“O problema não é o Papa, mas o papado”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Intervenção nos jesuítas: quando Bergoglio impediu Bertone

    LER MAIS
  • Papa Francisco pede que bispos ensinem os fiéis a discernir nas eleições, na política

    LER MAIS
  • Antonio Spadaro explica a teologia de Francisco ... e desmonta a religiosidade da extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 24 Março 2015

Na opinião de Pedro Tarquis, diretor do blog Protestante Digital, “a atuação de Francisco repete a do cardeal Cisneros em seu tempo. Revolução ética e moral, mas os mesmos princípios”. O artigo é publicado por Religión Digital, 21-03-2015. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Pediram-me que, como cristão protestante, escrevesse sobre a marca de Francisco neste segundo aniversário de seu pontificado. Em seu caso, mais do que em qualquer outro, apresenta-se a questão de que o problema não é o Papa, mas o papado.

Sem dúvida, Francisco trouxe ar fresco em imagem, em estilo de governo e em conceitos éticos ao catolicismo romano.

Sua proximidade, sua simplicidade, sua preocupação por temas sociais, seu posicionamento em temas éticos importantes (como as questões de abuso sexual do clero, a imigração, a justiça social, a perseguição aos cristãos) foram aspectos pessoais muito positivos e que só podem ser lidos a partir da empatia com sua pessoa.

No entanto, uma questão bem diferente é a dimensão do personagem, sua figura como Vigário de Cristo, sua postura a respeito dos princípios fundamentais do cristianismo como é entendido pela Igreja evangélica ou protestante: Só a Fé, Só a Graça, Só a Escritura.

Francisco nada mudou, nem nada quis ou anunciou querer mudar neste aspecto.

Lutero continua excomungado, e a atuação de Francisco repete a do cardeal Cisneros em seu tempo. Revolução ética e moral, mas os mesmos princípios.

Neste sentido, a maioria dos cristãos evangélicos ou protestantes não compartilha entusiasmo algum a respeito do futuro do ecumenismo em seu sentido mais profundo: unidade em torno ao Jesus dos Evangelhos acima do das tradições, instituições e Magistério.

Inclusive, em muitos subjaz a dúvida de se a atuação do “Sumo Pontífice” não é no fundo uma manobra para atrair e diluir o pujante movimento evangélico na América Latina.

Por tudo isso, acredito que sua figura é aceita e valorizada no pessoal, mas discutível, questionável e polêmica no institucional. Seria necessário, para avançar superando estas questões e esclarecer dúvidas e interrogações, que Francisco mergulhasse no fundo do coração do Vaticano, aprofundando muito mais do que os mencionados aspectos éticos, sociais e de imagem.

Porque Jesus embora tenha tratado destes importantes aspectos éticos e sociais (o “bom samaritano”, as parábolas), ao mesmo tempo questionou de forma radical o próprio Templo de Jerusalém, a instituição religiosa de seu tempo, as tradições e o magistério dos fariseus, para dizer: Está Escrito.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O problema não é o Papa, mas o papado” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV