Casuística e ideologia: limitações à fé

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Fevereiro 2014

Na última sexta-feira, o Papa Francisco voltou a falar criticamente da "casuística", ou seja, daquela parte da teologia moral que tende a se separar dos princípios para resolver as situações concretas. E o fez para esclarecer bem o que tinha dito na última quinta-feira abrindo o Consistório extraordinário sobre os desafios do contexto atual para a pastoral da família, que inicia uma reflexão sinodal de dois anos, ao término da qual poderia haver a admissão dos divorciados em segunda união à comunhão eucarística.

A nota é de Giacomo Galeazzi, publicada no blog Oltretevere, 21-02-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Bergoglio, ao invés, chama para não separar o Evangelho da vida e, portanto, responder às expectativas dos divorciados em segunda união avaliando efetivamente se a mensagem de misericórdia de Jesus também se aplica a eles – e de que modo isso seria concretamente possível.

No Evangelho – explicou o Papa Francisco na importante homilia dessa sexta-feira – encontram-se dois sinais reveladores daqueles que sabem em que é preciso crer, mas não têm fé. O primeiro sinal é a "casuística", representado por aqueles que perguntavam a Jesus se era lícito pagar os tributos ou qual dos sete irmãos do marido deveria se casar com a mulher que ficou viúva. O segundo sinal é a ideologia.

Disse Francisco: "Busquemos aprofundar a teologia da família e a pastoral que devemos implementar nas condições atuais". "Façamos isso – recomendou – com profundidade e sem cair na 'casuística', porque isso inevitavelmente faria com que abaixássemos o nível do nosso trabalho".

"Naquele tempo – observou o pontífice na sua homilia – havia os gnósticos, e ao longo do tempo haverá muitos. E assim aqueles que caem na casuística ou aqueles que caem na ideologia são cristãos que conhecem a doutrina, mas sem fé, como os demônios. Com a diferença é que aqueles tremem, estes não: vivem tranquilamente".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casuística e ideologia: limitações à fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV