Os restos mortais de São Francisco e a cerimônia secreta que reuniu os freis de todo o mundo

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Setembro 2015

Fonte: http://www.enjoyrome.com/

 Depois do pôr do sol no Vale do Spoleto, depois de fechar aos peregrinos os pesados portões da Basílica Inferior, em uma noite de março passado, um punhado de homens desceu silenciosamente para a cripta para levantar a 

laje de travertino que cobre o sarcófago venerado por cinco milhões de fiéis por ano.

A reportagem é de Emilio Marrese, publicada no jornal La Repubblica, 27-09-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O coração na garganta, a respiração suspensa. Há 21 anos não acontecia que se levantassem aqueles selos. Era a quarta vez em oito séculos. E não vai acontecer mais por pelo menos mais meio século.

"Perna inferior: fratura da diáfise da direita com fragmentação distal." Não é o diagnóstico de um zagueiro desastrado: é o relatório da última visita ortopédica de São Francisco, elaborada pelo professor Nicolò Valentino Miani, 90 anos, ex-diretor de anatomia humana na Universidade Católica de Roma, que mantém "sob tratamento", desde 1978, os restos do padroeiro da Itália.

A última inspeção foi feita em grande segredo no dia 25 de março, e os franciscanos deram notícia disso só agora, na revista San Francesco, do padre Enzo Fortunato.

"Laudato si', mi' Signore", entoaram os freis antes de encontrar, quase todos pela primeira e razoavelmente última vez nas suas vidas, o homem a quem eles dedicaram as suas próprias vidas.

Nesta ocasião, ao contrário de 1994, foi excepcionalmente concedido a cerca de 150 deles o privilégio de passar na frente e recolher-se diante da teca de plexiglass, de um pouco mais de um metro de comprimento, dentro da qual, em 1978, foi reconstruído o esqueleto de Francisco para ser conservado em nitrogênio.

Um momento de fortíssima emoção e solenidade, que, com uma coerência franciscana, foi decidido de comum acordo com a Santa Sé manter íntimo e não transformar em um show planetário que certamente aumentaria estratosfericamente o faturamento de Assis (em 1978, os ossos foram expostos ao público durante quase dois meses).

E um momento também de alto valor "político", porque, na oração em torno dos restos sagrados, reuniram-se os irmãos das quatro principais famílias franciscanas, divididas desde 1517, em vista de uma grande assembleia nos 500 anos e sob o impulso das palavras do Papa Francisco, que, diante do túmulo no dia 4 de outubro de 2013, disse: "Bravos, agora sigam em frente juntos".

Efeito Bergoglio para acelerar a reaproximação entre os Menores Conventuais (a família mais antiga, que conserva a basílica desde 1230), os Menores da Observância (a mais numerosa), os Capuchinhos e os Freis da Terceira Ordem Regular.

"As diferenças já não são mais tão marcantes. É hora de curar a história e perdoar-nos mutuamente", diz Mauro Gambetti, 50 anos, natural de Imola, desde 2013 Guardião da basílica.

Gambetti, à frente da igreja Caput et Mater (praticamente o Vaticano de 40.000 franciscanos do mundo), é alguém sem cerimônias, que fala como um suplente de história, e não como um alto prelado, e faz com que um ministro em visita espere para compartilhar com você as sobras de espaguete com azeitonas (alhures chamado de puttanesca) e bacalhau com batatas, no refeitório de dois campos de futebol de comprimento, no qual se falam 22
línguas diferentes.

"Francisco é um santo essencial de popularidade desarmante", é a explicação para a decisão de não fazer do reconhecimento dos ossos um evento. "Percebemos como o mundo olha para ele para se inspirar, porque todos são acolhidos como são, mas também interpelados. Pensamos que, forçado a se mostrar de novo, ele teria feito isso de modo reservado. Afinal, quando ele morreu, ele só tinha os seus freis ao redor. Ouvimos novamente a sua voz,
que, em seu leito de morte, recomendou o amor entre irmãos, e nos sentimos nus diante da sua verdade. Uma oportunidade para que cada um pudesse se reencontrar, e reencontrar a própria vocação. Francisco é de todos, poder-se-ia objetar, mas, por mais incoerentes e indignos que sejamos, somos nós, freis, que temos a tarefa de mediar a sua mensagem."

Comoção, harmonia, beleza, sentido: são as palavras que se repetem nas memórias dos freis que participaram. "Fiquei muito tocado – conta o Guardião – por entender o que podem pensar os orientais que têm uma visão espiritual das relíquias. O amor vivo também toca na carne. O corpo não é uma caixa, mas uma expressão de nós mesmos. Quanto mais nos deixamos abraçar até pelos sentidos internos, mais a dimensão espiritual sai enriquecida."

São Francisco, que morreu na Porciúncula no dia 3 de outubro de 1226, foi sepultado em San Giorgio. Depois, em 1230, debaixo dessa basílica em construção, em um sarcófago de pedra bruta de 1,2 tonelada, protegido também dos predadores.

Em 1818, sob ordens de Pio VII, foram necessários 52 dias para trazê-lo novamente à luz e colocá-lo, em 1932, na cripta projetada por Ugo Tarchi.

A primeira intervenção de conservação sobre os restos foi feita em 1978 por Paulo VI. Depois, as duas inspeções de 1994 e de 2015 para confirmar o bom estado. Reaberto o sarcófago na noite do dia 24 de março, em uma horinha, os freis puderam visitá-lo na noite seguinte, das 20h às 21h30, depois de acolher o educado convite do padre Gambetti para a máxima confidencialidade: o santo não acabou no Instagram.

O professor Miani prescreveu a próxima visita para daqui a 40 ou 60 anos.

Leia notícia completa aqui

Que sentimentos esta notícia provocou em você?

Sugerimos este texto que pode vos iluminar.

Leia-o e deixe que ele ecoe em você.

«Cântico das Criaturas», de S. Francisco de Assis

Altíssimo, onipotente, bom Senhor,
teus são o louvor, a glória e a honra e toda bênção.
A ti somente, Altíssimo, são devidos
e homem algum é digno de te mencionar.

Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas,
especialmente meu senhor o irmão sol
que, com luz, ilumina o dia e a nós.
E ele é belo e radiante com grande esplendor:
de ti, Altíssimo, carrega significação.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã luz e as estrelas,
no céu as formaste claras e preciosas e belas.

Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento
e pelo ar e nublado e sereno e todo o tempo
pelo qual dás sustento às tuas criaturas.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água
que é muito útil e humilde e preciosa e casta.

Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão fogo
pelo qual iluminas a noite e ele é belo e jucundo e robusto e forte.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã nossa mãe terra
que nos sustenta e governa e produz diversos frutos
com coloridas flores e ervas.

Louvado sejas, meu Senhor, por aqueles
que perdoam por teu amor
e suportam enfermidades e tribulações.
Bem-aventurados aqueles que sustentam a paz porque por ti,
Altíssimo, serão coroados.


Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã nossa morte corporal
da qual nenhum homem vivente pode escapar.
Infelizes aqueles que morrem em pecado mortal;
bem-aventurados aqueles
que se encontram em tua santíssima vontade
porque a morte segunda não lhes fará mal.

Louvai e bendizei a meu Senhor
e agradecei e servi-o com grande humildade.

São Francisco de Assis

Se quiser, pode escrever sua prece e enviá-la, para que outros possam rezar junto pelo site.

Mande sua mensagem pelo formulário abaixo:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os restos mortais de São Francisco e a cerimônia secreta que reuniu os freis de todo o mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV