A humanidade e a Criação em risco por causa da industrialização e da corrupção

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 02 Setembro 2015

“Oh, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome sobre toda a terra!” Às 17h deste primeiro de setembro, o Papa Francisco entrou na Basílica de São Pedro para presidir a Liturgia da Palavra, por ocasião do Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, que ele mesmo instituiu em 06 de agosto passado. Durante o rito, a leitura consistiu em passagens da encíclica Laudato si’ do pontífice e do Cântico das Criaturas de São Francisco de Assis. Depois da proclamação do Evangelho Segundo São Mateus, o pregador da Casa Pontifícia, o Pe. Raniero Cantalamessa, pronunciou a homilia.

A reportagem é de Pablo Lombó e publicada por Vatican Insider, 01-09-2015. A tradução é de André Langer.

“Ninguém pode servir seriamente à causa da defesa da Criação se não tiver a coragem de apontar o dedo contra o acúmulo exagerado de riquezas nas mãos de poucos e contra o dinheiro, que é sua medida”, destacou na homilia o pregador da Casa Pontifícia, o Pe. Raniero Cantalamessa. “A fé em um Deus criador e no homem, criado à imagem de Deus, não é uma ameaça, mas antes uma garantia para a Criação, e a mais forte de todas. Diz que o homem não é o dono absoluto das outras criaturas; deve prestar conta daquilo que recebeu”, explicou o frei capuchinho.

“Uma prova de que não é a visão bíblica que favorece a prevaricação do homem sobre a Criação – afirmou – está no fato de que o mapa da poluição não coincide com o mapa da difusão da religião bíblica ou de outras religiões, mas, sim, coincide com o mapa de uma industrialização selvagem, voltada unicamente para o lucro, e com o mapa de uma corrupção que caça a boca de todos os protestos e que resiste a todos os poderes”.

Sobre o Cântico das Criaturas, que o Papa “escolheu como marco espiritual para a sua encíclica”, Cantalamessa disse que Francisco “é a prova viva da contribuição que a fé em Deus pode dar para o esforço comum para a defesa da Criação. Seu amor pelas criaturas é uma consequência direta de sua fé na paternidade universal de Deus. Ele não tem ainda as razões práticas que nós temos hoje para nos preocuparmos com o futuro do planeta: poluição atmosférica, falta de água potável... O seu ecologismo é puro, sem os utilitarismos, por quanto sejam legítimos, que temos hoje”.

Francisco não tinha a visão global e planetária do problema ecológico, mas uma visão local, imediata – explicou Cantalamessa. Pensava no que ele podia fazer e, eventualmente, o seu irmão. Mas também nisto ele nos ensina algo. Um ‘slogan’ na moda diz: ‘Think globally, act locally’ [Pensar globalmente e agir localmente]. Que sentido tem, por exemplo, irritar-se com quem polui a atmosfera, os oceanos e as florestas, se eu não penso duas vezes para jogar um saco plástico no córrego ou no mar, que permanecerá aí por séculos, se alguém não o recuperar e der um destino correto, se eu jogo na rua ou na floresta o que já não quero mais, ou se sujo os muros da minha cidade? O cuidado da Criação, assim como a paz, se faz, diria nosso Santo Padre Francisco, “artesanalmente”, começando imediatamente por nós mesmos. A paz começa contigo, repete-se muitas vezes nas mensagens para o Dia da Paz; também o cuidado da Criação começa contigo!”

Para o pregador pontifício, “Francisco nos indica o caminho para uma mudança radical na nossa relação com a Criação: consiste em substituir a posse pela contemplação. Ele descobriu uma maneira diferente para usufrir das coisas, que é a de contemplar, em vez de possuí-las. Pode usufruir de todas as coisas, porque renunciou a possuir nenhuma”.

“Creio que se vivesse hoje – concluiu Cantalamessa –, acrescentaria uma estrofe ao seu Cântico. ‘Louvado sejas, meu Senhor, por todos aqueles que trabalham para proteger a nossa irmã mãe Terra: cientistas, políticos, líderes de todas as religiões e homens de boa vontade. Louvado sejas, meu Senhor, por aquele que, com meu nome, tomou também a minha mensagem e a está levando a todo o mundo’”.

O Papa Francisco, poucas horas antes da celebração, escreveu em seu Twitter: “Hoje é o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação. Rezemos e trabalhemos”.

Nota da IHU On-Line: a íntegra da Celebração Litúrgica no Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, na Basílica de São Pedro, ontem, dia 1o. de setembro, pode ser acessada aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A humanidade e a Criação em risco por causa da industrialização e da corrupção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV