Linda Hogan. Será esta mulher a primeira cardeal da Igreja católica?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 05 Novembro 2013

No próximo dia 22 de fevereiro, Francisco nomeará os primeiros cardeais de seu pontificado. Inicialmente, haverá 14 vagas entre os menores de 80 anos - eleitores em um hipotético Conclave -, e um número ilimitado entre os que superaram esta idade.

 
Fonte: http://goo.gl/o8YTvP  

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada no sítio Religión Digital, 04-11-2013. A tradução é do Cepat.

Haverá, pela primeira vez na história, uma mulher entre elas? Os rumores e informações sobre esta possibilidade não deixaram de aparecer desde que o próprio Papa falou da necessidade de oferecer um “lugar específico” à mulher, “inclusive, ali, onde se exercita a autoridade nos vários âmbitos da Igreja”.

“Atualmente, não é uma hipótese realista”, respondia, nesta semana, o porta-voz vaticano Federico Lombardi, perguntas neste sentido aos meios de comunicação. No entanto, já circulam nomes das possíveis candidatas. A primeira da lista é a teóloga irlandesa Linda Hogan, professora de ecumenismo em Trinity College de Dublin e uma das mais destacadas teólogas feministas do mundo.

Casada, com 49 anos de idade, é a favorita em uma pesquisa realizada pelo prestigioso jesuíta James Keenan. Especialista em diálogo ecumênico e em História do Papado, certamente, seria uma magnífica candidata e defensora do direito da mulher a fazer parte da estrutura de governo da Igreja.

Não é a única. Na pesquisa surgiram até uma dezena de nomes. Os mais destacados foram o da africana irmã Teresa Okure, professora de teologia no Instituto Católico da África ocidental, na Nigéria, e o de Maryanne Loughry, diretora adjunta do Serviço Jesuíta aos Refugiados, na Austrália. Também surgiram outros nomes, sendo o mais destacado o de Mary Ann Glendon, ex-embaixadora dos Estados Unidos ante a Santa Sé e que foi designada por Francisco membro da comissão especial sobre atividades, do Instituto para as Obras de Religião.

Todas as candidatas se deparam com dois problemas de difícil resolução: o primeiro, e maior de todos, é o peso da tradição. Embora o cardinalato não faça parte do corpo doutrinal da Igreja, nem seja um sacramento da ordem, jamais existiu - para além das lendas da papisa Joana - uma mulher cardeal. O próprio Código de Direito Canônico de 1917, ainda vigente neste aspecto, estabelece que para ser cardeal é preciso ser varão e ao menos sacerdote, em cujo caso, se eleito, deve ser consagrado bispo.

Por outro lado, o cardinalato não é um dos sete sacramentos da Igreja, nem faz parte do sacramento da ordem (como fazem parte o diaconato, o presbiterado ou o episcopado), de modo que compete única e exclusivamente ao Papa mudar estes requisitos sem tocar o corpus doctrinal. E cumprindo suas palavras: “a mulher é imprescindível para a Igreja (...). Nos lugares onde se toma as decisões importantes é necessário o gênio feminino. Hoje, enfrentamos este desafio: refletir sobre o lugar específico da mulher, inclusive, ali, onde se exercita a autoridade nos vários âmbitos da Igreja”.

O que ocorreria se uma mulher fosse nomeada cardeal? Poderia participar de um Conclave unicamente como eleitora, mas não como elegível? A doutrina, sim, estabelece que o Vigário de Cristo unicamente pode ser um varão, e há vários séculos, celibatário e sacerdote. Caso não seja bispo, deve ser ordenado antes de tomar posse do trono pontifício. Isto impediria que uma mulher participasse, em igualdade de condições, em um Conclave. Contudo, existe outra possibilidade, também relacionada ao poder do Papa: que a ou as eleitas tivessem mais de 80 anos, assim não poderiam participar da escolha de um novo Santo Padre. E tampouco ser eleitas.

Atualmente, as duas possibilidades ainda parecem remotas. O certo é que a questão deixou de ser tabu atrás dos muros vaticanos. O próprio cardeal Dolan, que não é precisamente conhecido por seu progressismo eclesial, ressaltou, na semana passada, que “teoricamente” é possível ver mulheres cardeais. E recordou uma anedota de João Paulo II:

“Ouvi de mais de uma pessoa que, certa vez, alguém disse ao beato João Paulo II: ‘Você deve fazer de Madre Teresa de Calcutá um cardeal’”. Dolan, que também preside a Conferência Episcopal dos Estados Unidos, completou: “O Papa disse: ‘Eu a consultei, ela não quis’”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Linda Hogan. Será esta mulher a primeira cardeal da Igreja católica? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV