Indissolubilidade, entre realidade e retórica: um novo livro em vista do Sínodo. Artigo de Andrea Grillo e Basilio Petrà

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Julho 2015

Acaba de ser lançado, pela editora Cittadella, de Assis, um livro fruto de um seminário realizado em Roma, na Academia Alfonsiana, intitulado “Per tutti i giorni della mia vita”. L’indissolubilità tra realtà e retorica ["Por todos os dias da minha vida". A indissolubilidade entre a realidade ea retórica].

Publicamos abaixo a introdução da obra, escrita pelos dois organizadores:

- Andrea Grillo, teólogo italiano, é professor do Pontifício Ateneu S. Anselmo, de Roma, do Instituto Teológico Marchigiano, de Ancona, e do Instituto de Liturgia Pastoral da Abadia de Santa Giustina, de Pádua.

- Basilio Petrà, teólogo e sacerdote italiano, é professor de teologia moral da Faculdade Teológica da Itália Central e de moral ortodoxa do Pontifício Instituto Oriental de Roma.

O artigo foi publicado no blog Come Se Non, 01-07-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

No dia 30 de abril de 2015, na Academia Alfonsiana em Roma, ocorreu um Seminário de Estudo sobre o Matrimônio, promovido pelas Associações Teológicas Italianas dos Moralistas (Atism) e dos Liturgistas (APL), intitulado: "Matrimônio: contrato, sacramento, indissolubilidade. Formas históricas e usos retóricos de categorias clássicas".

O propósito de contribuir com o debate eclesial – no tempo oportuno do trabalho intersinodal – parece fazer convergir a atenção sobre alguns conceitos decisivos no episódio da reflexão eclesial sobre o matrimônio.

De um lado, foi sendo construída uma "doutrina teológica e jurídica" sobre o sacramento, que assumiu com força a centralidade do conceito de "contrato". Tal doutrina, assim, garantiu, por mediação do contrato, uma espécie de conexão estrutural entre matrimônio e indissolubilidade, fazendo também experiências de crise, de fracassos, de mudanças de vida e de fé, para as quais a Igreja sempre tentou encontrar alguma solução pro bono animarum.

À indissolubilidade, cada vez mais se somaram casos de solubilidade do vínculo, como, por exemplo, o "defeito de consumação". Com isso, a história do casal, posteriormente em relação ao consenso, adquiriu alguma relevância e, de certo modo, abriu o caminho, ainda no século XII, para um temperamento de uma noção absoluta de indissolubilidade.

Não é óbvio, no entanto, que a razoabilidade medieval coincida com a razoabilidade moderna. O Concílio de Trento, introduzindo a "forma canônica", já havia compreendido, de algum modo, que os tempos medievais haviam mudado. Quatrocentos e cinquenta anos depois de Trento, as formas de vida, as condições de trabalho, as estruturas sociais, a cultura da intimidade, a descoberta da sexualidade, da igualdade entre os homens e da paridade de direitos entre os sexos são eventos que mudaram profundamente o mundo e os critérios da razoabilidade.

Nessa mudança estrutural, a teologia deve estar "à altura dos tempos". A contribuição do nosso seminário quis se mover precisamente nessa direção. Ele se articulou em quatro conferências, às quais se seguiu um amplo espaço de debate com os professores convidados. Nas formas de uma "academia", quisemos oferecer a nossa ajuda ao debate eclesial em vista do Sínodo de 2015.

Neste livro, fruto do seminário, publicamos três conferências da jornada, junto com algumas intervenções que animaram a rica discussão. O nosso "raciocinar de amor" lavrou terrenos históricos e políticos, canônicos e teológicos, sacramentais e litúrgicos.

Saiu daí este pequeno livro, que oferecemos à consideração pública, graças à pronta disponibilidade da gentil editora Cittadella. Para que, na Igreja, não se perca o gosto por uma palavra "para sempre", mas que caia até fundo da experiência e da cultura do homem e da mulher do século XXI.

O primeiro capítulo ("A indissolubilidade na sua origem medieval: questões abertas e herança moderna", de Ubaldo Cortoni) assumiu o ônus de reconstruir o quadro da história da indissolubilidade matrimonial, desde a alta Idade Média até a idade escolástica.

Segue-se um capítulo dedicado especificamente à "retórica da indissolubilidade" no contexto canônico ("O inevitável caráter retórico do atual discurso católico sobre a indissolubilidade e a necessidade de ir além", de Basilio Petrà), para acabar com uma reflexão sobre as perspectivas de aprofundamento que se abrem no debate eclesial em vista do próximo Sínodo ("Para além do paradigma medieval/moderno: uma teologia do matrimônio depois da Dignitatis Humanae", de Andrea Grillo).

Como coroamento do trabalho de debate ocorrido por ocasião do seminário, são publicadas a seguir as sínteses das intervenções de alguns dos qualificados participantes (U. Del Giudice, T. Kennedy, Th. Pott e G. Salmeri), que testemunham a variedade das contribuições e a riqueza do debate. E também como "exemplum" lançado ao trabalho de debate, que cabe aos pastores da Igreja Católica no Sínodo Ordinário, em outubro próximo.

Roma, 15 de maio de 2015

Andrea Grillo – Basilio Petrà

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indissolubilidade, entre realidade e retórica: um novo livro em vista do Sínodo. Artigo de Andrea Grillo e Basilio Petrà - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV