Índios e quilombolas de Oriximiná vêm a São Paulo divulgar sua luta

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem é o grupo que pode lançar Luciano Huck à presidência em 2018

    LER MAIS
  • O império dos monopólios. Artigo de Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • A polarização não está nos deixando pensar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Outubro 2015

No último dia 8 de outubro, a Comissão Pró-Índio de São Paulo e o Iepé – Instituto de Pesquisa e Formação Indígena promoveram a “Conversa com Índios e Quilombolas de Oriximiná” com o apoio do Centro de Estudos Ameríndios (CEstA) da Universidade de São Paulo.

A reportagem é de Bianca Pyl, publicada por EcoDebate, 14-10-2015.

O evento, que reuniu cerca de 120 pessoas na Ciências Sociais da USP, teve duplo objetivo: divulgar a campanha dos índios e quilombolas de Oriximiná pela regularização de suas terras e lançar o livro “Entre águas bravas e mansas. Índios & quilombolas em Oriximiná

As seis lideranças indígenas e quilombolas presentes solicitaram o apoio de toda a sociedade na assinatura e divulgação do abaixo assinado dirigido ao governo federal e ao governo do Estado do Pará onde demandam a imediata titulação/demarcação de suas terras.

Acesse o abaixo assinado aqui.

Os processos de regularização das terras indígenas e quilombolas em Oriximiná foram abertos há mais de 10 anos, mas permanecem sem conclusão, deixando seus territórios vulneráveis ao avanço de grandes projetos de infraestrutura e dos empreendimentos de mineração.

“Estou aqui [em São Paulo] pelo meu povo quilombola porque a titulação da nossa terra é importante por conta da pressão que sofremos. Nós somos fruto da floresta, nós sobrevivemos da floresta. Se tomarem a nossa terra para onde vamos?”, questionou Aluízio Silvério dos Santos, morador do Quilombo Tapagem, coordenador da Associação Mãe Domingas.

“Lutamos por um objetivo comum que é a garantia dos nossos territórios, sem isso não temos como falar de outros direitos, sem isso não temos como garantir nossa sobrevivência, manter a nossa cultura e espiritualidade” afirmou Ângela liderança do povo indígena Kaxuyana, presente no lançamento.

“Sem território, não temos garantia da nossa sobrevivência, não chega política pública, não tem saúde, educação”, complementou Juventino Pesirima Kaxuyana, presidente da AIKATUK – Associação dos Povos Indígenas Kaxuyana, Kahyana e Tunayana.

Rosa Kamayu Tiriyó declarou em sua língua que veio de longe porque a luta pela terra é importante para garantir o futuro de seus filhos, netos e toda a comunidade.

O Livro

“A publicação vem em um momento oportuno para contribuir com a nossa luta e com o fortalecimento da união entre indígenas e quilombolas. O livro retrata toda a construção da nossa história” afirmou Ângela Kaxuyana.

Um dos objetivos da publicação, de acordo com Lúcia Andrade, coordenadora da Comissão Pró-Índio de São Paulo, é tornar a realidade dessas comunidades mais conhecida. “É importante mostrar que nessa floresta existe gente, que a Calha Norte do Pará não é apenas o espaço das Unidades de Conservação. A Comissão Pró-Índio acredita que o livro pode ajudar as pessoas a conhecerem, respeitarem e serem mais solidárias com os povos indígenas e quilombolas de Oriximiná”, disse. Ângela reforçou a questão: “quem olha no mapa da região conhecida como Calha Norte, vê aquela floresta toda, não sabe que ali tem gente, tem uma diversidade étnica, cultural de diferentes povos.”

“Há vinte anos atrás se chegasse um pesquisador pedindo para fazer um livro sobre a nossa comunidade seria diferente, mas agora a nossa prioridade é divulgar a nossa realidade para conseguirmos apoio e ter as terras tituladas e demarcadas”, pontuou Nilza.

“Esse livro registra a nossa história de união entre quilombola e indígena. Eu acredito que ele vai levar mais longe a nossa história, e com isso as pessoas podem nos apoiar porque a nossa prioridade agora é a nossa titulação e demarcação”, disse Francisco Hugo de Souza, morador do Quilombo Jauari, presidente da Cooperativa Mista Extrativista dos Quilombolas do Município de Oriximiná (CEQMO).

Acesse o livro “Entre águas bravas e mansas. Índios & quilombolas em Oriximiná


O livro e o evento foram realizados com o apoio financeiro de Christian Aid e ICCO

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Índios e quilombolas de Oriximiná vêm a São Paulo divulgar sua luta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV