Chacina de Acari completa 25 anos em meio à discussão sobre impunidade

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS
  • O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 27 Julho 2015

O sequestro e o desaparecimento de 11 jovens, a maioria residente na Favela de Acari e proximidades, na zona norte do Rio de Janeiro, completaram 25 anos hoje (26). No dia 26 de julho de 1990, as vítimas foram retiradas de um sítio em Suruí, município de Magé, por homens que se identificaram como policiais. Os corpos nunca foram encontrados. O inquérito referente à Chacina de Acari, como o episódio ficou conhecido, foi encerrado por falta de provas em 2010, e ninguém foi indiciado. “É uma grande impunidade”, disse, em entrevista à Agência Brasil o assessor de Direitos Humanos da organização não governamental (ONG) Anistia Internacional Alexandre Ciconello.

A reportagem é de Alana Gandra, publicada por Agência Brasil, 26-07-2015.

A ONG acompanha as famílias das vítimas. Em 1992, pediu proteção para algumas mães que estavam sendo intimidadas e ameaçadas. No ano seguinte, Edméia da Silva Euzébio, uma das mães empenhadas na luta por justiça, foi assassinada quando buscava informações sobre o paradeiro do filho, Luiz Henrique da Silva Euzébio. Segundo a ONG, o processo sobre a morte de Edméia continua em primeira instância na Justiça.

“Até hoje, [a investigação sobre] o assassinato de Edméia, que foi em 1993, está em andamento na Justiça, depois de 22 anos. Para a Anistia Internacional, os 25 anos de Acari e de impunidade demonstram uma grande crise no nosso sistema de Justiça criminal, que não foi capaz de dar uma resposta para essas famílias, ao longo de tantos anos, na luta por justiça e por reparação pelo que aconteceu”, avaliou Ciconello. As famílias não têm até hoje a certidão de morte presumida nem a certidão de óbito.

Amanhã (27), haverá um ato na Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ), em que parentes dos jovens se reunirão para lembrar os 25 anos da chacina. Alexandre Ciconello destacou que o grupo Mães de Acari foi um dos primeiros movimentos de parentes de vítimas de violência no estado do Rio de Janeiro criados para lutar por justiça e que influenciaram a formação de movimentos semelhantes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chacina de Acari completa 25 anos em meio à discussão sobre impunidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV