Invasões e abusos da PM aumentam a tensão em escolas ocupadas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • “A eleição de uma mulher negra parecia um muro intransponível”. Primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba fala sobre o racismo na cidade

    LER MAIS
  • Apreensão, sensibilidade e propósito: a policrise e o mundo porvir

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 02 Dezembro 2015

Alunos e entidades denunciam que grupos arregimentados por representantes da secretaria de Educação, com apoio policial, invadem escolas ocupadas, à revelia da Justiça.

A manhã do dia 1º começou com o acirramento das tensões entre estudantes que ocupam as escolas em protesto contra a reorganização pretendida pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB) e grupos arregimentados pelo governo estadual compostos por diretores, pais e também alunos contrários à mobilização, apoiados pela PM, que tentam invadir as unidades ocupadas.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 01-12-2015.

Na escola Maria José, na Bela Vista, zona central de São Paulo, após a visita do chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Educação, Fernando Padula, um grupo forçou a entrada na escola, arrombando os portões. A PM foi chamada e colaborou com a invasão ilegal, atacando os estudantes da ocupação com spray de pimenta. Relatos que chegam à RBA dão conta inclusive da participação de policiais no arrombamento de um dos portões.

Situação similar ocorre na escola Octávio Mendes , em Santana, zona norte da capital, de acordo com o coletivo Jornalistas Livres. Os estudantes ocupados afirmam que desde o início da manhã "grupos de direita" fazem pressão para adentrar às dependências da escola. A PM também permanece no local.

Estudantes também realizaram protesto na ponte João Dias, na zona sul de São Paulo, e foram reprimidos pela PM. Um professor, um estudante e um jornalista foram detidos e levados ao 92º DP, no Parque Santo Antônio. Em outra situação denunciada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), a escola República do Suriname, na zona leste, foi desocupada ilegalmente na manhã de hoje pela diretora da unidade, acompanhada de supervisores e grande escolta policial.

Também segundo o sindicato, outra situação de abuso ocorreu durante a noite de ontem (30), em Osasco. A escola Coronel Sampaio foi invadida, saqueada e incendiada, e a PM, que estava nas imediações por causa da ocupação, nada fez para impedir e ainda lançou bombas de gás lacrimogêneo contra os estudantes, deixando dois feridos, um deles também intoxicado pela fumaça.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Invasões e abusos da PM aumentam a tensão em escolas ocupadas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV