Idosos são os novos 'donos do pedaço' no Facebook

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2013

Depois de ganhar um tablet no Natal passado, Luíza Soares Ribeiro convidou as filhas Zoraide e Mafalda para ingressarem em um curso de informática, na zona Leste de São Paulo, onde moram. Não demorou muito para que fossem fisgadas pela internet, em especial as redes sociais. Zoraide passou a usar o Facebook para se comunicar com a amiga Jane, que mora nos Estados Unidos, e para expor seu trabalho artesanal em madeira. Mafalda virou fã de jogos populares na rede social, como o Candy Crush, e não se incomoda em avançar madrugada a dentro à frente da tela. Poderia ser só mais uma história sobre o poder de atração das redes sociais, mas o que torna o caso incomum são as idades do trio: Luíza tem 88 anos, Mafalda, 69, e Zoraide, 67.

A reportagem é de Daniele Madureira, publicada no jornal Valor, 28-11-2013.

De um espaço digital dominado por adolescentes e jovens adultos, as redes sociais começam a receber um número crescente de usuários mais velhos. Em outubro, segundo levantamento encomendado pelo Facebook, o número de visitantes com mais de 55 anos cresceu 58% em relação a 2012. É um aumento bem superior ao de outras faixas, e à própria evolução média de audiência do site entre usuários a partir dos 15 anos, que cresceu 46%.

Atualmente, o Facebook tem 4,6 milhões de usuários com mais de 55 anos, que representam 7,8% do total. Parte deles se encaixa na terceira idade, um conceito cujos limites são variáveis. No Brasil, considera-se que essa etapa de vida começa aos 60 anos, mas há outras classificações, que indicam 65 e até 75 anos.

Para o Facebook, essa mudança de perfil não é preocupante. "Não queremos ficar restritos a uma faixa etária mais jovem", disse Camila Fusco, gerente de comunicação da empresa no Brasil. "O crescimento da audiência entre os mais velhos só mostra o quanto a plataforma é democrática".

O movimento não está restrito ao Facebook. Um levantamento feito pela empresa de pesquisa Nielsen Ibope para o Valor mostra que os usuários com mais de 55 anos responderam por 10,3% da audiência das redes sociais e fóruns em outubro, uma participação maior que a faixa etária de 21 a 24 anos, responsável por 6,7% da presença nas comunidades virtuais.

A facilidade de uso explica por que o Facebook e os jogos eletrônicos são as opções preferidas da terceira idade na internet. A rede social facilita a tarefa de acompanhar, mesmo à distância, a vida de filhos e netos. Já os games são uma forma de se divertir sem sair de casa. A matriarca Luíza é fã declarada dos joguinhos. Na época do curso de informática, nem uma queda a deixou afastada das aulas. Agora, ela mostra a mesma determinação na hora de jogar. "Só paro quando acaba a bateria do tablet", disse.

Aos poucos, outras formas de uso ficam populares entre os mais velhos, como o Skype (para falar com a família), os serviços bancários via internet, as pesquisa no Google e o envio de e-mails. Tudo isso está aumentando consideravelmente o tempo de exposição do grupo à internet. De acordo com a Nielsen Ibope, em outubro, os usuários com mais de 65 anos navegaram 42 horas e 35 minutos em média, mais que adolescentes de 12 a 17 anos (30 horas e 30 minutos), jovens de 18 a 24 anos (36 horas e 48 minutos) e adultos de 25 a 34 anos (41 horas e 58 minutos). O levantamento só leva em conta o tempo de navegação em casa.

"O Facebook está substituindo a novela como opção de entretenimento dos mais velhos", disse a socióloga Celia Belém, da consultoria Arquitetura do Conhecimento, que analisa o comportamento do consumidor. A própria Célia, de 65 anos, aderiu ao Facebook. "É uma forma de encontrar amigos com quem trabalhei nos anos 90", disse a ex-executiva de agências de propaganda. Em dezembro, Celia pretende participar de um almoço entre amigos feitos na rede social. "O Facebook tornou-se um espaço para quem está aposentado expressar sua opinião, é uma espécie de fórum de ideias", afirmou.

Para o pesquisador José Calazans, da Nielsen Ibope, o avanço dos mais velhos na rede mundial ocorre independentemente de classe social. A princípio, os acessos residenciais ficaram restritos às classes A e B, mas o cenário mudou. "À medida que o preço dos computadores diminuiu e a oferta de banda larga fixa aumentou, a classe C passou a explorar a internet", afirmou Calazans. A banda larga móvel, mesmo que indiretamente, também favoreceu o avanço dos mais velhos. "Hoje, os jovens navegam principalmente por dispositivos móveis, e acabam deixando de lado o computador de casa, que é usado pela terceira idade para passar o tempo", afirmou Calazans.

O mercado publicitário ainda não percebeu esse movimento, disse o pesquisador. Outros negócios, porém, já farejaram as oportunidades. É o caso dos cursos de informática. Na Pró-Soluta Tecnologia, localizada na Vila Carrão, zona Leste de São Paulo, 80% do público de 170 alunos tem mais de 60 anos. "Há cerca de 10 anos, abrimos a escola para oferecer cursos profissionalizantes e de informática. Mas, com a procura maior por parte da terceira idade, redirecionamos o foco", afirmou Fernanda Silva Pinto, proprietária da Pró-Soluta. Para os idosos, o curso tem três módulos: introdução à informática e Windows, internet e Facebook.

Segundo Fernanda, muitos alunos chegam à escola por indicação médica, porque estão sozinhos e em depressão. Mas há quem venha por insistência dos filhos, que querem ver as mães conectadas, como é o caso de Alda Borges, de 83 anos. Viúva e dona de casa, ela recebeu de presente dos filhos um notebook e procurou encaixar as aulas de informática em sua agenda, que também é preenchida por aulas de alongamento e hidroginástica.

"Ainda sou meio cismada em usar o notebook. Acho que posso estragar alguma coisa se apertar o botão errado", disse Alda, que levou para a escola as amigas Amélia, de 74 anos, e Irene, de 89. Por enquanto, a preferência de Alda no computador é por jogos de caça-palavras, palavras cruzadas e jogos da memória. "Mas meu filho já criou um perfil para mim no Facebook e eu estou aprendendo a usar", disse. Amélia está mais familiarizada com a rede social. Usa o notebook todos os dias para acessar o Facebook, mas pediu para a filha trocar o Windows 8 pelo 7, que é "mais fácil de usar, igual ao da escola", afirmou. Prudente, a aluna septuagenária reprova o excesso de exposição das pessoas na rede social. "Tem gente que põe até dor de barriga no Face", disse. "É um exagero".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Idosos são os novos 'donos do pedaço' no Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV