“A situação da Igreja é uma catástrofe”, afirma Fellay

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Sínodo da Amazônia revela sagacidade política do papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 03 Novembro 2014

Há poucos dias, o distrito francês da Fraternidade sacerdotal São Pio X organizou a habitual peregrinação a Lourdes, com a participação de mais de 7.000 peregrinos de todo o país. Após o evento, dom Bernard Fellay, Superior da Fraternidade concedeu uma entrevista ao sítio “La Porte Latine”, na qual falou sobre o martírio dos cristãos orientais, sobre o Sínodo da Família e sobre a beatificação de Paulo VI. Concluiu suas reflexões citando a frase de sua homilia que evocava as palavras de Jesus: “não tenham medo”.

A reportagem é de Marco Tosatti, publicada por Vatican Insider, 30-102014. A tradução é do Cepat.

Em relação ao Sínodo, Fellay disse que “não há nada que esperar: a linha já foi apontada. Está claro. Simplesmente é preciso dizer que se deseja banalizar a situação das pessoas que vivem no adultério, em uma verdadeira situação de pecado. Deseja-se banalizar isto, e é muito, mas muito grave. Quando se toca a moral, são os mandamentos de Deus que são tocados... É preciso refletir sobre como ajudar estas pessoas. É necessário refletir a esse respeito, claramente. Porém, não os ajuda dizer que há uma porta aberta ali onde não há. A porta que está para ser aberta é a porta do inferno. Estes prelados que receberam o poder das chaves, ou seja, de abrir as portas do céu, estão fechando-as e abrindo as do inferno. É impensável! É preciso gritar! É preciso gritar. E, como dizia, a linha já foi apontada... Não é difícil imaginar o que se fará no próximo Sínodo”.

Fellay também expressou duras críticas à beatificação de Paulo VI. “Simplesmente, não é sério. O que se conclui é que todos podem ser santos, sobretudo se são a favor do Vaticano II. Tudo o que tem a ver com o Vaticano II agora é santo, beatificado, canonizado. Mais uma vez, a banalização da santidade. Já não é sério. Isto nos prejudica muito, dói profundamente. Ridicularizam a religião. Um santo deve brilhar por suas virtudes. Virtudes heroicas. Deve ser um exemplo para os demais. Não é sério o que se fez, é triste dizer isso”.

Para concluir, exortou os fiéis a se encomendar a Deus. “Em uma crise tão terrível como a que estamos vivendo”, parece ser a única coisa que é preciso fazer. “A situação da Igreja é uma catástrofe sem nome, pela qual é preciso verdadeiramente temer. Porém, não temos o direito de nos deixar paralisar”. Fellay não mencionou as conversas com a Comissão Ecclesia Dei para se chegar a uma forma de comunhão mais completa com Roma.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A situação da Igreja é uma catástrofe”, afirma Fellay - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV