Vaticano: investigação antivazamentos

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Por uma teologia do acolhimento e do diálogo, do discernimento e da misericórdia', segundo o papa Francisco

    LER MAIS
  • Usada por Moro e Dallagnol, tese de alteração das mensagens está cada vez mais fraca

    LER MAIS
  • Uma maré LGBT contra a ameaça Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Abril 2012

Uma comissão cardinalícia, presidida pelo cardeal Julián Herranz e composta por Josef Tomko e Salvatore De Giorgi irá investigar e lançar luz sobre o vazamento de documentos confidenciais do Vaticano.

A nota é de Giacomo Galeazzi, publicada no blog Oltretevere, 25-04-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Após a recente divulgação na televisão, nos jornais e em outros meios de comunicação de documentos cobertos pelo sigilo de ofício, o Santo Padre dispôs a constituição de uma Comissão Cardinalícia, para uma investigação com autoridade para lançar plena luz sobre tais episódios", lê-se em uma nota da Secretaria de Estado divulgada nessa quarta-feira, 25, pela Sala de Imprensa da Santa Sé.

"Sua Santidade – continua o texto – convocou para fazer parte de tal Comissão Cardinalícia, que atuará sob a força do mandato pontifício em todos os níveis, os eminentíssimos senhores cardeais Julián Herranz, que foi designado para presidi-la, Jozef Tomko e Salvatore De Giorgi. A Comissão Cardinalícia tomou posse no dia 24 de abril para estabelecer o método e o calendário dos trabalhos".

O cardeal Herranz, membro da prelazia Opus Dei, foi presidente do Conselho Pontifício para a Interpretação dos Textos Legislativos. Tomko liderou a Secretaria do Sínodo e depois a Congregação para a Evangelização dos Povos. E De Giorgi foi assistente da Ação Católica e também arcebispo de Palermo. Trata-se, portanto, de antigos purpurados de grande experiência.

A constituição do novo órgão foi anunciado no último dia 16 de março, em uma entrevista com o vice-secretário de Estado, Dom Angelo Becciu, ao L'Osservatore Romano. "A Secretaria de Estado – dissera ele – dispôs uma acurada investigação que diz respeito a todos os órgãos da Santa Sé: conduzida em nível penal pelo promotor do Tribunal Vaticano e, em nível administrativo, realizada pela própria Secretaria de Estado, enquanto uma comissão superior foi encarregada pelo papa de lançar luz sobre todo o episódio".

"O papa – revelara Becciu na entrevista concedida ao diretor do L'Osservatore Romano, professor Giovanni Maria Vian – foi mantido continuamente a par desse deplorável e triste fenômeno. Ele está entristecido, mas está sereno e olha para a frente. A esperança – acrescentara Dom Becciu – é que se recomponha a base do nosso trabalho: a confiança recíproca", que obviamente pressupõe "seriedade, lealdade, correção".

Bento XVI, apesar da dor que tudo isso lhe provoca, "nos encoraja – assegurara o arcebispo da Sardenha – a olhar para a frente, e o seu testemunho diário de serenidade e de determinação é um estímulo para todos nós". Segundo Becciu, "a deslealdade esteve na base dos vazamentos de documentos que tiveram ressonância midiática especialmente na Itália".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano: investigação antivazamentos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV