''Sacramentos aos divorciados? Uma questão ainda em aberto.'' Entrevista com Luis Antonio Tagle

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Naturalizamos o horror? Artigo de Maria Rita Kehl

    LER MAIS
  • Nice, consternação no Vaticano com a bofetada à fraternidade humana

    LER MAIS
  • Católicas, sim, pelo Direito de Decidir!

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Outubro 2014

"A questão da pastoral às pessoas divorciadas e em segunda união e o aprofundamento sobre a possibilidade de admiti-los aos sacramentos" permanece "aberta", porque foi citada no texto final submetido à votação do Sínodo que foi tornado público.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no jornal La Stampa, 20-10-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A afirmação, nesta conversa com La Stampa, é do cardeal Luis Antonio Tagle, 57 anos, arcebispo de Manila, um dos presidentes delegados da Assembleia sobre a família que terminou no último sábado.

O purpurado filipino, uma das figuras mais significativas da Igreja asiática, também negou que o fato de não se ter alcançado o quórum de dois terços sobre alguns pontos possa ser lido como uma "derrota" do Papa Francisco.

Eis a entrevista.

Alguns jornais, em particular do mundo anglo-saxão, depois da votação de sábado sobre o documento final do Sínodo, falaram de uma Igreja dividida e de um papa "derrotado". É isso?

Não é verdade. A meu ver, de fato, não foi uma derrota. Não acredito que se possa definir assim o que aconteceu com a votação sobre a Relatio Synodi. Em um processo sinodal, os elementos mais importantes são a escuta e a liberdade de expressar as diversas opiniões sobre as situações que se apresentam. O Sínodo não é uma batalha nem o fruto de uma estratégia. Talvez, para alguns, talvez, também pode ter sido isso, mas essa não é a perspectiva do Sínodo.

Questões como a possível admissão dos divorciados em segunda união aos sacramentos, que obtiveram a maioria absoluta, mas não o quórum de dois terços, permanecem abertas, na sua opinião?

Sim, é claro que permanecem abertas. Esse Sínodo extraordinário era apenas uma etapa do caminho. A questão da pastoral em relação às pessoas divorciadas em segunda união e o aprofundamento sobre a possibilidade de admiti-los aos sacramentos, em certos casos, em certas situações e em determinadas condições, foi relatada claramente no texto final. Foi tornado público o número dos votos que esse parágrafo obteve, a maioria absoluta. E, como disse o papa, fará parte do texto que será enviado às Conferências Episcopais.

Qual foi o objetivo dessas duas semanas de trabalho?

Serviram para trazer à tona o estado das coisas e os problemas existentes. Eu, que era um presidente delegado da assembleia, já no segundo dia de trabalhos, me transformei em um aluno! Ouvimos os desafios pastorais que afetam os outros países e os outros continentes, por exemplo a África, e humildemente devo admitir: não entendo tudo, devo ouvir e aprender...

O papa, no seu discurso final de sábado, muito aplaudido na Aula, falou de várias "tentações", do "enrijecimento hostil" daqueles que querem se fechar dentro da lei, ao "bonismo destrutivo". O que prevaleceu?

A meu ver, na Aula, prevaleceu uma sensibilidade e uma atenção comuns às feridas das famílias. Não havia nem um único padre sinodal que não tentou responder. Mas é preciso considerar o mistério da fé, a palavra do Senhor, a riqueza da tradição... É uma realidade complexa, como um diamante com muitas facetas: alguns veem uma face, outros, outra. Mas há uma verdade profunda que une a todos nós: todos tentamos seguir o nosso pastor supremo, que é Jesus Cristo.

De acordo com o senhor, alguns tentaram envolver o Papa Emérito Bento XVI na revolta contra Francisco?

Eu não senti isso. E, se houve, eu não faço parte.

Quais são os desafios para a família que a Ásia trouxe ao Sínodo?

Eu falo das minhas Filipinas. Já durante a fase preparatória, eu falei muitas vezes de uma pobreza e do fenômeno da emigração: duas realidades que não pertencem apenas ao contexto das famílias, que entraram no coração da vida das famílias. No nosso país, não há a lei sobre o divórcio. Mas há divórcios por amor. Pais e mães que, por amor aos filhos, se separam, e um cônjuge vai ao outro lado do mundo para trabalhar. São separações causadas pelo amor. Como Igreja nas Filipinas e nos países onde os imigrantes chegam, devemos acompanhar essas pessoas, ajudá-las a serem fiéis à sua esposa ou ao seu marido.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Sacramentos aos divorciados? Uma questão ainda em aberto.'' Entrevista com Luis Antonio Tagle - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV