OMM: Número de desastres climáticos está subindo rapidamente

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Julho 2014

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) divulgou nesta segunda-feira (14) o Atlas de Mortalidade e Perdas Econômicas do Tempo, Clima e Extremos Hídricos 1970-2012 (Atlas of Mortality and Economic Losses from Weather, Climate and Water Extremes 1970-2012), que serve como um choque de realidade para todos nós.

A reportagem é de Fabiano Ávila, publicada por CarbonoBrasil, 14-07-2014.

De acordo com o documento, desde 1970 aconteceram 8.835 desastres climáticos, com 1,94 milhão de mortes e US$ 2,4 trilhão em prejuízos.

O Atlas mostra como a cada década o número de eventos extremos foi aumentando. Entre 1971 e 1980 foram 753, entre 1981 e 1990, 1.534, entre 1991 e 2000, 2.386, e entre 2001-2010, 3.496.

“Desastres causados pelo clima e relacionados com a água estão aumentando por todo o mundo. Tanto países industrializados quanto não industrializados estão sofrendo com cheias repetidas, secas, temperaturas extremas e tempestades (…) As variabilidades naturais estão agora exacerbadas pelas mudanças climáticas induzidas pela humanidade”, afirmou Michel Jarraud, secretário-geral da OMM.

Tempestades e enchentes somam 79% do total de desastres relacionados ao clima, e causaram 55% das perdas de vidas e 86% dos prejuízos entre 1970 e 2012. Por sua vez, as secas provocaram 35% das mortes.

Os eventos com mais fatalidades foram a seca na Etiópia em 1983 e o ciclone Bhola em Bangladesh em 1970, com 300 mil mortes cada um.

Já o furacão Katrina nos Estados Unidos em 2005 foi o que trouxe mais prejuízos, US$ 146 bilhões. Os norte-americanos também sofreram com o segundo maior evento em perdas econômicas, a super tempestade Sandy, em 2012, US$ 50 bilhões.

Na América do Sul ocorreram 696 eventos extremos entre 1970 e 2012, resultando nas mortes de 54 mil pessoas e em US$ 71,8 bilhões em perdas. O pior desastre foi a enchente em 1999 na Venezuela, que tirou 30 mil vidas.

No Brasil, a enchente e os deslizamentos de terra em 2011 no Rio de Janeiro, com 900 mortes, foram o evento mais letal. O que trouxe mais prejuízo foi a seca de 1978, resultando em perdas de US$ 8,1 bilhões.

A OMM estima que os números reais devem ser bem piores, já que pelo menos 50% das informações sobre um determinado evento se perdem antes de serem coletadas.

Assim, o Atlas salienta a importância do monitoramento e da coleta de dados, que servem para direcionar recursos de forma mais eficiente para as regiões mais necessitadas.

“Coletar dados globais é um grande desafio. Agências climáticas e meteorológicas estão trabalhando com pesquisadores para superar essa dificuldade. Essa parceria produz análises que ajudam na tomada de decisões que reduzem as perdas de vidas, como o investimento de sistemas de alerta nas comunidades mais vulneráveis”, afirmou Debarati Sapir, diretora do Centro de Pesquisas de Desastres da Universidade de Louvain, que trabalhou na elaboração do Atlas.

A OMM pede ainda que a comunidade internacional invista cada vez mais na prevenção de desastres, na gestão de riscos e na transferência de tecnologias para os países mais pobres.

“Melhores sistemas de alerta e gestão estão ajudando a prevenir perdas de vidas. Mas os impactos socioeconômicos dos desastres estão aumentando por causa da sua maior frequência e intensidade e pela crescente vulnerabilidade das sociedades humanas”, concluiu Jarraud.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

OMM: Número de desastres climáticos está subindo rapidamente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV