Supressão da Companhia de Jesus. Há 307 anos o Vaticano bania ritos chineses

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pastoral com as pessoas LGBT deve fazer parte do caminho sinodal”, defende o cardeal de Bolonha

    LER MAIS
  • Os padres das novas gerações e o ‘modelo’ padre Pino Puglisi: uma distância intransponível?

    LER MAIS
  • As origens do termo “gaúcho” e nossas heranças indígenas. A história que não te contam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2014

70 anos antes da Supressão, ou seja, em 1707, podemos observar como andava a controvérsia envolvendo os ritos chineses.

As missões jesuíticas tinham sido um sucesso fenomenal na China, em particular a obra do Pe. Matteo Ricci.

Este foi uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, traduzindo muitas obras chinesas para o latim e introduzindo obras da literatura europeia, mapas, conhecimento e artefatos no país oriental. Foi o primeiro a traduzir a filosofia e os escritos de Kong Fuzi para o latim; foi ele quem cunhou o nome latinizado “Confucius”.

A informação é publicada por Jesuit Restoration, 21-01-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

A chave para o sucesso das missões jesuíticas foram os altos padrões de escolaridade e uma apreciação incrivelmente profunda e sensível da cultura chinesa. A influência jesuíta cresceu, fazendo possível um primeiro acordo chinês com uma potência europeia, a Rússia, que buscava assegurar a paz entre os dois gigantes. O ponto máximo desta relação chegou no ano de 1692 quando um decreto concedeu liberdade para pregar por todo o território chinês e livremente aceitar convertidos.

No entanto, houve hostilidade aos jesuítas, principalmente advindo da Sociedade para as Missões Estrangeiras de Paris, ou seja, por padres influenciados pelo jansenismo.

Mais controverso ainda foi a aceitação, por parte dos jesuítas, dos ritos confucianos e das tradições taoístas de honrar os ancestrais.

Os jesuítas tomaram estes como rituais seculares que deveriam ser tolerados. Os missionários dominicanos e franciscanos que haviam chegado das Filipinas se escandalizaram com isso e reportaram o fato a Roma. Aí um travou-se um debate, resultando em decretos para ambos os lados.

O cardeal Tournon foi enviado à China como visitador papal, já tendo censurado os jesuítas na Índia.

Estava claro que ele não era favorável à posição dos membros da Companhia de Jesus, nem em relação a qualquer interação com autoridades chinesas, afirmando que os livros já constituíam provas daquilo de que ele precisava.

Em 20-01-1707 (há 307 anos), Tournon proibiu os ritos chineses e o uso das palavras Tian (céu) e Shangdi (o Senhor) para Deus; estas eram permitidas pelos jesuítas.

Dentro de 14 anos os missionários cristãos seriam banidos da China. Em 1939 o Papa Pio XII atenuaria o banimento dos católicos aceitando os ritos chineses.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Supressão da Companhia de Jesus. Há 307 anos o Vaticano bania ritos chineses - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV