Ousadia e sensibilidade. Caetano e Gil, duas vidas em uma só

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS
  • Três transições necessárias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Novembro 2015

Caetano Veloso e Gilberto Gil somam cem anos de amizade e música. No ano em que se celebram os 50 anos de carreira dos dois artistas, a revista IHU On-Line rememora a carreira dos dois artistas. Ao debater a vida e a obra destes dois ilustres baianos, este número reúne entrevistas com pesquisadores e pensadores que debatem a produção artística e os impactos do trabalho na cultura brasileira.

Contribuem para o debate Celso Favaretto, doutor em Filosofia e professor aposentado da Universidade de São Paulo – USP, que analisa a forma pela qual Caetano e Gil foram impactados pelo Tropicalismo e como suas carreiras foram definidas e transformaram o cenário cultural brasileiro.

Em sua entrevista, Pedro Bustamante Teixeira fala sobre a dimensão das contribuições artística e política de Gilberto Gil e Caetano Veloso no cenário cultural brasileiro e internacional, e salienta: “A vida desses artistas é de uma coragem, de uma entrega comovente”.

Para Frederico Coelho, professor dos cursos de graduação em Literatura e Artes Cênicas e do Programa de Pós-Graduação em Literatura, na Pontifícia Universidade Católica do Rio – PUC-Rio, a obra dos artistas pensa e conta a história do país ao expressar o anseio por uma nação vanguardista.

Para Alexandre Faria, professor de Literatura no Departamento de Letras – ICHL da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, “Caetano e Gil criaram e representam personagens que são leitores do Brasil, como tantos outros de sua geração”. Segundo ele, “o que se coloca hoje em dia é se isso ainda é possível para um artista”.

Para Miguel Jost Ramos, mestre e doutor em Estudos de Literatura pela PUC-Rio, Caetano e Gil inauguram uma forma de fazer música no Brasil, misturando pop com o erudito, o novo com o tradicional e a comunicação de massa com a contracultura.

Christopher Dunn, doutor em Estudos Luso-brasileiros pela Brown University e professor de Literatura e estudos culturais brasileiros na Tulane University, de Nova Orleans, Estados Unidos, considera que a vasta produção cultural dos dois tropicalistas apresenta para o mundo uma imagem plural e dinâmica do Brasil.

Complementam esta edição um perfil com o antropólogo jesuíta Xavier Albó, contando a trajetória desde sua saída da Espanha, na adolescência, chegada na América Latina e todo seu desenvolvimento intelectual junto com os povos originários dos Andes.

A entrevista com Manfredo Araújo de Oliveira revisita a história da metafísica e sugere o desenvolvimento de uma filosofia sistemática.

A entrevista com Milton Cruz, pesquisador do Observatório das Metrópoles/Núcleo Porto Alegre, propõe uma reflexão sobre que cidade queremos para o futuro, tendo como pano de fundo o projeto de revitalização do Cais Mauá e sua relação com Porto Alegre.

Na próxima semana realiza-se a última etapa do Ciclo de Estudos que analisou e debateu, a partir da realidade da desigualdade social brasileira, o livro O Capital do Século XXI, de Thomas Piketty. A sessão consistirá na webconferência de Marcelo Medeiros, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea e professor na UnB. Segundo ele, na entrevista publicada nesta edição, peremptoriamente afirma: “Não se deve tributar as grandes fortunas. Deve-se tributar todas as fortunas.”

Luiz Carlos Susin  e Gilmar Zampieri, professores de teologia, acabam de publicar o livro A vida dos outros. Ética e teologia da libertação animal (São Paulo: Paulinas, 2015). Na entrevista publicada nesta edição, afirmam que “o livro abre um debate no campo teológico como, ao que se sabe, nunca tinha sido feito explicitamente, pelo menos no Brasil”.

Recordando os 498 anos da Reforma Luterana, de Oneide Bobsin, professor de Ciências da Religião na Escola Superior de Teologia - EST, publicamos a entrevista sob o título "''Uma Igreja da Reforma precisa estar sempre sendo reformada''.

Dois artigos, igualmente, podem ser lidos nesta edição. O artigo O princípio da sinodalidade em uma Igreja pós-convencional, sobre o Sínodo da Família é de Sérgio Coutinho, professor de História da Igreja, e Contenção da Rússia, ontem e hoje, de Diego Pautasso, professor de Relações Internacionais da Unisinos.

A revista IHU On-Line poderá ser acessada nesta página, terça-feira, a partir das 17h, nas versões html, pdf e ‘versão para folhear’.

A edição impressa circulará na quarta-feira, no campus da Unisinos, a partir das 8h.

A todas e a todos uma boa leitura e uma ótima semana!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ousadia e sensibilidade. Caetano e Gil, duas vidas em uma só - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV