Para filha, desaparecimento de Rubens Paiva foi o protótipo do caso Amarildo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Eu fui nomeado o quê? Um carnaval” – a surpresa de um padre de 80 anos

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “O que o Evangelho nos pede é ser povo de Deus, não elite de Deus”

    LER MAIS
  • “Não gosto da roupagem que colocam em nós cardeais, é cara e de príncipe”. Entrevista com o novo cardeal mexicano Felipe Arizmendi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 02 Abril 2014

Em mais uma solenidade de repúdio à ditadura militar, Vera Paiva, filha do ex-deputado Rubens Paiva, comparou o desaparecimento e morte do pai com o caso do ajudante de pedreiro Amarildo, morto durante abordagem de policiais militares (PMs), em julho do ano passado, no Rio de Janeiro.

A reportagem é de Luciano Nascimento e publicado pela Agência Brasil, 01-04-2014.

Rubens Paiva é um exemplo de algo que continua acontecendo no Brasil. Ele é o protótipo do caso Amarildo. Ele era pai de cinco filhos assim como o Amarildo era pai de cinco filhos. Ele foi chamado de bandido, nós escutamos a vida inteira isso. A família de Amarildo foi chamada de bandida, foi transformada em traficante e assim como Amarildo nós só viemos a saber sobre a sua morte quando um dos envolvidos resolveu revelar o que fizeram com ele”, disse Vera.

Ela falou durante solenidade na Câmara dos Deputados para inaugurar um busto em homenagem ao ex-deputado Rubens Paiva, cassado pela ditadura militar em 1964. A inauguração fez parte de uma série de atividades realizadas no Parlamento para lembrar os 50 anos do golpe militar.

O ex-deputado desapareceu em 1971, após ser preso por uma equipe do Centro de Informações de Segurança da Aeronáutica (Cisa), em 20 de janeiro, em sua casa, no Rio. A versão oficial indicava-o como desaparecido, mas investigações da Comissão Nacional da Verdade (CNV) mostram evidências de assassinato, sob tortura, nas dependências do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) no Rio, na tarde do dia seguinte à prisão.

Já o ajudante de pedreiro Amarildo foi levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Rocinha, no dia 14 de julho do ano passado, e lá foi torturado e morto. Além dos policiais acusados dos crimes de tortura e ocultação de cadáver, outros policiais são acusados de participar da ação, por terem vigiado ao redor da base ou por não terem impedido o crime.

Para Vera Paiva, os casos refletem a necessidade de mudanças urgentes no Estado brasileiro para evitar que a impunidade de tais casos se perpetue.

Durante a cerimônia, parlamentares defenderam a revisão da Lei de Anistia para punir os torturadores do regime militar. Para o líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), a atitude de Rubens Paiva deve servir de inspiração para os parlamentares. “Quando a gente chegar desanimado aqui [devido as lutas políticas], a gente passa diante do busto de Rubens Paiva e vai se encher de energia”, disse. “Defendemos a revisão da lei de Anistia para punir os torturadores do regime militar”, ressaltou.

A deputada Luisa Erundina (PSB-SP) defendu a aprovação, pelo Congresso, do Projeto de Lei 573/11, de sua autoria, que exclui do rol de crimes anistiados após a ditadura militar (1964-1985) aqueles cometidos por agentes públicos, militares ou civis, contra pessoas que, efetiva ou supostamente, praticaram crimes políticos. “Sem essa aprovação, o processo de redemocratização ficará inacabado”, afirmou.

“Diante do busto do Rubens Paiva, nós, parlamentares desta Casa, e todos os lutadores pela liberdade no Brasil, temos o dever de revisar a Lei de Anistia e punir os torturadores para virar esta página da história do Brasil definitivamente”, repetiu o líder do PSOL, deputado Ivan Valente (SP).

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para filha, desaparecimento de Rubens Paiva foi o protótipo do caso Amarildo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV