Justiça se nega a reconhecer morte de Amarildo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Eu fui nomeado o quê? Um carnaval” – a surpresa de um padre de 80 anos

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “O que o Evangelho nos pede é ser povo de Deus, não elite de Deus”

    LER MAIS
  • “Não gosto da roupagem que colocam em nós cardeais, é cara e de príncipe”. Entrevista com o novo cardeal mexicano Felipe Arizmendi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 22 Agosto 2013

A Justiça do Rio de Janeiro negou o pedido de reconhecimento de morte presumida feito pela família do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza. Desaparecido desde o dia 14 de julho, o morador da Rocinha foi visto a última vez quando era levado por policiais à sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade.

A reportagem é de Daniele Silveira e publicada pela Radioagência NP, 21-08-2013.

O juiz Luiz Henrique Oliveira Marques, da 5ª Circunscrição do Registro Civil das Pessoas Naturais, considerou que “o desaparecimento teria ocorrido quando Amarildo se encontrava em poder de agentes do Estado, o que, por si só, não geraria perigo de vida. Não foi noticiado qualquer confronto armado, perigo real que justifique a declaração de morte presumida dele”.

O advogado João Tancredo, que representa a família de Amarildo, questiona a decisão e avisa que vai recorrer. “A gente presume que ele sumiu na mão do Estado. Com outras provas e também em razão do tempo já decorrido, é certo que Amarildo não apareça.”

O soldado Douglas Roberto Vital Machado, que levou Amarildo à sede da UPP da Rocinha para averiguações no dia do seu desaparecimento, já havia sido denunciado por agressão e ameaças por moradores da comunidade.

A investigação do caso é feita pela Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, unidade da Polícia Civil responsável por investigar apenas casos de assassinato no estado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Justiça se nega a reconhecer morte de Amarildo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV