Uma pessoa é capaz de morrer por uma vida digna, diz imigrante que chegou à Espanha a nado

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • PT deveria realizar 'comissão da verdade' para examinar seus erros, diz Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Francisco. “Os hipócritas são um instrumento do diabo para destruir a Igreja”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Abril 2014

Em 2002, Alain Diabaza criou coragem para deixar a República Democrática do Congo em busca de uma vida melhor. Recém-graduado em pedagogia, Diabanza dava aulas em uma escola em Kinshasa, capital do país. Cansado das condições precárias nas quais vivia, e com medo de lutar por melhorias sociais devido à repressão do governo de Joseph Kabila, no poder desde 2001, o jovem congolês foi para Angola para juntar dinheiro para o maior desafio de sua vida.

A entrevista é de Rafael Duque para o sítio Opera Mundi, 30-03-2014.

Após quase dois anos trabalhando como professor de francês em Luanda, Diabanza comprou uma passagem de avião para o Marrocos. Durantes meses, reuniu informações e preparou um plano que o levaria do país africano à cidade espanhola de Ceuta, onde pediria proteção internacional. Ao contrário da maioria dos imigrantes, que tenta pular a cerca que separa o Marrocos da Espanha, Diabanza e um grupo de seis pessoas decidiram tentar a sorte pelo mar. Os sete imigrantes entraram em uma noite de inverno nas águas do Mediterrâneo e chegaram ao território espanhol nadando.

Em entrevista exclusiva a Opera Mundi, o congolês conta como se organizam os diferentes grupos de africanos que pretendem atravessar a fronteira europeia, a sensação que teve ao chegar à Espanha nadando e o medo que os imigrantes têm da polícia marroquina e espanhola.

Eis a entrevista.

O quê aconteceu para que você precisar sair do seu país?

Bom, meu país se chama República Democrática do Congo, mas, ao contrário do nome, não há democracia. Temos uma ditadura e também a situação econômica não favorece nenhuma pessoa que queira ter uma vida digna. E isto [...] me obrigou a sair do meu país.

Quando você decidiu sair?

Eu saí de Kinshasa em 2002. O que eu fiz foi ir primeiro a Angola, e de Angola fui para o Marrocos. Do Marrocos, entrei na Espanha. O trajeto eu fiz mais ou menos em três anos.

Por que demora tanto?

Porque não tinha meios para pagar minha passagem de avião para chegar diretamente na Espanha. As pessoas têm que saber que eu não sou da classe alta lá no Congo. Minha família é uma família humilde. Eu tive que ir para Angola, onde trabalhei para conseguir minha passagem para o Marrocos. [...] E no Marrocos eu tentei primeiro pular a cerca [da fronteira], mas não consegui. Logo, nadei para chegar à Espanha.

Você nadou? Como foi isso?

Bom, estávamos em um grupo de sete amigos. Seis pessoas e eu, sete. Nós fomos a Fnideq, que é uma cidade que está exatamente ao lado de Ceuta. A separação que há entre Ceuta e Fnideq é só uma cerca. A cerca que vemos todos os dias na televisão. E [na continuação] da cerca tem um muro que entra até o mar. São duas praias diferentes, efetivamente é uma praia, mas são separadas. Se você nada de uma praia até a outra você está na Espanha, e foi isso que nós fizemos.

Como foi a preparação?

Passei oito meses no Marrocos. E, de lá, recebíamos informação. No Marrocos eu morei primeiro em Rabat, que é a capital, e lá recebemos as informações de todas as possibilidades para entrar na Espanha. A mais favorável, pelo o que eu tinha visto, era de nadar. Mas nós nos preparamos, é verdade. Tínhamos que comprar boias de braço para nadar facilmente e também uma câmara de ar para flutuar em caso de alguém se cansar. E não é fácil entrar porque não se faz de dia, se faz precisamente durante a noite. Nos preparamos, saímos [de Rabat] e nos escondemos em uma montanha que está bem aí [indica local perto da fronteira].

Opera Mundi foi a Málaga para entender por que imigrantes arriscam a vida para chegar à Espanha

Veja o resultado: (Clique na imagem para visualizar o vídeo)

Do lado do Marrocos, existe um corpo policial que se chama guarda marroquina e do lado da Espanha tem a guarda civil. Então, o truque é entrar na água o mais longe possível da cerca, do muro que entra até a praia. Quanto mais perto do muro, mais segurança tem. E quanto mais longe, menos segurança. Nós entramos mais ou menos às duas da madrugada, se não me falha a memória. Nos escondemos e esperamos um momento oportuno, que era quando a guarda marroquina fosse rezar. Porque a cada ‘x’ horas eles rezam, como manda a lei muçulmana.

Durante este momento, saltamos na água, nadamos e avançamos. [...] Entramos a uns dois quilômetros da cerca [...] e nadamos até o limite que separa a Espanha do Marrocos. Quando entramos na Espanha, fomos resgatados pela guarda civil. Eles nos haviam visto e veio um barco que ao final nos resgatou e nos levaram ao hospital.

Você já sabia nadar?

Sim, eu aprendi a nadar no meu país. Quando eu cheguei, na verdade eu pensava que tinha que cruzar desde o Marrocos até a Espanha [parte peninsular], que são 17 quilômetros até Algeciras, mas não era o caso. Quando vi [a fronteira], porque fomos ver durante o dia, nos escondemos em uma montanha para ver o lugar, um marroquino nos explicou. Ele disse ‘olha o local, é apenas nadar da praia até a praia da Espanha’. Como eu sabia nadar, pensei que seria fácil para mim. Ainda mais com um grupo de mais seis pessoas, te motiva mais.

Você tinha dito que conseguiu entrar nadando na segunda tentativa. Como foi a primeira?

A primeira tentativa não foi tentativa, tentativa. Era para ver a cerca. Temos duas possibilidades, de um lado temos a cerca e do outro temos o mar. [...] Eu vi [a cerca] e pensei que era muito mais difícil [pular] que nadar. Há grupos que vão para pular a cerca e nós, naquele dia, fomos unicamente para o mar, para nadar. Estávamos apenas nós, não havia outro grupo.

Você teve que pagar algo para atravessar a fronteira?

Para atravessar a fronteira eu não paguei nada. Mas, paguei algo: pagamos a pessoa que se pode chamar de delator, o cara que nos explicou mais ou menos o local. Foi um marroquino que nos explicou isso.

Quanto?

Mais ou menos 35 ou 40 euros [entre R$ 108 e R$ 124].

Mas também se paga para atravessar a cerca, não?

Acontece muita coisa lá. Paga-se para tudo. Lá no Marrocos, quando uma pessoa chega, não chega para morar na cidade. Ela chega para morar no bosque. Quando eu cheguei lá, vi uma pequena organização, feita de acordo com os países de origem. Por exemplo, existe uma comunidade de congoleses, de senegaleses, de malineses, de camaroneses e de nigerianos. Existem muitas comunidades, mas no mesmo local. E lá existe um modo de vida, temos que construir casas, são casas de árvores e de plástico com um pouco de vegetação para proteger do frio e da chuva. Esta organização demanda dinheiro, mas não é como uma máfia, é para organizar as coisas.

Além disso, a organização utiliza delatores marroquinos, que temos que pagar. Os delatores marroquinos também ajudam a seguir o caminho que leva até a cerca com as pessoas que pulam a cerca ou até o mar com as pessoas que cruzam pela praia. Este dinheiro é uma arrecadação para pagar estas pessoas, mas eu não chamaria de máfia porque uma máfia existe para enriquecer, mas este [dinheiro] é para uma organização nossa. Então sim, pagamos algo.

Eu lembro que as pessoas que pulavam a cerca naquela época tinham que pagar uma quantidade de dinheiro. Hoje em dia estão pulando, mas, em 2005, não pulavam todos. Alguns pulavam e outros cortavam a cerca. Um marroquino chegava com uma maquina que cortava um buraco e as pessoas passavam diretamente. [...] Quando cheguei lá [no bosque] havia no total umas mil pessoas vivendo ali.

Na época em que você chegou havia arame farpado nas cercas?

Sim, quando eu cheguei em 2005 havia arame farpado, tinha na cerca de Ceuta, mas não tinha em todos os lugares. Eu não tinha tentado, mas as pessoas que tinham tentado uma ou duas vezes nos explicaram que tinha lugar onde não havia arame farpado.

Havia gente machucada nos acampamentos no bosque?

Sim, no acampamento tinha gente com machucados graves e tinha também gente com a perna quebrada e com o braço quebrado. Na verdade, passávamos muito mal. As condições de vida no acampamento eram muito ruins. Não sei explicar, mas as condições do acampamento não são para uma vida humana. O que acontece é que, quando uma pessoa chega ali, o objetivo é chegar à Europa, na Espanha mais precisamente. Ela não vê o que está vivendo, vê o que vai viver amanhã. É isso que motiva uma pessoa a seguir lutando. Porque quando olha para trás, vê as condições do seu país. No caso do meu país eu digo que é melhor olhar adiante que olhar atrás porque meu país não me dá uma vida digna, meu país não tem uma democracia que respeita os direitos humanos. Uma pessoa olhando sempre para frente, sabendo que vai viver uma vida digna [...], é capaz de sacrificar sua vida.

Existe muita repressão por parte da polícia do Marrocos e da Espanha?

Sim, da polícia espanhola tem repressão. Bom, tinha, tenho que falar no passado porque estou falando do meu caso. [...] Mas se pudermos começar pelo Marrocos, eu te diria que [há] muita.

O que eles fazem?

Primeiro, no acampamento, eles chegam para destruir todas as casas que as pessoas fazem, para despejar todo mundo. Quando prendem alguns poucos, porque todo mundo sai correndo como uns animais para dentro do bosque, primeiro eles lhe batem. Geralmente, nas mãos, nos joelhos e nos pés para que não tentem pular a cerca outra vez. Escolhem os locais estratégicos para bater. Depois eles te deportam, mas te deportam para Oujda, uma cidade marroquina que fica perto da Argélia. E lá as pessoas também sofrem muito. A situação lá é ainda pior.

E, quando uma pessoa entra na Espanha, a guarda civil, de acordo com os poucos [imigrantes] com quem falei, não bate diretamente, mas dá tiros de bala de borracha. E isso te deixa feridas, te deixa marcas, dependendo de onde atinge. Alguns chegaram [ao acampamento] com toda a pele queimada. [...] Quando alguém pula a cerca e é pego pela guarda civil, é devolvido pro outro lado imediatamente [...]. E quando te devolvem te dão um tiro de bala de borracha para que você não tente voltar outra vez.

Quando você conversa com os refugiados que chegam de Ceuta e de Melilla, percebe que algo mudou?

Imagina, são quase 10 anos desde que eu cheguei e sempre estou em contato com a CEAR [Comissão Espanhola de Ajuda aos Refugiados], com meus conterrâneos e os africanos subsaarianos. Eu acho que não mudou nada, a situação ainda piorou. Se as pessoas vêm até aqui é porque a situação em seu país está ruim. Cada vez mais eu acho que as coisas na África vão mal.

Enquanto a coisa siga assim na África, continuarão vindo milhares e milhares de pessoas à Europa. [...] Eu acho que não é levantando a cerca de Ceuta ou de Melilla que vão acabar com a imigração. Para acabar com a imigração é preciso começar pelos países [de origem], tem que começar pelos governos que estão lá. Muitas vezes estes governos têm o apoio dos países da Europa. No caso do meu presidente [o da República Democrática do Congo, Joseph Kabila], um ditador que mata e rouba, estava na França há dois meses, convidado pelo presidente francês [François Hollande]. Quando uma pessoa se sente apoiada, pensa que o que está fazendo é bom. A mesma França que reclama porque vêm congoleses como imigrantes, apoia um ditador que está reprimindo o seu povo. [...] Tem muita hipocrisia nisso.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma pessoa é capaz de morrer por uma vida digna, diz imigrante que chegou à Espanha a nado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV