Francisco acolhendo a FAO denuncia “o escândalo de milhões de pessoas que morrem de fome”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 21 Junho 2013

Francisco referiu-se, nesta quinta-feira, ao “escândalo” representado por milhões de pessoas que passam fome e denunciou a especulação financeira nos preços dos alimentos, durante uma audiência com os participantes da 38ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A reportagem está publicada no sítio Religión Digital, 20-06-2013. A tradução é do Cepat.

Ao recebê-los no Vaticano, o papa recordou em um discurso em espanhol que a crise econômica, os conflitos abertos e a mudança climática complicam a situação da luta contra a fome, mas, na sua opinião, o “verdadeiro escândalo” é que haja milhões de pessoas que sofrem e morrem de fome “quando é do conhecimento de todos que a produção de alimentos atual é suficiente” para todos.

“É necessário encontrar uma maneira para que todos se beneficiem dos frutos da terra, não apenas para evitar que aumente a diferença entre os que mais têm e os que têm que se conformar com as migalhas, mas também, e sobretudo, por uma exigência de justiça, equidade e respeito a todo ser humano”, disse o papa argentino.

Jorge Bergoglio fez um apelo para “fazer algo mais para incrementar a ação internacional em favor dos pobres, não apenas armados de boa vontade ou, o que é pior, de promessas que muitas vezes não se cumprem”.

Advertiu que na luta contra a fome “não se pode continuar utilizando como desculpa a crise global atual” enquanto existe, entre outras coisas, “a especulação financeira, que neste momento condiciona o preço dos alimentos, tratando-os como qualquer outra mercadoria e esquecendo seu destino primário”.

Diante disso, insistiu em que “é necessário opor-se aos interesses econômicos míopes e à lógica do poder de uns poucos, que excluem a maioria da população mundial e geram pobreza e marginalização, causando desagregação na sociedade, assim como combater essa corrupção que produz privilégios para alguns e injustiças para muitos”.

Além de assinalar que a atual situação está “diretamente relacionada com fatores financeiros e econômicos”, Bergoglio acrescentou que “é também consequência de uma crise de convicções e valores, incluídos os que são o fundamento da vida internacional”.

O papa destacou então a necessidade de que a comunidade internacional e a própria FAO empreendam uma séria reconstrução, como aquela iniciada por este organismo “para garantir uma gestão mais funcional, transparente e equânime”, e tomem “maior consciência da responsabilidade de cada um”.

Francisco também pediu que “as relações internacionais restabeleçam a referência aos princípios éticos que as regulam e redescubram o espírito autêntico de solidariedade que pode tornar incisiva toda a atividade de cooperação”.

O pontífice aplaudiu a ideia da FAO de dedicar o próximo ano à família rural, pois considerou que “é preciso reforçar a convicção de que a família é o principal lugar do crescimento de cada um, pois através dela o ser humano se abre à vida e a essa exigência natural de se relacionar com os outros”.

Concluindo, pediu ao organismo da ONU que dê um novo impulso “aos processos de tomada de decisões” e que estes se caracterizem “pela promoção da cultura do encontro e da solidariedade”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco acolhendo a FAO denuncia “o escândalo de milhões de pessoas que morrem de fome” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV