As mulheres na tecnologia e no software livre

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • O PT e o voto evangélico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Julho 2013

A americana e ativista Valerie Aurora, 35 anos, comunicou ao Fórum de Software Livre, que se realiza em Porto Alegre, que teria uma condição para participar como palestrante: o Fisl precisaria adotar uma política que previna o assédio. Valerie propõe a inserção de mulheres na tecnologia e no software livre.

A entrevista foi publicada no jornal Zero Hora, 05-07-2013.

Eis a entrevista.

Como você começou a defender mais mulheres na tecnologia?

Minha mãe era programadora. Quando entrei na universidade eu era a única mulher em 40 homens. Depois, quando comecei a trabalhar com software livre e vi que era a única mulher no mundo fazendo isso, passei a me interessar pela causa.

Por que as mulheres não se envolvem mais com tecnologia?

É um ciclo vicioso, porque há mais homens nessa área, eles cultivam uma cultura que é mais convidativa a homens. É um ciclo que precisa ser quebrado. Toda cultura do mundo, hoje, é sexista, e isso impacta a cultura de tecnologia e de software livre.

O que os homens podem fazer para deixar as colegas mais a vontade?

Uma coisa que pode ser feita é instituir a política antiassédio, que pode funcionar para qualquer evento. Estamos cansadas de ir a eventos e nos perguntarem se somos namoradas de alguém, ou nos convidarem para sair, ou até nos perguntam o que estamos fazendo naquele lugar sozinhas. É um sensação péssima.

A cultura de software livre é bastante competitiva. Como isso pode ser mudado?

Ter mais mulheres envolvidas com software livre é algo que vai torná-lo mais bem-sucedido. Um dos problemas que o software livre tem agora é essa cultura competitiva, que coloca a tecnologia acima de tudo e ignora a facilidade de usar. Se as pessoas valorizarem a colaboração, teremos softwares livres melhores.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As mulheres na tecnologia e no software livre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV