da teoria de Darwin sobre a origem das espécies desatou na sociedade vitoriana, da época, um escândalo cujos ecos chegam até os dias de hoje.

Então, a Igreja Anglicana revoltou-se irritada contra a “perigosa ideia” de que o homem descende de uma “forma inferior”, e o desagrado oficial durou até 2008, quando as autoridades eclesiásticas expressaram seu arrependimento por uma reação “excessivamente emocional” frente ao darwinismo.

Antes, o líder espiritual da Igreja da Inglaterra defendeu que a seleção natural pode tornar-se útil para explicar certos aspectos da vida animal, porém sublinhou que falha ao tentar dar conta daquilo que define o ser humano.

Darwin não tem muito o que dizer para solucionar o problema da consciência e não vejo grande avanço nas explicações científicas sobre esse tema. Talvez é algo que não dependa somente das leis da física”, argumentou o arcebispo.

“Se não podemos entendê-lo, será que tem a ver com Deus”, ironizou em resposta Dawkins, que sublinhou que um computador devidamente programado poderia atuar da mesma forma que um homem consciente, sem necessidade de que um ser superior intervenha no desenho do software.

O clérigo replicou que uma máquina não é mais que uma “ferramenta”, que nunca poderá “fazer-se perguntas sobre si mesma, explicar piadas, fantasiar”, nem, supostamente, “conectar-se com essa energia criativa que chamamos Deus”.

Como foi criado o universo?

Richard Dawkins: “Como podemos falar da evolução e os milhões de anos de desenvolvimento e desenho e depois dizer: sim, existe Deus? Por que não reconhecer que existem elegância e beleza na ideia de que a vida apareceu do nada, movida pelas leis da física?

Rowan Williams: O arcebispo admitiu que fica admirado dessa beleza, mas assegura que ele não poderia explicá-la somente pelas leis da física. “Uma mescla de amor e matemática”, disse o religioso. Assim se explica a beleza da criação.

Como se originou a vida no universo?

Richard Dawkins: A seleção natural explica muito desse processo. Trata-se de imaginar como, num primeiro momento, as moléculas estavam no espaço. Porém, ninguém sabe realmente como se originou a primeira molécula que deu origem à vida. Penso que talvez a primeira formação fosse parecida com o ARN (ácido ribonucléico).

Estamos sós no universo?

Richard Dawkins: Como pode ser que por causalidade a vida só tenha conseguido formar-se nas moléculas da terra? O universo deve estar cheio de vida.

A Bíblia e o universo.

Rowan Williams: Os autores não se referiam à criação da vida, mas ao que Deus queria estabelecer. Na realidade, com a Bíblia buscou-se explicar o conceito de pecado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ciência e fé face a face: Dawkins, o biólogo frente a Williams, o teólogo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV