Papa Francisco, o novo líder da América Latina

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: "Ele nos ensinou o caminho do discernimento". Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2015

O continente sul-americano confia em Bergoglio. Jamais ele deixou de seguir a política argentina. Mas, para o Papa Francisco não é somente uma questão de coração. Desde a Conferência geral do Episcopado Latino-Americano em Aparecida, no ano de 2007, Bergoglio trabalhou por um novo protagonismo da Igreja na América Latina. E agora, a dois anos da eleição ao sólio pontifício, se pode dizer que o Pontífice argentino se coloca como um verdadeiro e próprio líder daquele continente.

O Papa Francisco as traçou claramente as linhas da “política externa” da Santa Sé desde o seu primeiro discurso ao corpo diplomático logo após a eleição e nas subsequentes intervenções em 2014 e 2015: luta à pobreza, defesa da justiça, tutela dos direitos humanos e do direito humanitário nas zonas de guerra, liberdade religiosa, apoio a migrantes e refugiados. Temas que repetiu no recentíssimo encontro com o Nobel da Paz Adolfo Perez Esquivel.

O comentário é de Ignazio Ingrao, jornalista que acompanha os assuntos do Vaticano, publicado no sítio da revista Panorama, 12-05-2015. A tradução é de Benno Dischinger.

Um planeta de cabeça para baixo

O mundo para o Papa Francisco é um mundo de cabeça para baixo onde no centro ele situa as periferias. Disso resulta um novo protagonismo para a América Latina, a qual registra atualmente taxas de crescimento esquecidas no Velho Continente. Mas, que ainda deve superar profundas desigualdades.

Desde a primeira viagem ao Brasil, por ocasião da Jornada mundial da Juventude, até o encontro, nos dias passados, com Raul Castro, Bergoglio mostrou uma grande atenção e sensibilidade pelos temas mais urgentes que dizem respeito à América do Sul.

Por isso, no seguimento de uma profunda amizade com o cardeal de Havana, Jaime Lucas Ortega y Alamino, o Pontífice desempenhou uma mediação discreta, porém decisiva para a reabertura das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

E agora está decidido a acompanhar a transição, evitando que poucos, sem escrúpulos, possam aproveitar-se das oportunidades oferecidas pelas aberturas do regime.

Entrementes a Santa Sé, sob o mpulso do Pontífice, está trabalhando na superação das antigas tensões entre Argentina e Chile. Como também para encontrar uma ordem política mais estável, reduzindo os protagonismos e as asperezas de líderes como Evo Morales.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco, o novo líder da América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV