Fundos abutres. “Uma bomba sobre o sistema global”, declara Stiglitz

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • A graça de Deus é um escândalo para a Igreja Católica

    LER MAIS
  • Sínodos poderão ser um pouco mais enfadonhos sem Baldisseri

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Caroline | 04 Agosto 2014

“Tivemos muitas bombas ao redor do mundo, e esta é uma que os Estados Unidos estão jogando sobre todo o sistema econômico global. Não sabemos quando será a explosão e as consequências não serão sentidas apenas na Argentina”. Tal afirmação foi do Prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz (foto) em declarações ao jornal The New York Times. O economista questionou com dureza a falha do juiz Thomas Griesa, validada pela Câmara de Apelações dos Estados Unidos e a Suprema Corte do país.

A reportagem é publicada por Página/12, 01-08-2014. A tradução é do Cepat.

 
Fonte: http://goo.gl/yK2j1t  

“A campanha contra Argentina mostra quão profunda pode ser a influência dos fundos abutres fora dos mercados nos quais apostam. Enquanto a assinatura do Sr.(Paul) Singer ainda tem que cobrar algum dinheiro da Argentina, alguns especialistas em dívida assinalam que a batalha já orientou a balança a favor dos credores no enorme mercado da dívida ao qual recorrem recorrentemente os países para enfrentar seu déficit”, destacou Stiglitz no NYT.

Para Stiglitz não está em jogo apenas o processo de reestruturação da dívida argentina, mas a ação dos fundos abutres pretende disciplinar o sistema financeiro para que continue operando de maneira autorregulada. “A consequência desta mudança na relação de forças é bastante lógica. Os países em crise agora podem encontrar mais dificuldade para o alívio frente aos credores depois de um default de sua dívida”, concluiu o Prêmio Nobel.

A partir do caso argentino, vários países começaram a modificar sua legislação para se resguardar frente às demandas minoritárias dos fundos abutres, como ocorreu no centro financeiro de Luxemburgo ou Inglaterra. O próprio chefe de Gabinete da Argentina, Jorge Capitanich, defendeu que o país poderia recorrer à ONU para impulsionar uma convenção sobre a reestruturação da dívida.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fundos abutres. “Uma bomba sobre o sistema global”, declara Stiglitz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV