Semiárido: onde a vida pode florescer – experiência de um quintal produtivo agroecológico

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2014

Juraci Paulo Macedo Ribeiro reside na comunidade de Pimenta, Município de Dormentes – PE. Ele foi beneficiado com um barreiro trincheira do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), por meio do contrato de patrocínio firmado entre a ASA (Articulação do Semiárido Brasileiro) e a Petrobras. A gestão do recurso foi feita pelo NEPS (Núcleo de Educadores Populares do Sertão de Pernambuco).

O informe é de Genilson Reis daLuz, comunicador popular da ASA, publicado por EcoDebate, 13-05-2014.

Juraci, juntamente com seu pai, Paulo Antônio Ribeiro, desenvolve ações de sustentabilidade em um quintal produtivo agroecológico. No quintal eles produzem, cana, manga, banana, abobora, milho, macaxeira, romã, coco, mamão, goiaba, cebola, coentro, alface, laranja, beterraba, inhame, pepino, entre outras.

“O quintal é importante, gera economia, representa mais saúde, por que os produtos que produzimos e consumimos são orgânicos e isso representa lucro, qualidade de vida e soberania. Para o olhar das pessoas, nossas frutas podem não ser grandes e bonitas, iguais às que estão no mercado e nas feiras livres produzidos com o uso abusivo dos agrotóxicos, mas nossos produtos são orgânicos, muito mais saudáveis e nutritivos para a saúde de quem o consome, e ainda precisa levar-se em conta o sabor que é totalmente incomparável”, enfatiza Juraci.

O que Juraci coloca no seu depoimento não é propaganda, é a realidade. O que ele produz juntamente com o seu pai, é para o consumo das duas famílias. O excedente é dividido com as irmãs e parentes que moram na Cidade. Ou seja, a comercialização e zero. Tudo é repartido gratuitamente. Imagine aí como isso é bacana! Juraci considera o trabalho da horta uma fisioterapia. Ele falou que ama o que faz, e fica feliz quando alguém vai até lá visitar o quintal produtivo.

http://www.ihu.unisinos.br/noticias/525969-o-uso-abusivo-de-agrotoxicos-frente-ao-direito-do-consumidor-por-aluer-baptista-freire-junior-e-jarbas-de-sa-viana-filho

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Semiárido: onde a vida pode florescer – experiência de um quintal produtivo agroecológico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV