Alemães gostam mais do Dalai Lama do que do papa

Revista ihu on-line

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Mais Lidos

  • A máquina da opressão

    Pode a história nos ajudar a sair desse marasmo? Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Traditionis Custodes: Vetus ordo x Novus Ordo?

    LER MAIS
  • Cristãos, voltem a arriscar tudo. Entrevista com Timothy Radcliffe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Janeiro 2012

Se tivessem que escolher um modelo no qual se inspirar, entre o Dalai Lama e o "seu" Papa, os alemães não teriam dúvidas: melhor o líder espiritual tibetano. É o resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Forsa para a revista semanal Stern.

A reportagem é de Alessandro Alviani, publicada no sítio Vatican Insider, 11-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto..

Apenas um terço dos cidadãos alemães (32%) vê em Bento XVI um modelo. O Dalai Lama, ao contrário, soma 69% e ficou em terceiro na lista das pessoas consideradas exemplares pelos alemães. O primeiro é o ex-presidente sul-africano e líder do movimento antiapartheid Nelson Mandela (82%), seguido pelo ex-chanceler alemão Helmut Schmidt (74%).

Também estão melhor classificados do que Bento XVI a chanceler Angela Merkel, que representa um modelo para cada um dentre dois alemães (51%), o presidente norte-americano Barack Obama (64%) e o treinador da seleção alemã de futebol, Joachim Löw (54%).

Pior do que o papa, entre os dez nomes apresentados pela Forsa aos alemães, está apenas o presidente federal Christian Wulff, envolvido em um escândalo por ter feito um empréstimo a juros baixos de um amigo empresário e por ter tentado bloquear o furo jornalístico com ameaças telefônicas ao diretor e ao editor do jornal Bild. Apenas 21% dos alemães consideram Wulff como um modelo.

Enfim, parecem estar muito distantes os tempos do já histórico título Wir sind Papst (Nós somos o papa), escolhido pelo Bild no dia seguinte à eleição do cardeal Ratzinger a novo pontífice em 2005, que se tornou sinônimo do orgulho e do sentimento de identificação dos alemães naquela época.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alemães gostam mais do Dalai Lama do que do papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV