O bispo de Cádiz proíbe novamente o jovem transexual de ser padrinho de batismo de seu sobrinho

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 04 Setembro 2015

O bispo de Cádiz e Ceuta, Rafael Zornoza Boy, deu um novo e, pelo que parece, definitivo aperto no caso de Álex Salinas, o jovem transexual de San Fernando que pediu para ser padrinho de seu sobrinho. Em um comunicado emitido na segunda-feira (exatamente quando Salinas procurava, sem sucesso, encontrar uma data para o batizado), Zornoza divulgoi que a solicitação “não pode ser aceita” porque é “evidente” que “não tem os requisitos para levar uma vida conforme a fé e como padrinho”, exigidos pelo Código de Direito Canônico. O bispo disse ter consultado a Congregação para a Doutrina da Fé.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 02-03-2015. A tradução é de André Langer.

Assim se manifestou a diocese de Cádiz e Ceuta em um comunicado e assim Álex Salinas confirmou à Europa Press, ele que, na tarde da terça-feira, recebeu um telefonema do próprio Zornoza, no qual disse que “não pode ser” padrinho, de acordo com uma consulta formal feita à Congregação para a Doutrina da Fé.

No dia 06 de agosto, e depois da negativa inicial do pároco da Paróquia de San Fernando, onde aconteceria o batizado, e do bispo para que o jovem fosse padrinho, o pároco, segundo declarou Salinas à Europa Press na época, informou ao jovem de que o próprio dom Zornoza lhe teria comunicado que “não havia impedimentos para que fosse padrinho” por ser transexual.

“Em agosto, o pároco me disse que eu poderia ser padrinho, e isso diretamente da boca do bispo de Cádiz”, recordou Salinas, que acrescentou que o pároco lhe teria dito que “me proporcionaria um encontro com dom Zornoza em setembro”. “Nunca me confirmaram o dia da conversa. Eu telefonava para o pároco e ele não atendia o telefone”, apontou.

Salinas explicou que nesta terça-feira, quando foi até a Paróquia para acertar o dia e a hora do batizado, “recebeu um telefonema do próprio bispo”, no qual lhe disse que consultou “Roma sobre o assunto e que não pode ser” padrinho. “Mas não me disse os motivos”, criticou, ao mesmo tempo que indicou sua frustração. “Colocaram o pirulito na minha boca e depois o tiraram”.

Zornoza, de acordo com o jovem, lhe teria dito “que o importante é ser bom cristão, mas eles não são”, protestou. “Estou indignado e me sinto enganado pelo pároco, pelo bispo e por Roma”, lamentou, pois “não foi o que disseram em agosto”. Salinas assinalou que “no momento” não vai entrar com um processo contra a Paróquia.

O bispo, através de um comunicado, garante que “tendo em conta a relevância midiática que este assunto alcançou” e “as possíveis consequências pastorais de qualquer decisão”, decidiu fazer uma consulta na qual se recolhe que “é evidente” que um transexual “não possui o requisito de levar uma vida conforme a fé e a função de padrinho”, razão pela qual não pode ser admitido para esta função.

“O próprio comportamento transexual revela de maneira pública uma atitude contrária à exigência moral de resolver o próprio problema de identidade sexual segundo a verdade do próprio sexo”, diz o texto, que cita vários artigos do Catecismo da Igreja Católica.

A diocese também diz que a Congregação para a Doutrina da Fé “não vê nisso uma discriminação, mas somente o reconhecimento de uma falta objetiva dos requisitos que por sua natureza são necessários para assumir a responsabilidade eclesial de ser padrinho”.

A diocese de Cádiz e Ceuta já negou a Salinas, em julho passado, a possibilidade de ser padrinho de seu sobrinho após ir à Paróquia de San Fernando para marcar a celebração deste sacramento, embora, após a pressão midiática e social, o jovem tenha recebido a autorização que agora a Igreja desta diocese lhe nega novamente.

O bispo, por sua vez, sustenta que “a Igreja acolhe todas as pessoas com caridade querendo ajudar a cada um em sua situação com entranhas de misericórdia, mas sem negar a verdade que prega, que propõe a todos como um caminho de fé para ser livremente acolhida”.

De fato, afirma que “o Papa Francisco afirmou diversas vezes, em continuidade com o Magistério da Igreja, que esta conduta é contrária à natureza do homem” e que “não é salutar uma atitude que pretende anular a diferença sexual porque já não sabe confrontar-se com a mesma”.

“Meu sobrinho já não se batizará”, destacou na mesma manhã, em uma entrevista à cadeia Ser, Álex Salinas. A família tomou a decisão depois que o bispo de Cádiz comunicou pessoalmente a Álex por telefone que não poderá ser o padrinho do seu sobrinho “por sua condição de transexual”.

“Disse-me que o importante é que fosse um bom cristão. Como podem me dizer isso se eles não são nem bons cristãos, nem boas pessoas?” Salinas disse que a partir de agora não quer saber mais nada da Igreja e que vai apostatar.

“Eu vou seguir a fé sozinho, amando as pessoas assim como são, não proibindo-lhes de estar em uma igreja porque sejam gays, lésbicas ou transexuais”, concluiu.

Segue na íntegra o comunicado do bispo de Cádiz

Em relação às declarações que apareceram em diferentes meios de comunicação em referência à negação ou aceitação como padrinho de batismo de uma pessoa que se apresenta como transexual, tenho o dever pastoral de manifestar pública e definitivamente o seguinte:

Os padrinhos do sacramento do Batismo assumem, perante Deus e sua Igreja e em relação com o batizado, o dever de cooperar com os pais em sua formação cristã, procurando que leve uma vida coerente com a fé batismal e cumpra fielmente as obrigações inerentes. Em vista dessa responsabilidade, o Catecismo da Igreja Católica pede que os padrinhos devem ser “cristãos firmes, capazes e prontos a ajudar o novo batizado... na sua caminhada na vida cristã” (CIC n. 1255). Por tudo isso, ao ser uma função eclesial a lei da Igreja exige, entre outras condições, que só seja admitido como padrinho ou madrinha quem tenha capacidade para assumir seriamente estas responsabilidades e tenha um comportamento coerente com elas (Cf. Código de Direito Canônico c. 874, & 1, 3). Caso não seja possível encontrar uma pessoa que reúna as qualidades necessárias, o pároco pode conferir o Batismo sem padrinhos, que não são necessários para celebrar este sacramento.

Diante da confusão provocada entre alguns fiéis ao terem sido atribuídas a mim palavras que não disse, e pela complexidade e relevância midiática alcançada por este assunto, tendo em conta as possíveis consequências pastorais de qualquer decisão a respeito, fiz uma consulta formal à Congregação para a Doutrina da Fé, cuja resposta foi: “Sobre este particular comunico-lhe a impossibilidade de que seja admitido. O próprio comportamento transexual revela de maneira pública uma atitude contrária à exigência moral de resolver o próprio problema de identidade sexual segundo a verdade do próprio sexo. Portanto, é evidente que esta pessoa não possui o requisito de levar uma vida conforme a fé e a função de padrinho (CIC c. 873 & 3), não podendo, portanto, ser admitido à função nem de madrinha nem de padrinho. Não se vê nisso uma discriminação, mas somente o reconhecimento de uma falta objetiva dos requisitos que por sua natureza são necessários para assumir a responsabilidade eclesial de ser padrinho”.

Com efeito, o Papa Francisco afirmou diversas vezes, em continuidade com o Magistério da Igreja, que esta conduta é contrária à natureza do homem. Em sua última encíclica acaba de escrever: “A ecologia humana implica também algo muito profundo: a necessária relação da vida do ser humano com a lei moral escrita em sua própria natureza, necessária para poder criar um ambiente mais digno. Dizia Bento XVI que existe uma ‘ecologia do homem’ porque ‘também o homem possui uma natureza que ele deve respeitar e que não pode manipular como lhe apetece’. Nesta linha, é preciso reconhecer que o nosso corpo nos põe em relação direta com o meio ambiente e com os outros seres vivos. A aceitação do próprio corpo como dom de Deus é necessária para acolher e aceitar o mundo inteiro como dom do Pai e casa comum; pelo contrário, uma lógica de domínio sobre o próprio corpo transforma-se numa lógica, por vezes sutil, de domínio sobre a criação. Aprender a aceitar o próprio corpo, a cuidar dele e a respeitar os seus significados é essencial para uma verdadeira ecologia humana. Também é necessário ter apreço pelo próprio corpo na sua feminilidade ou masculinidade, para se poder reconhecer a si mesmo no encontro com o outro que é diferente. Assim, é possível aceitar com alegria o dom específico do outro ou da outra, obra de Deus criador, e enriquecer-se mutuamente. Portanto, não é salutar um comportamento que pretenda ‘anular a diferença sexual, porque já não sabe confrontar-se com ela’” (Laudato si’, n. 155).

A Igreja acolhe todas as pessoas com caridade querendo ajudar a cada uma em sua situação com entranhas de misericórdia, mas sem negar a verdade que prega, que propõe a todos como um caminho de fé para ser livremente acolhida.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O bispo de Cádiz proíbe novamente o jovem transexual de ser padrinho de batismo de seu sobrinho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV