A importância da imaginação pós-capitalista. Entrevista com David Harvey

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Agosto 2013

Da habitação aos salários, David Harvey diz que examinar as contradições do capitalismo pode apontar o caminho para um mundo alternativo.

A reportagem é de Ronan Burtenshaw e Aubrey Robinson, publicada no sítio Red Pepper, 22-08-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Há cinco anos no próximo mês, a Lehman Brothers pediu a maior falência da história dos Estados Unidos. O seu colapso apontou para o início da Grande Recessão – a mais substancial crise histórica mundial do capitalismo desde a Segunda Guerra Mundial. Como devemos entender os fundamentos desse sistema agora em crise? E, à medida que ele trava guerra contra as pessoas que trabalham sob o pretexto da austeridade, como podemos imaginar um mundo para além dele?

Poucos foram tão influentes em responder a essas perguntas quanto o geógrafo marxista David Harvey.

Eis a entrevista.

Você está trabalhando em um novo livro neste momento, The Seventeen Contradictions of Capitalism [As 17 contradições do capitalismo]. Por que o foco nas suas contradições?

A análise do capitalismo sugere que há contradições significativas e fundamentais. Periodicamente, essas contradições saem do controle e geram uma crise. Nós acabamos de passar por uma crise, e eu acho que é importante perguntar quais foram as contradições que nos levaram a isso. Como podemos analisar a crise em termos de contradições? Um dos grandes ditados de Marx era que a crise é sempre o resultado das contradições subjacentes. Portanto, temos que lidar com elas em si mesmas, ao invés de lidar com os seus resultados.

Uma das contradições em que você se foca é entre o uso e o valor de troca de uma mercadoria. Por que essa contradição é tão fundamental para o capitalismo, e por que você usa a habitação para ilustrá-la?

Todas as mercadorias devem ser entendidas como tendo um valor de uso e um valor de troca. Se eu tenho um bife, o valor de uso é que eu posso comê-lo, e o valor de troca é o quanto eu tive que pagar por ele. Mas a habitação é muito interessante, nesse sentido, porque, como um valor de uso, você pode entendê-la como abrigo, privacidade, um mundo de relações afetivas com as pessoas, uma grande lista de coisas para as quais você usa uma casa.

Mas depois há a questão de como você consegue essa casa. Antigamente, as casas eram construídas pelas próprias pessoas, e não havia absolutamente nenhum valor de troca. Depois, a partir do século XVIII, você tem a construção de casas especulativa – os terraços georgianos que eram construídos e vendidos posteriormente. Assim, as casas se tornaram valores de troca para os consumidores na forma de poupança. Se eu comprar uma casa e pagar a hipoteca sobre ela, eu posso acabar como proprietário da casa. Então, eu tenho um bem. Por isso, eu passo a ficar muito preocupado com a natureza do bem. Isso gera políticas interessantes – "não no meu quintal", "eu não quero que pessoas que não se parecem comigo se mudem para o meu lado". Então, você começa a ter a segregação nos mercados da habitação, porque as pessoas querem proteger o valor das suas poupanças.

Assim, cerca de 30 anos atrás, as pessoas começaram a usar a habitação como uma forma de ganho especulativo. Você podia comprar uma casa e 'virá-la' – você compra uma casa por 200 mil livras e depois de um ano você recebe 250 mil libras por ela. Você ganhou 50 mil libras. Então, porque não fazê-lo? O valor de troca assume o comando. E assim você tem esse boom especulativo. No ano 2000, depois do colapso dos mercados acionários globais, o capital excedente começou a fluir para a habitação. É um tipo interessante de mercado. Se eu comprar uma casa, então os preços da habitação sobem, e você diz: "Os preços da habitação estão subindo, eu deveria comprar uma casa". E, então, aparecem outras pessoas. Você tem uma bolha imobiliária. As pessoas são atraídas, e ela explode. Então, de repente, muitas pessoas descobrem que não podem mais ter o valor de uso do imóvel, porque o sistema de valor de troca o destruiu.

Isso levanta a questão: é uma boa ideia permitir que o valor de uso na habitação, que é crucial para as pessoas, seja definido por um sistema de valor de troca louco? Esse não é apenas um problema com a habitação, mas também com coisas como a educação e a saúde. Em muitos deles, nós ativamos a dinâmica do valor de troca na teoria de que ele vai fornecer o valor de uso, mas, frequentemente, o que ele faz é estragar os valores de uso, e as pessoas acabam não recebendo bons cuidados de saúde, educação ou habitação. É por isso que eu acho muito importante olhar para a distinção entre o valor de uso e o valor de troca.

Outra contradição que você descreve envolve um processo de mudança ao longo do tempo entre as ênfases do lado da oferta sobre a produção e as ênfases do lado da demanda sobre o consumo no capitalismo. Você pode falar sobre como isso se manifestou no século XX e por que isso é tão importante?

Uma das grandes questões é manter uma demanda de mercado adequada para que você possa absorver o que quer que o capital esteja produzindo. A outra é criar as condições sob as quais o capital pode produzir de forma lucrativa. Essas condições de produção rentável geralmente significam suprimir trabalho. Na medida em que você se envolve na repressão salarial – pagando salários cada vez mais baixos –, a taxa de lucro sobe.

Assim, do lado da produção, você quer esmagar o trabalho o máximo que você puder. Isso lhe dá lucros elevados. Mas então surge a pergunta: quem vai comprar o produto? Se o trabalho for espremido, onde fica o seu mercado? Se você esmaga o trabalho demais, você acaba em uma crise, porque não há demanda suficiente no mercado para absorver o produto.

Foi interpretado amplamente depois de um tempo que o problema da crise da década de 1930 foi a falta de demanda. Houve, portanto, uma mudança para investimentos liderados pelo Estado na construção de novas estradas, o WPA [a agência Works Progress Administration de obras públicas sob o New Deal] e tudo isso. Eles disseram: "Vamos revitalizar a economia pela demanda financiada pela dívida" e, ao fazer isso, voltaram-se para a teoria keynesiana.

Então, você sai dos anos 1930 com uma capacidade muito forte para gerir a demanda com muito envolvimento do Estado na economia. Como resultado disso, você tem taxas de crescimento muito elevadas, mas as altas taxas de crescimento são acompanhadas por um empoderamento da classe trabalhadora com salários em ascensão e sindicatos mais fortes. Sindicatos fortes e altos salários significam que a taxa de lucro começa a cair. O capital está em crise porque não está reprimindo o trabalho o suficiente, e por isso que tem a virada.

Nos anos 1970, eles se voltaram para Milton Friedman e para a Escola de Chicago, que se tornou dominante na teoria econômica, e as pessoas começaram a prestar atenção no lado da oferta – particularmente os salários. Você tem a repressão dos salários, que começa nos anos 1970. Ronald Reagan ataca os controladores do tráfego aéreo, Margaret Thatcher vai atrás dos mineiros, Pinochet mata as pessoas de esquerda. Você tem um ataque contra o trabalho – o que aumenta a taxa de lucro.

Quando você chega aos anos 1980, a taxa de lucro tem um salto, porque os salários estão sendo reprimidos, e o capital está indo bem. Mas aí vem o problema de onde você vai vender as coisas. Nos anos 1990, isso realmente coberto pela economia da dívida. Você começa a incentivar as pessoas a pedir muitos empréstimos – você começa a criar uma economia do cartão de crédito e uma economia financiada em altas hipotecas na habitação. Isso cobria o fato de que não havia demanda real lá fora.

Mas, no fim, isso explode em 2007-2008. O capital tem esta pergunta: "Você trabalha do lado da oferta ou do lado da demanda?". A minha visão de um mundo anticapitalista é que você deve unificar isso. Devemos voltar ao valor de uso. Que valores de uso as pessoas precisam e como podemos organizar a produção de forma a que ela corresponda a eles?

Parece que estamos em uma crise do lado da oferta, e mesmo assim a austeridade é uma tentativa de encontrar uma solução do lado da oferta. Como podemos conciliar isso?

Você tem que diferenciar entre os interesses do capitalismo como um todo e o que é especificamente de interesse da classe capitalista, ou de uma parte dela. Durante essa crise, grosso modo, a classe capitalista se saiu muito bem. Alguns deles se queimaram, mas, na maior parte, eles se saíram extremamente bem. De acordo com estudos recentes de países da OCDE, a desigualdade social aumentou muito significativamente desde o início da crise, o que significa que os benefícios da crise foram fluindo para as classes mais altas.

Em outras palavras, eles não querem sair da crise porque estão se saindo muito bem com isso. A população como um todo está sofrendo, o capitalismo como um todo não está saudável, mas a classe capitalista – particularmente uma oligarquia dentro dela – tem se saído extremamente bem. Há muitas situações em que os capitalistas individuais que operam em seus próprios interesses de classe realmente podem fazer coisas que são muito prejudiciais para o sistema capitalista como um todo. Eu acho que estamos nesse tipo de situação agora.

Você já disse muitas vezes recentemente que uma das coisas que deveríamos fazer na esquerda é envolver a nossa imaginação pós-capitalista, começando por fazer a pergunta sobre como seria um mundo pós-capitalista. Por que isso é tão importante? E, na sua opinião, como seria um mundo pós-capitalista?

Isso é importante porque tem sido martelado nas nossas cabeças por um considerável período de tempo que não há alternativa. Uma das primeiras coisas que temos que fazer é pensar na alternativa a fim de avançar rumo à sua criação. A esquerda se tornou tão cúmplice com o neoliberalismo que você realmente não pode distinguir os seus partidos políticos dos da direita, exceto em questões nacionais ou sociais. Na economia política, não há muita diferença.

Temos que encontrar uma economia política alternativa para a forma como o capitalismo funciona, e existem alguns princípios. É por isso que as contradições são interessantes. Você olha para cada um delas, como, por exemplo, a contradição entre o valor de uso e de troca, e diz: "O mundo alternativo seria aquele em que nós definimos os valores de uso". Então, nós nos concentramos nesses valores de uso e tentamos diminuir o papel dos valores de troca. Ou na questão monetária – precisamos de dinheiro para circular mercadorias, não há dúvida sobre isso. Mas o problema com o dinheiro é que ele pode ser apropriado por pessoas privadas. Ele se torna uma forma de poder pessoal e, depois, um desejo fetichista. As pessoas mobilizam as suas vidas ao redor da busca desse dinheiro, mesmo quando ninguém sabe que ele existe.

Então, nós temos que mudar o sistema monetário – seja cobrando imposto de quaisquer excedentes que as pessoas estejam começando a obter, seja chegando a um sistema monetário que se dissolva e não possa ser armazenado, como as milhas aéreas. Mas, a fim de fazer isso, você também tem que superar a dicotomia entre propriedade privada e Estado e chegar a um regime de propriedade comum. E, em um certo ponto, você precisa gerar uma renda básica para as pessoas, porque, se você tem uma forma de dinheiro que seja antipoupança, então você precisa dar garantias às pessoas.

Você precisa dizer: "Você não precisa economizar para um dia ruim, porque você sempre vai receber essa renda básica, não importa o quê". Você tem que dar às pessoas essa segurança, em vez das economias privadas e pessoais. Alterando cada uma dessas coisas contraditórias, você chega a um tipo diferente de sociedade, que é muito mais racional do que a que temos. O que está acontecendo exatamente agora é que nós produzimos coisas e depois tentamos persuadir os consumidores a consumir tudo o que produzimos, independentemente se eles realmente querem ou precisam disso. Enquanto que deveríamos descobrir quais são as vontades e os desejos básicos das pessoas e, então, mobilizar o sistema de produção para produzir isso.

Ao eliminar a dinâmica do valor de troca, você pode reorganizar o sistema inteiro em um caminho diferente. Podemos imaginar em que direção se moveria uma alternativa socialista, enquanto ela irrompe a partir dessa forma dominante de acumulação de capital que gere tudo hoje.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A importância da imaginação pós-capitalista. Entrevista com David Harvey - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV