Assassinato de Simeão Kaiowá: punição já!

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS
  • Recorde de queimadas reflete irresponsabilidade de Bolsonaro. Nota do Observatório do Clima

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Setembro 2015

"Os piquizeiros e as cagaitas ostentam suas lindas flores, forrando o chão, a aridez foi um pouco amenizada neste planalto central, com mais de cem dias sem chuva. Estamos em véspera da Assembléia Geral do Cimi, que após 43 anos de presença solidária junto aos povos indígenas, continua sendo alvo ira dos inimigos dos povos indígenas e todo os que lutam por justiça e paz, principalmente no campo. Renovamos o compromisso com a causa desses povos, da vida e do meio ambiente", escreve Egon Heck, do secretariado nacional do Conselho Indigenista Missionário - CIMI, ao enviar o artigo que publicamos a seguir.

Eis o artigo.

“Lembramos que quando não conseguiram ocultar o corpo ensanguentado de Simeão, fazendeiros e políticos espalharam a vergonhosa mentira de que os índios estavam fabricando um cadáver para incriminar os fazendeiros e o agronegócio. Diziam eles que o corpo já estava em estado enrijecido, portanto, morto já antes do conflito. Caluniadores infames vejam o vídeo que e deixem de querer enganar a opinião pública. Assistam o vídeo feito pelos jovens Guarani-Kaiowá e Terena, produzido por Ascuri e Aty Guasu” desabafou uma liderança Kaiowá Guarani repercutindo na imprensa regional.

Enquanto escrevia essa missiva, este apelo já alcançava 35.468 visualizações.

Não é possível deixar de mencionar a impunidade que crassa neste país, em que os assassinos dos povos indígenas matam na total certeza da impunidade. Assim foi com a ignominiosa morte de Marçal.

Mal chegaram as informações em Campo Grande e as autoridades, desde o governador até o secretário de segurança, passaram a espalhar a versão de que se tratava de um crime passional.

O julgamento do acusado de ser o mandante do crime, o fazendeiro Libero Monteiro de Lima, e do executor, o morador de Antônio João, Romulo Gamarra, deu-se em 1993. Este último chegou a ser preso, mas foi solto por um habeas corpus, evadindo-se para o Paraguai. Desde o início do processo foi solicitado o desaforamento do julgamento para outra região do país, porém, o juri se deu em Ponta Porã. Os réus saíram absolvidos do tribunal. O crime prescreveu em 2003.

Será que se chegará aos executores e mandantes o assassinato de Simeão? O Estado será responsável se uma vez mais trilhar pelos caminhos da impunidade. Para que isso não aconteça, a sociedade brasileira exige rigorosa e ágil investigação e punição dos culpados.  

Lembro-me do assassinato do missionário Vicente Cañas, em maio de 1987. Depois de quase 30 anos, um novo júri está previsto para acontecer nos próximos meses. A determinação veio do TRF da 1ª Região.

A lenta justiça humana

Uma das advogadas que atuou na acusação nos primeiros julgamentos do assassinato de Vicente Cañas declarou que “a justiça que tarda, falha”. Porém, ficou para a memória dos nossos mártires. O Centro de Formação Vicente Cañas, em Luziânia, Goiás, está, juntamente com os jesuítas e o Cimi, celebrando no próximo ano, os 50 anos da vinda do Irmão Vicente ao Brasil, e, em 2017, os 30 anos de seu martírio.  

Dom Dimas, arcebispo de Campo Grande, com aval dos bispos do Regional Centro-Oeste da CNBB, escreveu carta à presidente Dilma, na qual questiona as caluniosas afirmações de uma filha de fazendeira, que chamou de braços demoníacos o Cimi e a CNBB:

“No entanto, Senhora Presidenta, é preciso dizer em alto e bom som, que o verdadeiro culpado não se encontra entre os missionários do Cimi ou na Igreja Católica. Quem está na raiz de todas essas décadas de violência e de desrespeito pelos direitos básicos da pessoa humana é o Poder Público, particularmente o Federal, único competente na matéria, e que parece não demonstrar interesse político para encontrar uma solução efetiva. Afinal, foi o Estado, ainda unificado, do Mato Grosso, que titulou terras indígenas a pecuaristas e agricultores de boa vontade, titulação que o mesmo Estado não tinha direito de efetivar.

A pergunta que não quer calar é: “Até quando? Quantas pessoas ainda terão que morrer, para que se chegue à conclusão de que é preciso fazer algo de concreto para que a paz, o respeito pelos direitos e pela justiça sejam assegurados a todos?”

O movimento indígena e seus aliados continuarão a acompanhar o desenrolar do processo, esperando que dessa vez se faça justiça punindo exemplarmente os responsáveis pelo bárbaro crime.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Assassinato de Simeão Kaiowá: punição já! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV