Religião no século XXI? A fé de Rowan Williams ‘vence’ o ateu Richard Dawkins

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: "Ele nos ensinou o caminho do discernimento". Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 11 Fevereiro 2013

Mais de 800 pessoas, a maioria estudantes universitários, assistiram ao esperado debate na Cambridge Union Society (CUS). Este histórico clube privado de debate, vinculado à Universidade de Cambridge, convidou vários nomes para discutir a premissa: “A religião não possui espaço no século XXI”. Entre os debatedores estiveram Rowan Williams (à direita na foto), que acaba de deixar a liderança da Igreja Anglicana, e Richard Dawkins (à esquerda na foto), representante visível do ateísmo em nível mundial.

A reportagem é publicada no sítio Protestante Digital, 08-02-2012. A tradução é do Cepat.

Toda quarta-feira, a CUS organiza nas salas de seu prédio, de mais de 200 anos, um debate sobre um assunto da atualidade, contando com especialistas e personalidades amplamente reconhecidos. No último dia 31, buscava-se questionar a necessidade da religião neste novo século, apresentando as questões: “A religião é compatível com a vida do século XXI? Como é possível encaixá-la com as leis e valores modernos? E se é compatível, a religião faz mais o bem do que o mal?”.

De um lado se apresentaram Richard Dawkins, biólogo evolucionista e autor de vários livros muito populares, como “The God Delusion” e o chefe executivo da Associação Britânica Humanista, Andrew Copson. Do outro, o professor de Estudos Islâmicos, da Universidade de Oxford, Tariq Ramadan, o diretor associado da Sociedade Henry Jackson, Douglas Murray, e Rowan Williams, autor de vários livros e novo chefe do Magdalene College, de Cambridge.

Após escutar todas as intervenções, uma parte do público votou naquilo que no debate consideraram mais convincente. Os favoráveis à premissa “a religião não possui espaço no século XXI” saíram derrotados com 136 votos frente aos 324 contrários.

Dawkins. A religião sem respostas relevantes

Durante o debate, Dawkins defendeu que a religião é um “pretexto”, uma forma de se esquivar da realidade. Esta, segundo sua opinião, é “redundante e irrelevante”, além de “uma traição ao intelecto, uma traição a tudo o que temos de melhor em nós, àquilo que nos faz humanos”, afirmou. “A religião – prosseguiu - parece responder a pergunta até você examinar e dar conta de que ela não faz isso... Dissemina explicações falsas, quando explicações reais poderiam ser oferecidas. São explicações falsas que obstaculizam a iniciativa em descobrir explicações reais”.

No contexto científico, opinou Dawkins, a religião exerce a função de um “charlatão pernicioso”. Em conclusão, o representante ateu concluiu que a sociedade funcionaria melhor, não pior, se as religiões estabelecidas não estivessem presentes.

Williams. A religião como chave em direitos humanos

De sua parte, Rowan Williams, que já fez um debate com Dawkins, garantiu que a religião “sempre foi uma questão de construir comunidades, uma questão de construir relações de compaixão e, atrevo-me a dizer, de inclusão”. Portanto, olhando para a História, Williams argumentou que não se trata tanto de dizer se a religião deve existir ou não, mas em perceber qual deveria ser a atitude que se tem para esta. Argumentou, por exemplo, que os direitos das pessoas “possuem profundas raízes” nas comunidades de fé. “A convenção dos Direitos Humanos não seria o que é, caso não tivesse passado pela história do debate filosófico e religioso”. Neste sentido, enfatizou que o respeito pela vida humana e a igualdade é inerente a todas as religiões organizadas. Além disso, disse que “o argumento que afirma que o compromisso religioso deva ser um assunto meramente privado entra em choque com a história da religião”.

Conversa aberta

Este debate, no qual o público podia pedir a palavra e expor perguntas, foi marcado pela questão da idoneidade ou não da religião, em sentido amplo, portanto, não se concentrou em abordar as diferenças entre as religiões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Religião no século XXI? A fé de Rowan Williams ‘vence’ o ateu Richard Dawkins - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV