Eu vos conto Ambrósio, a verdadeira história do Santo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Dezembro 2014

"É inútil sublinhar que a intervenção daquele personagem nos transtornou em massa. Tudo aquilo que desde garotinho havia aprendido sobre o santo de Milão era, num instante, literalmente jogado na lata dos dejetos e em seu lugar eis-me diante de um homem repleto de contradições imprevisíveis e de uma coragem que beirava, dizendo pouco, a loucura", escreve Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura, em artigo publicado por il Fatto Quotidiano, 04-12-2014. A tradução é de Benno Dischinger.

Eis o artigo.

Recém terminada a última grande guerra, nasceram em Milão muitíssimos grupos culturais que ofereciam aos jovens das várias escolas, universidades e academias a possibilidade de enriquecer os conhecimentos e pensamentos.

Naturalmente os mais freqüentados eram em grande número de matriz comunista, anárquica ou religiosa. Entre estes sobressaía a ordem dos Jesuítas do Centro San Fedele, fundada pelo Padre Arcângelo Favaro, que publicava uma revista com argumentos e pesquisas realmente insólitas sobre questões da cultura, das lutas sociais e da justiça.

Eu tinha então dezoito anos e com os meus colegas de curso frequentei aquele grupo de pesquisa que, além disso, oferecia a nós rapazes um amplo espaço onde assistir a projeções cinematográficas de vanguarda e documentários sobre espetáculos, mostras internacionais de pintura e concertos de autores do passado e contemporâneos.

No final destas lições de arte e de história, que há anos o fascismo havia cancelado quase totalmente dos programas escolásticos, nos encontrávamos a participar dos debates. E foi precisamente num destes encontros que me encontrei assistindo a uma lição sobre Santo Ambrósio.

O relator – um jesuíta que, pelo aplauso com que fora acolhido, devia possuir uma credibilidade notável junto a todos os presentes– começou a desorientar o público desde as primeiras colocações: “Estou aqui para falar-vos de Aurelius Ambrosius, autêntico fundador da igreja cristã desta cidade que inventou a música sacra servindo-se dos cantos populares famosos nas tabernas e nas danças populares”.

Depois prosseguiu colocando a todos nós uma pergunta antes provocadora: “Ambrósio, que viveu e atuou aqui em Milão no IV Século depois de Cristo como conselheiro maior do imperador e depois constrangido a vestir pelo furor do povo a túnica de Bispo da cidade, deve ser considerado realmente um Santo Homem digno da fama e da santidade que lhe é prodigalizada? E ainda: tinha ele subido aos níveis máximos do poder por méritos indiscutíveis ou graças também ao apoio de homens da casta dos negócios políticos e financeiros, como ainda está em uso hoje? E, para terminar, era um homem justo e leal, humilde e tolerante como nos contam alguns historiadores da época ou um déspota arrogante e implacável? E, sobretudo, que relações tinha ele com a classe dos possuidores em relação à exploração das classes dos deserdados?”

“Deus... mas estamos seguros – perguntei aos meus companheiros de academia – que este sábio fabulador ainda faça parte dos jesuítas?”

É inútil sublinhar que a intervenção daquele personagem nos transtornou em massa. Tudo aquilo que desde garotinho havia aprendido sobre o santo de Milão era, num instante, literalmente jogado na lata dos dejetos e em seu lugar eis-me diante de um homem repleto de contradições imprevisíveis e de uma coragem que beirava, dizendo pouco, a loucura. Sobretudo as homilias de Ambrósio nos surpreenderam quase como se a gente estivesse participando de um jogo do massacre e da profanação.

Na mesma tarde fui à biblioteca de Brera, onde me tornara amigo de um dos responsáveis dos empréstimos e lhe perguntei se era possível ler algo de insólito sobre Santo Ambrósio. Ele exclamou: “Mas o que sucedeu a todos vocês rapazes, és o quinto que em meia hora chega aqui a perguntar-me sobre Santo Ambrósio!” E eu respondi: “Não podes entender, é uma história que tem a ver com os jesuítas!” A partir daquele dia recolhi documentações em grande número, todas extraordinariamente desconhecidas. Devo dizer a verdade: junto a Santo Ambrósio precisei estudar o inteiro período histórico do final da hegemonia romana sobre o mundo. Depois de quase trinta anos, na época na qual com Franca decidíamos abandonar o teatro tradicional e começar uma tournée que duraria dez anos num circuito completamente inventado de ginásios de esporte, igrejas desconsagradas, cinemas desativados, Casas do Povo, eis que retomo o projeto de escrever e colocar em cena uma história sobre Santo Ambrósio.

A maior parte dos meus companheiros de aventura me olha como se eu tivesse enlouquecido: “Em que coisa entramos, estamos aqui para falar dos problemas dos trabalhadores e dos estudantes em luta por uma nova cultura! O que fazemos? O que andamos organizando, um movimento para a revisão histórica dos santos da igreja?”

E assim tivestes que esperar ainda mais de vinte anos para chegar finalmente a poder armar uma história sobre Ambrósio a apresentar em teatro. Não num lugar qualquer, mas precisamente no Pequeno Teatro de Milão – o Strehler – com Franca nas vestes da mãe de Ambrósio e de Justina, a imperadora do reino de Roma. Não só, mas com a direção de Felice Cappa, organizamos uma retomada televisiva a oferecer à RAI, a fim de que a pusesse em tela.

Hoje, após cinco anos, estamos finalmente em condições de mostrar-vos este nosso trabalho mandado em onda da RAI 5, precisamente no dia dedicado a Santo Ambrósio, o Santo de Milão, (07 de dezembro) logo após abertura do concerto de abertura da temporada do Scala de Milão, aproximadamente no horário das 21h15min, horário local.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eu vos conto Ambrósio, a verdadeira história do Santo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV