Relatório evidencia violação de direitos humanos em crise hídrica

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Padres da Caminhada se solidarizam com o padre Riva, vítima de racismo em Alfenas – MG

    LER MAIS
  • Acabemos com o sistema clerical

    LER MAIS
  • O que a dor nos ensina. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Outubro 2015

A rede colaborativa Aliança pela Água, da qual o Greenpeace faz parte, promove hoje (13/10) o lançamento do Relatório de Violação de Direitos Humanos na Gestão Hídrica do Estado de São Paulo, das 9h30 às 11h30, no escritório do IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

A reportagem foi publicada por Greenpeace Brasil, 13-10-2015.

Resultado de uma colaboração entre a Aliança pela Água e o Coletivo de Luta pela Água, redes que reúnem mais de 150 ONGs, especialistas e movimentos sociais, incluindo o Greenpeace, o documento apresenta evidências da violação a direitos humanos reconhecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Entre eles, constam: o não atendimento do princípio da precaução para evitar a crise hídrica; a superexploração dos recursos hídricos; a não implantação de medidas de contingência previstas em lei; a ausência de participação livre, ativa e significativa da população na gestão do recurso; a interrupção arbitrária, não comunicada, ocultada e repentina do abastecimento; o descumprimento da norma ABNT (que regula a pressão na rede); o aumento indevido de tarifa; e riscos à saúde.

O Relatório de Violação de Direitos Humanos na Gestão Hídrica do Estado de São Paulo foi motivado por uma reunião promovida pela Aliança pela Água e o Coletivos de Luta pela Água, realizada com o relator da Organização das Nações Unidas (ONU) para os direitos humanos à água e ao saneamento, Leo Heller, em abril de 2015. E Heller estará presente no evento de lançamento por vídeo conferência para receber o documento das organizações.

Se a ONU confirmar as violações de direitos humanos na gestão dos recursos hídricos do estado de São Paulo, a expectativa é de que sejam tomadas providências por parte do governo estadual, para que medidas eficientes para lidar com a crise e garantir o abastecimento à população sejam adotadas.

Contratos de Demenda Firme

Desde março deste ano, o Greenpeace iniciou uma campanha pedindo pelo fim dos contratos de demanda firme, firmados entre Sabesp e grandes consumidores de água. Em meio ao mais grave colapso no abastecimento da história de São Paulo, enquanto uma população de 20 milhões de pessoas é gravemente afetada pela falta de água e pelos aumentos na tarifa, a companhia privilegia uma minoria, como bancos, hotéis, shopping centers etc., por meio de contratos de demanda firme. Essa prática concede descontos progressivos para quem consumir mais de 500 mil litros de água.

O Relatório de Violação de direitos humanos na gestão hídrica do Estado de São Paulo também denuncia esses contratos, por se tratarem de uma forma de estimular grandes consumidores a comprar água da Sabesp em vez de buscar fontes alternativas. Ao incentivar grandes empresas a consumirem mais água, a prática desconsidera o fato de que a água é um recurso escasso e um bem público.

Mande uma mensagem para Arsesp, Sabesp e Geraldo Alckmin acabarem com os descontos para grandes consumidores clicando aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relatório evidencia violação de direitos humanos em crise hídrica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV