Não separemos celibato eclesiástico e indissolubilidade matrimonial. Artigo de Piero Stefani

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Outubro 2015

Seria um significativo enriquecimento espiritual se o Sínodo tratasse o carisma do celibato justamente em concomitância com uma discussão reservada ao modo absoluto de entender a indissolubilidade do matrimônio.

A opinião é do filósofo e biblista italiano Piero Stefani, especialista em judaísmo e em diálogo judaico-cristão, e ex-professor das universidades de Urbino e de Ferrara. O artigo foi publicado no sítio L'Indice del Sinodo, 06-01-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Na Igreja Católica de rito latino, o sacramento da Ordem está ligado ao voto de castidade. Às vezes, acontece que o celibato não é mantido. Em alguns casos, ocorre que a transgressão é normalizada (pense-se, por exemplo, na redução ao estado laical).

A vida cotidiana dos chamados "padres casados" é, por definição, em aberto contraste com os votos perpétuos por eles mesmos expressados no passado. Mas isso, justamente, não impede que o casal viva de maneira reconciliada com a Igreja e tenha acesso aos sacramentos.

Alessandra Costanzo, em um livro seu recém-publicado (Ferite da curare [Feridas a tratar], Ed. Arachne, Ariccia, 2015), observa oportunamente a discrepância que existe entre esse modo de resolver a questão e aquele que está em vigor no caso dos chamados divorciados recasados.

Nesta última situação, até agora a violação do pacto inicial foi considerada como dotada de uma validade duradoura e incurável. Neste caso, o ato de ter rompido a norma só é curável permanecendo fiéis ao fracasso do matrimônio, ou seja, apenas se se vive em um estado de perene castidade.

Ao presbítero que tinha emitido o voto de ser célibe, é permitido viver uma vida conjugal reconciliada, enquanto àqueles que tinham feito a escolha matrimonial pede-se agora que vivam em castidade.

Seria um significativo enriquecimento espiritual se o Sínodo tratasse o carisma do celibato justamente em concomitância com uma discussão reservada ao modo absoluto de entender a indissolubilidade do matrimônio.

Desse modo, não só o horizonte eclesial teria um fôlego mais amplo, mas também se chegaria ao coração de algumas especificidades próprias da única tradição católica romana de rito latino.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não separemos celibato eclesiástico e indissolubilidade matrimonial. Artigo de Piero Stefani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV