Restauração universal: o que aconteceu no dia 7 de agosto de 1814?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Agosto 2014

Há exatamente 200 anos, a Companhia de Jesus foi restaurada universalmente. O que realmente aconteceu no dia 7 de agosto de 1814?

A nota é do sítio Jesuit Restoration 1814, 07-08-2014. A tradução é de Claudia Sbardelotto.

O Papa Pio VII, que tinha sido prisioneiro de Napoleão, havia retornado a Roma no fim de maio. Sua principal tarefa era a reconstrução religiosa da Europa que estava em tumulto e caos devido a queda do Império Napoleônico. Muitas demandas foram feitas por líderes civis e eclesiásticos, pedindo por jesuítas, que tinham sido parcialmente restaurados. A intenção original era restaurar universalmente a Companhia no dia 31 de julho - festa de Santo Inácio, seu fundador. No entanto, dificuldades na composição da bula retardaram o processo. Os cardeais consultados estavam debatendo sobre assuntos delicados como a quem atribuir a culpa pela Supressão, como alguns governos civis receberiam a restauração universal dos jesuítas, se os Institutos da Companhia deveriam ser alterados e sobre o tom geral do documento. Foi com a energia do cardeal Bartolomeo Pacca que a bula, Sollicitudo omnium ecclesiarum, ficou pronta para a oitava da festa de Inácio, em 7 de agosto de 1814.

Então, nesse dia, no altar de Santo Inácio na Chiesa del Gesù, Pio VII celebrou a missa. Em seguida, na Capela dos Nobres, na presença de uma grande multidão que enchia a pequena capela, monsenhor Cristaldi leu em voz alta a bula ao lado do Papa Pio. A multidão incluía cardeais, membros da realeza e cerca de cento e cinquenta jesuítas, sobreviventes da Companhia suprimida. Com a leitura em voz alta, Pio revogava o breve de Clemente XIV que havia suprimido a Companhia e recomendava os jesuítas à "nobreza de príncipes e senhores temporais, e também aos nossos veneráveis irmãos arcebispos e bispos, e a quaisquer outros em posição de honra, esta muito mencionada Companhia de Jesus e cada um dos seus membros; suplicamos a eles e os exortamos, não somente a aceitá-los, não permitindo que eles sejam perturbados por ninguém, mas em recebê-los com bondade e caridade".

Na bula, Pio VII - um beneditino - afirmou que isso era algo que ele havia desejado ardentemente desde o início do seu pontificado. Após a leitura, Pio oferecia a bula, em um momento de intensa comoção, a cada um dos homens já idosos que tinham experimentado a dor do exílio e da repressão, que se ajoelhavam diante do papa. O sorridente Pio trocava algumas palavras com cada um. Em seguida, ele voltou para o Quirinale [palácio papal] em meio a uma multidão que aplaudia. A grande ironia foi a presença em Roma dos dois monarcas da Espanha, o rei Carlos IV e a rainha Maria Luisa, que haviam sido expulsos de seu próprio país pela revolução.

A Espanha que teve tanta eficiência em cruelmente exilar os jesuítas. Eles não compareceram à cerimônia, porém visitaram a Chiesa del Gesù vários dias depois para prestar seu respeito - muitos jesuítas espanhois reunidos para cumprimentá-los - e o filho do rei espanhol que os exilou, chorou.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Restauração universal: o que aconteceu no dia 7 de agosto de 1814? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV