Casamento gay divide a Suprema Corte dos EUA

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Março 2013

Uma Suprema Corte dividida está lançando dúvidas sobre uma decisão a respeito da proibição ao casamento gay na Califórnia. Alguns juízes acham que não deveriam estar deliberando sobre o caso, enquanto que outros alegam ser cedo demais para tomar uma decisão com amplas ramificações para a sociedade.

A reportagem é de Anna Fifield, publicada no jornal Financial Times e reproduzida pelo jornal Valor, 27-03-2013.

A mais alta corte de Justiça dos Estados Unidos iniciou ontem dois dias de audiências sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo, em meio a uma mudança da opinião pública sobre a questão.
Por um lado, os juízes liberais questionaram por que, se o propósito primário do casamento é produzir filhos, as autoridades permitiram o casamento de casais estéreis e mais velhos. De outro, os juízes conservadores pediram cautela, pois acham que não se deve agir muito rapidamente na legalização do casamento gay.

O caso está centrado na inconstitucionalidade ou não da Proposta 8, um referendo popular que em 2008 alterou a Constituição estadual da Califórnia para estabelecer que o casamento somente deve ocorrer entre um homem e uma mulher.

Posteriormente, uma corte distrital federal decidiu que casais do mesmo sexo que quisessem se casar na Califórnia deveriam poder fazer isso, e o governador do Estado e a promotoria-geral decidiram não apelar. Mas de lá para cá os defensores da proibição apelaram à Suprema Corte.

O fato de o Estado da Califórnia não estar envolvido no caso levantou dúvidas sobre a legitimidade de a Corte considerar a apelação. "Fico imaginando se o caso foi adequadamente outorgado", disse o juiz Anthony Kennedy, frequentemente apontado como o voto decisivo na Corte, levantando a possibilidade de ela não emitir uma decisão em junho.

Tom Goldstein, editor do blog Scotusblog, escreveu: "Em minha opinião, o resultado final é que a Corte provavelmente não terá os cinco votos necessários para chegar a um resultado, e é quase certo que não terá cinco votos para decidir os méritos da constitucionalidade da Proposta 8".

Charles Cooper, advogado dos defensores da proibição do casamento gay na Califórnia, afirmou que a redefinição do casamento teria "consequências no mundo real" que poderiam ser "adversas". É melhor "apertar o botão de pausa" e esperar por mais informações dos nove Estados que já permitiram o casamento entre pessoas do mesmo sexo, do que agir rápido demais, acrescentou Cooper.

Antonin Scalia, um dos juízes conservadores da bancada, disse que o casamento gay tem "efeito potencialmente deletério" sobre as crianças, embora a juíza Ruth Bader Ginsburg, uma liberal, tenha afirmado a seu colega que essas considerações não se aplicam porque a Califórnia já permite a adoção de crianças por casais do mesmo sexo.

Ted Olson, advogado daqueles que defendem o casamento gay na Califórnia, reagiu, afirmando que a medida "impede casais de gays e lésbicas de se casarem". Ele acrescentou: "Isso estigmatiza uma classe de californianos com base em sua condição e rotula suas relações mais prezadas como de segunda classe".

O juiz conservador Samuel Alito observou que a Califórnia já garante muitos direitos aos casais do mesmo sexo, que outros Estados americanos não garantem, como a permissão de união civil.
A administração Obama alinhou-se aos defensores do casamento gay, argumentando que os Estados não podem conceder todos os benefícios do casamento a gays e lésbicas, sem chamá-los de casamento.

Se a Corte concordar com essa posição, isso também afetará os outros sete Estados - Delaware, Havaí, Illinois, Nova Jersey, Rhode Island, Nevada e Oregon - que oferecem benefícios a casais do mesmo sexo mas não permitem o casamento. Vários juízes manifestaram preocupação com a necessidade de cautela ao emitir decisões com consequências tão amplas. O juiz Alito disse que o casamento gay é "mais novo que o telefone celular ou a internet".

Hoje, o tribunal vai apreciar uma contestação à lei conhecida como Lei de Defesa do Casamento, que estipula que o governo federal não pode reconhecer casamentos entre pessoas do mesmo sexo e autoriza os Estados a não reconhecerem os casamentos entre gays e lésbicas ocorridos em outros lugares.

Ontem, o Estado de Dakota do Norte adotou a mais restritiva lei sobre o aborto dos Estados Unidos, depois que o governador Jack Dalrymple sancionou um projeto de lei que proíbe o procedimento na maioria dos casos, uma vez detectada a batida do coração do feto - o que é possível já com seis semanas de gravidez.

Os defensores do aborto prometem contestar, na Justiça, a lei, que não prevê exceção no caso de estupro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casamento gay divide a Suprema Corte dos EUA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV