'Celebramos' mais um Dia Mundial da Limpeza e a sujeira continua a mesma, por Henrique Cortez

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS
  • Padre chileno renuncia pouco antes da ordenação episcopal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2013

"Recolher o próprio lixo ou descartá-lo no coletor mais próximo não é tão difícil e, no mínimo, é algo que qualquer um pode e deve fazer." , escreve Henrique Cortez, jornalista sub-editor da revista Cidadania & Meio Ambiente e coordenador editorial do portal EcoDebate, em artigo publicado no portal EcoDebate, 23-09-2013.

Eis o artigo.

No sábado, 21/9, foi “comemorado’ mais um Dia Mundial da Limpeza e, como sempre, voluntários dedicaram-se à limpeza de nossas praias.

O Dia Mundial da Limpeza faz parte de uma mobilização internacional, chamada Clean up the World (Limpe o Mundo, em português), que é promovida desde 1993, com o objetivo de incentivar comunidades a limpar e conservar o meio ambiente.

É uma ótima e necessária iniciativa, mas parece inútil porque, na realidade, o problema se perpetua e a sociedade pouco se importa com isto e em nada está disposta a mudar.

Recolher o próprio lixo ou descartá-lo no coletor mais próximo não é tão difícil e, no mínimo, é algo que qualquer um pode e deve fazer.

Pode e deve, mas não faz, a não ser sob coerção. É o caso do Programa Lixo Zero que reduziu em 46% quantidade de sujeira recolhida nas ruas do Rio, graças às multas.

Não foi diferente com o programa Lei Seca, que sob pesadas punições, conseguiu reduzir o irresponsável binômio álcool e direção. Algo que deveria ser natural, sob padrões mínimos de responsabilidade, só ‘vingou’ com a mão pesada da fiscalização.

Voltando ao lixo nas praias, ruas, etc., acredito que vários(as) dos(as) leitores(as) já passaram pela experiência de questionar um porcalhão e enfrentar uma reação perigosamente estúpida, mesmo quando o porcalhão estava diante da família.

Acho incompreensível esta atitude, do tipo o mundo que se exploda, que pouco ou nada se preocupa com o coletivo, com os direitos de todos.

Existem variações desta atitude em praticamente tudo, como indicam a imensa e ilógica quantidade de jipões, picapes e suv’s em nossas ruas; os que adoram som além dos limites em ‘prol’ do ensurdecimento coletivo; os egoístas, espertalhões e aproveitadores de todo tipo.

Em um planetinha limitado por definição e cada vez mais lotado de gente, o comportamento ‘Tô nem Aí’, apenas contribui para aumentar o desconforto e o estresse cada vez mais presente na vida de todos.

Poucas pessoas compreendem que a parte nunca é maior que o todo e, por isto, a maioria vive como se o planeta e o universo gravitassem em torno de seu umbigo, mesmo que isto prejudique a todos, inclusive ela mesma.

As crises (ambiental, social e econômica) estão se agravando e, sem padrões mínimos de civilidade, teremos ainda mais dificuldades pela frente.

E, como em tudo mais, teremos o futuro que fizermos por merecer.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Celebramos' mais um Dia Mundial da Limpeza e a sujeira continua a mesma, por Henrique Cortez - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV