Lava Jato reescreve história da corrupção na Petrobras

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Agosto 2015

Há um enorme grau de desinformação da força tarefa da Lava Jato, dos procuradores e  delegados ao juiz Sérgio Moro em relação à história da Petrobras e a aspectos básicos do mundo de negócios, especialmente aqueles que envolvem as relações políticas de alto nível.

O comentário é de Luis Nassif, publicado no Jornal GGN, 05-08-2015.

Alguns pontos para evitarem o tom taxativo de informações falsas.

1.    A corrupção da Petrobras começou em 2003

Sugiro acompanhar o caso German Efromovich, em pleno governo FHC.

Dono de uma empresa de pequeno porte que prestava serviços de manutenção submarina na área de petróleo, German aproximou-se do ex-presidente da Petrobras Joel Rennó, e do superintendente de engenharia Antônio Carlos Agostini.

Graças a esses contatos, conseguiu que sua empresa, a Marítima, cujo capital não chegava a US$ 1 milhão passasse a ganhar quase todas as concorrências da Petrobras para a construção de plataformas de perfuração e exploração de petróleo. Conseguiu contratos de valores superiores a US$ 2 bilhões.

O contrato mais valioso foi a super-plataforma P-36, na época a maior do mundo. Para ser instalada, a Petrobras precisou desembolsar US$ 45 milhões para suprir a parte do contrato não cumprida pela Marítima.

Para assegurar a vitória da Marítima, a jogada de Rennó foi definir um prazo de implantação impossível, de 18 meses. A Marítima foi a vencedora de um contrato de US$ 720 milhões.

Constatou-se que não tinha nem projeto nem estaleiro contratado, sequer financiamento. Mesmo assim, foi declarada vencedora.

A plataforma afundou na bacia de Campos (http://migre.me/r343u). Houve uma disputa jurídica interminável entre ambas as empresas.

2.   José Dirceu não poderia ter prestado consultoria para empreiteiras por não ter estrutura de engenharia

A afirmação é do juiz Sérgio Moro.

Por ocasião da renegociação das dívidas da AES com o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), o ex-Secretário de Estados dos EUA Henry Kissinger foi contratado para estabelecer contato com o banco.

Kissinger tinha acesso ao então presidente José Pio Borges. Seu trabalho consistiu em um telefonema, pelo qual foi remunerado por US$ 30 mil. Seu escritório tinha apenas ele e em um assessor.

Redes de relacionamento, contatos internacionais ou nacionais, conhecimento são ingredientes que valorizam consultorias. Dependendo do nível de conhecimento, valem ouro, muito mais do que uma consultoria técnica. Praticamente todos os ex-presidentes dos EUA tornaram-se consultores, tendo como diferencial os contatos internacionais.

O mesmo ocorre no Ministério Público Federal (MPF).

Os ex-procuradores gerais Antônio Fernando de Souza e Aristides Junqueira são advogados de réus da Lava Jato. Foram contratados por seu notório saber ou por suas relações no poder judiciário?

Ex-Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), aposentados, voltaram para a advocacia. Ex-desembargadores, ex-juízes, ex-procuradores tornaram-se titulares de bancas concorridas. O quetêm de diferencial? Contatos no setor jurídico.

No entanto, o juiz Sérgio Moro sustenta ser inverossímil os valores de consultoria pagos.

Na condição de consultor, Dirceu abriu para a UTC e a OAS um contrato de US$ 1,2 bilhão no Peru.

Segundo os jornais, recebeu US$ 1,1 milhão de pagamento. Se tivesse cobrado US$ 20 milhões, teria sido um pagamento modico.

Na verdade, não soube precificar adequadamente seus contatos internacionais, em Cuba, Bolívia, Peru, Venezuela, Portugal.

Se encontrar outros elementos de incriminação, que se incrimine. Mas duvidar do valor das consultorias denota um desconhecimento amplo sobre o valor dos contatos internacionais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lava Jato reescreve história da corrupção na Petrobras - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV