Juventude e o mercado de trabalho formal no Vale do Sinos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Intervenção nos jesuítas: quando Bergoglio impediu Bertone

    LER MAIS
  • Papa Francisco pede que bispos ensinem os fiéis a discernir nas eleições, na política

    LER MAIS
  • Antonio Spadaro explica a teologia de Francisco ... e desmonta a religiosidade da extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2014

O Observatório da Realidade e das Políticas Públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, apresenta os dados referentes ao mercado formal de trabalho na região do Vale do Sinos a partir da “Carta do Mercado de Trabalho” elaborada pelo Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas.

No mês de março de 2014, o trabalho formal obteve saldo positivo entre admissões e desligamentos no Brasil, gerando 13.117 postos de trabalho, com uma variação positiva de 0,03% sobre o estoque de empregos em dezembro de 2013, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (CAGED), disponíveis através do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), apresentados na “Carta do Mercado de Trabalho”.

O mercado de trabalho formal do Rio Grande do Sul também obteve saldo positivo em março de 2014, resultado entre as admissões e demissões, de 13.708 postos de trabalho, o que representa um aumento de 0,51% sobre o estoque de empregos em dezembro de 2013. No mesmo mês, houve crescimento de 6.220 postos de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA).

Em março de 2014, o saldo foi positivo no município de Canoas, com a ampliação de 604 postos de trabalho com carteira assinada. O município compõe, junto com outros treze municípios, o COREDE Vale do Rio dos Sinos, regionalização que o ObservaSinos trabalha.

No Vale do Sinos, em março deste ano, houve a geração de 2.247 postos de trabalho, sendo que 48% destas novas vagas ocorreram nas Indústrias de transformação. O setor de Serviços registra o segundo maior saldo, representando 35% do total de novos vínculos empregatícios na região.

O ObservaSinos acrescenta as variáveis sexo, faixa etária, primeiro emprego, escolaridade e remuneração aos indicadores de admitidos e desligados, a fim de publicizar os dados e ampliar o debate em torno do mercado formal de trabalho na região do Sinos.

Vale do Sinos

Com relação ao sexo, na região do Vale do Sinos em março de 2014, de todas as admissões, 11.879 (58%) foram de homens e 8.766 (42%) de mulheres. Referente aos desligamentos, 10.826 (59%) foram de homens e 7.572 (41%) de mulheres.

No município de Canoas, as admissões (3.259) e desligamentos (2.906) de homens correspondem, no mesmo período, a 27% com relação às admissões e desligamentos de homens no Vale do Sinos. Entre as mulheres, a variável representa 21% nas admissões (1.855) e desligamentos (1.604) do total na região.

Analisando a faixa etária dos admitidos e desligados no mês de março de 2014 no Vale do Sinos, 57% do total de postos de trabalho formal gerados na região correspondem a pessoas na faixa etária dos 16 a 24 anos, 1.288. Esta população, de acordo com a legislação brasileira sobre juventude (Estatuto da Juventude - L. 12.852/13), se insere no conceito de juventude, pois são consideradas jovens as pessoas com idade entre 15 e 29 anos de idade.

Na região do Vale do Sinos, a faixa etária que corresponde à juventude foi a mais admitida (55%) e também aquela em que houve mais desligamentos (52%), sendo que as pessoas entre 16 e 24 anos com 1.288 dos novos postos de trabalho formal correspondem a 57% do saldo total do Vale do Sinos.

Em Canoas, 2.686 (53%) pessoas na faixa etária dos 10 aos 29 anos foram admitidas, enquanto 2.286 (51%) foram desligadas. A faixa etária de 16 a 24 anos também foi a que obteve maior saldo, 301 novos postos de trabalho formal, o que corresponde a 50% dos 604 novos postos de trabalho gerados em Canoas no mês de março de 2014.

A partir da organização dos dados de admitidos e desligados no mercado formal de trabalho na região do Vale por grau de instrução e sexo é possível constatar que as mulheres são em maior número entre os admitidos nas categorias “Superior Incompleto” e “Superior Completo”, respectivamente, 55,6% e 58,5% das admissões.

O grau de instrução de 40% dos trabalhadores admitidos e desligados em março de 2014 no Vale do Sinos era de Ensino Médio Completo.

Entre os trabalhadores admitidos na região, 43 eram analfabetos, sendo 58% do sexo masculino e 42% do sexo feminino. No município de Canoas, concentram-se 30% destas contratações.

No município de Canoas ocorre o mesmo fenômeno em relação a grau de instrução e sexo: as mulheres são a maioria entre admitidos e desligados. Entre os admitidos com “Superior Incompleto” e “Superior Completo”, as mulheres são 62%, e desligados, 53,6%.

Do total de trabalhadores admitidos no mercado formal de trabalho no Vale, em março deste ano, 60% foram na faixa salarial mensal entre um salário mínimo e um salário mínimo e meio.  A faixa salarial um salario mínimo e meio até dois salários mínimos acumula 16% das admissões na região.

No município de Canoas, 60% das contratações realizadas em março deste ano foram na faixa salarial de um salário mínimo até dois salários.

Juventude

Os jovens representam 78% no total do saldo de novos postos de trabalho gerados em março de 2014 na região do Vale do Sinos. Dentre isso, o recorte de faixa etária dos 16 aos 24 anos representa 74% do total de 1.750 jovens no mercado formal de trabalho na região.  

Com relação à escolaridade, 787 dos novos postos de trabalho gerados em maio de 2014 foram ocupados por jovens com Ensino Médio completo. Esse valor corresponde a 45% do total de postos ocupados por pessoas entre 10 e 29 anos na região.

É visível também que, quanto menor o grau de instrução, menor é a quantidade de jovens no mercado de trabalho formal.

A faixa salarial destes jovens, em sua maioria, está entre um salário mínimo e um salário mínimo e meio, correspondendo a 53%, o que aponta para uma baixa remuneração da população de trabalho formal jovem.

De acordo com os dados do período analisado, as faixas de valores salariais mais altas apresentam déficit de pessoas jovens, com exceção da faixa de 15 a 20 salários mínimos, que apresentou saldo de uma pessoa no Vale do Sinos.

As horas de trabalho semanais da população de trabalhadores entre 10 e 29 anos indica que 68% dos jovens inseridos no mercado de trabalho formal, no mês de março de 2014, trabalham de 41 a 44 horas semanais.

Encontro

O ObservaSinos participará, no dia 14 de maio, quarta-feira, da atividade “O Comportamento do Emprego na Região Metropolitana de Porto Alegre”, promovida pelo Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas.

A atividade tem como objetivo apresentar a realidade do mercado de trabalho formal no período que vai de 2006 a 2012. O evento ocorrerá às 19h, no Auditório Ir. Arsênio Both, em Canoas, na Unilasalle.

 

Por: Marilene Maia, Átila Alexius e Thaís da Rosa Alves

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Juventude e o mercado de trabalho formal no Vale do Sinos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV