O arcebispo de San Salvador nega ter acobertado um caso de abuso sexual

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • “Segurança alimentar não basta: o alimento exige uma série de direitos”

    LER MAIS
  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 09 Dezembro 2015

O arcebispo de San Salvador, José Luis Escobar, jurou, no último domingo, publicamente que não subornou uma mulher que teve um filho com um padre já falecido e que supostamente a violou quando era menor de idade.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 07-12-2015. A tradução é de André Langer.

“Quero, além disso, fazer um ato sagrado em honra a Deus, que é verdade absoluta, quero jurar diante de todos de forma pública invocando o nome de Deus que nunca na minha vida eu subornei pessoa alguma, diante das acusações que estão sendo feitas contra mim”, declarou em uma coletiva de imprensa o arcebispo na catedral da capital.

Apoiada por uma associação feminista, uma mulher com o rosto coberto e sem se identificar à imprensa denunciou na semana passada que o religioso entregou-lhe um cheque de 5 mil dólares com a suposta intenção de silenciar o abuso.

“A ajuda que entreguei a esta pessoa foi com a finalidade de ajudar o seu filho (que faz Medicina em Cuba). Nunca me falou de ter sido abusada pelo padre já falecido Leopoldo Deras”, explicou o arcebispo.

“Juro que nunca subornei (...) a pessoa que me acusa de tal crime”, ratificou o arcebispo, que preferiu não identificar a vítima, a quem ofereceu a ajuda da Igreja apesar da denúncia.

O padre Deras redigiu um testamento no qual deixava o arcebispo Escobar como herdeiro de seus bens materiais, segundo relatou na mesma coletiva de imprensa o advogado Heriberto Flores, testemunha do documento legal.

“Quero jurar que nunca fiz nada para que o padre (Deras) me deixasse como seu herdeiro”, destacou o religioso, que uma vez que recebeu os bens transferiu-os à Igreja.

Os escândalos de abusos de padres vieram à tona em novembro, quando a Arquidiocese de San Salvador suspendeu de todas as suas funções o vigário da Arquidiocese Jesús Delgado.

Delgado foi acusado de ter violentado uma mulher de 42 anos quando ela tinha entre 9 e 17 anos. A este caso se somou o do padre Juan Francisco Gálvez, que até o dia 15 de outubro era o pároco da igreja do município de Rosario de Mora, ao sul de San Salvador.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O arcebispo de San Salvador nega ter acobertado um caso de abuso sexual - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV