''A fé pode dar à razão a coragem de pensar''

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • 'Sobram evidências de que o governo está do lado de quem explora o trabalho escravo e não de quem é explorado'

    LER MAIS
  • Para fiscal, só falta dizer que é preciso ter correntes para definir trabalho escravo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

03 Janeiro 2012

O desafio para a filosofia atual é ter mais audácia. É preciso não se deter na superfície. É preciso colocar os problemas fundamentais que dizem respeito à existência dos homens. É preciso ousar pensar.

Para o jesuíta francês Prof. Dr. Paul Valadier, esse programa proposto até mesmo por papas filósofos como João Paulo II e Bento XVI visa a colaborar com a razão, para que não seja "esmagada pela amplitude dos problemas enfrentados pela humanidade atual: não somente a ecologia e o futuro do planeta, mas o encontro das culturas e das religiões", afirmou, em entrevista à IHU On-Line concedida em 2011.

Para aprofundar a reflexão sobre essas questões, o professor de filosofia moral e política nas Faculdades Jesuítas de Paris (Centre Sèvres) estará presente na Unisinos, em outubro deste ano, para a conferência Crise da racionalidade, crise da religião: desafios e perspectivas para o discurso cristão na atualidade, dentro da programação do XIII Simpósio Internacional IHU - Igreja, cultura e sociedade. A semântica do Mistério da Igreja no contexto das novas gramáticas da civilização tecnocientífica.

Valadier também participou do VII Simpósio Internacional IHU: O Futuro da Autonomia. Uma sociedade de indivíduos?, cujas conferências foram publicada na coletânea O futuro da autonomia: uma sociedade de indivíduos (Ed. PUC-Rio; Unisinos, 2009).

Para Valadier, mestre e doutor em teologia pela Faculdade Jesuíta de Lyon, teologia e filosofia se tornam essenciais uma à outra na época atual. A filosofia ajuda e estimula a teologia a não "soçobrar nos diversos iluminismos ou integrismos que também caracterizam a atualidade da vida eclesial". Segundo Valadier, se existe uma tradição católica forte, isso se deve ao seu "respeito pela razão em todo o seu alcance, sem a qual a fé soçobra no vazio".

"Muitos suspeitam da filosofia moderna por seu ceticismo, seu relativismo, seu agnosticismo, e mesmo por seu ateísmo. Mas uma fé viva deve poder enfrentar estes sistemas, não para esmagá-los por sua suficiência, mas para compreender suas lógicas e aprender a situar-se em relação a elas", afirma o filósofo especialista em Friedrich Nietzsche, e que foi durante oito anos chefe de redação da revista francesa Études. "Talvez seja a fé que pode dar à razão (aos filósofos) a coragem de pensar até o fim e não desabar na desconstrução niilista".

O desafio das religiões, nesse contexto, é "encarar as nossas diferenças e não procurar apagá-las. A paz e o entendimento só podem nascer da consciência compartilhada de nossas (legítimas) diferenças". Segundo Valadier, em entrevista à IHU On-Line publicada em 2007, esse é "o mundo pluralista no qual nós devemos viver e no qual é preciso procurar paz e concórdia entre todos os povos e todas as religiões".

Por isso, explica, a maior contribuição das religiões monoteístas na atualidade é o seu encontro – nas palavras de Paul Ricoeur – no "conflito das interpretações". Assim, afirma Valadier, as religiões podem responder às suas "pretensões de universalidade", contribuindo "de maneira eminente ao fortalecimento da comunidade internacional e de seu direito".

O cristianismo, especificamente, "pode lembrar oportunamente que o indivíduo, considerado como um átomo separado é apenas uma ilusão inconsistente. A pessoa humana nasce e se desenvolve nas relações, e somente nelas", defende o filósofo francês. "Se ela se crê 'soberana' ou 'autônoma', ou seja, sem elo ou sem alteridade, ela se perde e se torna 'escrava' de suas pulsões".

Portanto, o cristianismo, "professando que todo ser humano é amado por Deus (eleição divina), indica o valor da pessoa e nela suscita uma vontade criadora que não se abandona, mas procura responder positivamente à sua vocação", diz Valadier.

Com relação aos desafios e perspectivas de futuro, em uma realidade em que a Igreja Católica passa por um declínio na Europa e está "em plena florescência" na Ásia e na África, Valadier prevê que "o centro de irradiação da Igreja Católica não será mais a Europa, como antigamente, mas será, cada vez mais, a Ásia, a África e a América Latina". Segundo ele, já há "toda uma mentalidade que não é mais europeia, e sim do Terceiro Mundo, e que afirmará pontos de vista novos, diferentes, o que gerará uma transformação muito profunda no catolicismo".

Essas e outras questões estarão em debate no XIII Simpósio Internacional IHU, que será realizado entre os dias 2 e 5 de outubro deste ano. O evento contará com a presença de diversos outros conferencistas internacionais e nacionais.

Confira aqui o programa. Para mais informações, escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

(Por Moisés Sbardelotto)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - ''A fé pode dar à razão a coragem de pensar''