A primeira missa em italiano celebrada pelo beato Paulo VI: “um sacrifício que a Igreja realizou da própria língua, o latim; língua sacra, grave, bela, extremamente expressiva e elegante"

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma nova Casa Comum possível

    LER MAIS
  • A fé do Brasil dividido

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Fevereiro 2015

Aos sete de março de 1965 o Pontífice Paulo VI vestiu os paramentos para celebrar a primeira missa em italiano. Um evento histórico, sinal da modernização de uma Igreja que queria estar ao passo com os tempos. E a decisão de Paulo VI foi tanto mais simbólica enquanto o Papa não celebrou a missa em São Pedro, mas numa simples paróquia sobre a Apia Nova.” Com estas palavras o TG da época, há 50 anos, deu aos italianos a notícia sobre a celebração desta primeira missa em italiano.

A reportagem foi publicada por Il sismógrafo, 31-01-2015. A tradução é de Benno Dischinger.

No mesmo dia, estas foram, na hora do Angelus, as palavras do Papa Paulo VI da janela do Palácio Apostólico: “Este domingo assinala uma data memorável na história espiritual da Igreja, porque a língua falada entra oficialmente no culto litúrgico, como já vistes nesta manhã. A Igreja considerou ser seu dever esta medida – o Concílio o sugeriu e deliberou – e isto para tornar inteligível e fazer entender a sua prece. O bem do povo exige esta solicitude, para tornar possível a participação ativa dos fieis no culto público da Igreja. É um sacrifício que a Igreja realizou da própria língua, o latim; língua sacra, grave, bela, extremamente expressiva e elegante. Sacrificou tradições de séculos e sobretudo sacrifica a unicidade de linguagem nos vários povos, em homenagem a esta maior universalidade, para chegar a todos.

E isto é para vós, fieis, para que saibais unir-vos melhor à prece da Igreja, para que possais passar de um estado de simples espectadores ao de fieis participantes e ativos e, se souberdes realmente corresponder a esta solicitude da Igreja, tereis a grande alegria, o mérito e a sorte de uma verdadeira renovação espiritual.

E nós ainda rezaremos a Nossa Senhora, ainda lhe rezaremos em latim por ora, para que nos dê este desejo da vida espiritual ativa e autêntica e nos dê este desperto sentido da comunidade, da fraternidade, da coletividade que reza conjuntamente, do povo de Deus, porque então teremos certamente asseguradas a nós as vantagens desta grande reforma litúrgica.”

(Angelus – Domingo de Quaresma, 7 de março de 1965)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A primeira missa em italiano celebrada pelo beato Paulo VI: “um sacrifício que a Igreja realizou da própria língua, o latim; língua sacra, grave, bela, extremamente expressiva e elegante" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV