Nova crise alimentar ameaça o Zimbábue

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

    LER MAIS
  • É desumano continuar a morrer sozinhos. E não digam que não poderia ter sido feito de outra forma

    LER MAIS
  • A vacina não é um bem comum

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Setembro 2013

Até a próxima colheita em abril, muitos zimbabuanos não terão condições de se alimentar todos os dias. Sory Ouane, o diretor do PAM (Programa Alimentar Mundial) no pequeno país da África Austral, prevê uma "crise bastante séria", estimando que 2,2 milhões de habitantes, um quarto da população rural, correm o risco de serem afetados. "Um aumento de 32% em relação a 2012-2013, um nível nunca visto nos últimos anos". Segundo esse oficial malinês alocado em Harare, "chuvas tardias e o custo elevado dos fertilizantes para os agricultores" explicam, em grande parte, a queda da produção de milho, o alimento básico dos zimbabuanos.

A repostagem é de Sébastien Hervieu, publicada pelo Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 18-09-2013.

"Venda de gado"

Sam Moyo, diretor do AIAS (Instituto Africano de Estudos Agrários), sediado em Harare, também culpa o aquecimento global. "Desde 2001, o Zimbábue sofreu sete episódios de seca, sendo quatro deles graves.As estações chuvosas são cada vez mais erráticas." Para tentar limitar a vulnerabilidade dos camponeses ao clima e reduzir sua dependência de ajuda alimentar, o PAM mandou instalar há dois anos sistemas de irrigação em 200 vilarejos.

Ian Scoones, professor do Instituto de Estudos do Desenvolvimento na Universidade de Sussex (Reino Unido), não questiona a gravidade da situação, mas acredita que é preciso manejar "com cautela" o número de 2,2 milhões. "Algumas das pessoas só passarão fome por alguns dias."

Autor de um estudo em 2010 sobre a reforma agrária do Zimbábue, o pesquisador britânico considera que essa estimativa calculada pela ZimVac --uma coalizão que reúne ONGs e o governo-- a partir de uma amostragem de 10 mil famílias é provavelmente superestimada. "Exceto por alguns locais, a situação não será tão ruim assim, pois além das importações e do auxílio alimentar direcionado, outras estratégias como a venda de gado pelas famílias ou o consumo de milho verde, colhido muito cedo, serão aplicadas pela população para evitar o pior."

Vários especialistas acreditam que o PAM tem interesse em inflar os números para receber mais verba. "É uma acusação totalmente infundada, pois essas estimativas não vêm de nós e os financiadores também têm pessoal no local para avaliar a situação", responde Sory Ouane, que acredita que "sem a intervenção do PAM, os zimbabuanos teriam morrido de fome nos últimos anos."

Redistribuição progressiva

Essa nova ameaça de crise alimentar volta a colocar em evidência os adversários da reforma agrária conduzida por Robert Mugabe, reeleito no dia 31 de julho à presidência do país em uma eleição marcada por suspeitas de fraude.

A partir do ano de 2000, as terras dos agricultores brancos, expulsos violentamente sem nenhuma indenização financeira, foram progressivamente redistribuídas a fazendeiros negros, levando a uma queda na produção agrícola e um colapso da economia também associado às sanções aplicadas na sequência por diversos países.

Para justificar essa política brutal, o presidente zimbabuano acusou o Reino Unido de Tony Blair, a ex-potência colonial, de não ter respeitado seu compromisso histórico de financiar essa redistribuição visando corrigir as desigualdades herdadas do passado.

Professor honorário de economia do desenvolvimento na London School of Economics (Reino Unido), Joseph Hanlon acredita que "o nível de produção agora voltou para o dos anos 1990". Coautor do livro "O Zimbábue retoma sua terra" (2012), Hanlon explica que "a maior reforma agrária conduzida na África permitiu substituir 6.000 fazendeiros brancos por 245 mil agricultores."

"O Zimbábue muitas vezes foi chamado de 'celeiro' da região, mas isso é um mito", ele afirma. "Ao longo das duas décadas que precederam a independência em 1980, o país já teve de importar milho durante sete anos."

Para esse professor britânico, "os novos agricultores negros poderiam aumentar sua renda se tivessem ajuda financeira para comprar fertilizantes, assim como foi com os agricultores brancos. Mas os bancos viram as costas para eles e o Estado não tem dinheiro."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nova crise alimentar ameaça o Zimbábue - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV