Dia Mundial da Alimentação leva à reflexão sobre o desperdício

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2014

Anualmente, 1,3 bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas em todo o mundo, o que representa 33% de tudo que é produzido no planeta, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A informação serve de alerta no Dia Mundial da Alimentação, comemorado em 16 de outubro.

A reportagem foi publicada por EcoD, 16-10-2014.

Com o objetivo de mostrar as causas dessa realidade e recomendar ações para reduzir o desperdício, foi divulgado o relatório Desperdício e perda de alimentos no contexto de sistemas alimentares sustentáveis. O documento foi elaborado por um painel de especialistas apoiados pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo o documento, o desperdício está presente em toda a cadeia produtiva. Por exemplo, logo no início acontece a falta de cuidado no manuseio da colheita e depois há o transporte mal programado e armazenamento inadequado em termos de temperatura e umidade.

Além disso, quando o alimento chega ao consumidor, seja ele doméstico ou para comércio (restaurantes), as perdas continuam. “Isso acontece principalmente por costumes já arraigados, como hábito de comprar mais do que o necessário e falta de planejamento, sendo influenciadas por técnicas de marketing que encorajam a comprar sempre mais”, afirma o documento.

O desperdício de alimentos também impacta o sistema econômico, pois gera perdas financeiras e reduz o retorno sobre o investimento; o social, impedindo o desenvolvimento e o progresso; e o ambiental, com impacto direto na biodiversidade com uso excessivo dos recursos naturais e geração exacerbada de lixo, que além de ser um problema de espaço, também gera emissões de metano, gás do efeito estufa.

Par a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes, evitar o desperdício de alimentos é essencial para diminuir impactos na natureza e, assim, garantir a fonte de alimentos e a manutenção da vida de todas as espécies, incluindo a humana. “Muitas vezes as pessoas não fazem esta ligação, mas a biodiversidade é a base para o desenvolvimento das atividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras e florestais, que dão origem ao alimento que consumimos”, comenta Nunes.

Alternativas

O relatório da ONU aponta algumas soluções para a redução do desperdício tanto em nível de produção como de consumo. Segundo o texto, é preciso investir em tecnologia na colheita e melhoria nas práticas de armazenamento e transporte. Além disso, é importante contar com o apoio da indústria alimentícia para que melhorem as informações de validade, consumo e armazenamento no rótulo dos produtos. Modificar o comportamento do consumidor também é muito importante, por isso é necessário comunicar diretamente a esse público os benefícios do consumo equilibrado, ampliando a consciência para a redução de lixo orgânico.

No Brasil, um movimento que incentiva a utilização integral dos alimentos é o Gastronomia Responsável, lançado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza em 2010, na capital paranaense, onde conta com 28 restaurantes participantes e que comercializam os chamados ‘pratos responsáveis’. As receitas que levam esse selo possuem impacto reduzido para o meio ambiente e seguem os quatro princípios do movimento: aproveitamento integral dos alimentos, utilizar alimentos orgânicos, usar fornecedores locais para reduzir a emissão de CO2 e não utilizar espécies ameaçadas de extinção.

Além de ir em um dos 51 restaurantes participantes – distribuídos em oitos estados do Brasil – e optar pelos pratos responsáveis, o público pode participar do movimento criando suas próprias receitas e compartilhando-as neste link, que reúne receitas e dicas responsáveis para aproveitamento dos alimentos. “As cascas dos alimentos, por exemplo, podem ser utilizadas em outros pratos, como farofas e doces, como é o caso da casca de banana. Por outro lado, as folhas de legumes, como a beterraba, podem ser utilizados para incrementar saladas”, indica o chef curitibano Celso Freire, curador do movimento.

Para Malu Nunes, a alimentação responsável é uma tendência mundial. “Estão surgindo diversas iniciativas estimulando as pessoas a refletirem sobre a forma com que se alimentam, e esperamos que nesse Dia Mundial da Alimentação esse movimento se fortaleça”, conclui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dia Mundial da Alimentação leva à reflexão sobre o desperdício - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV