Com cinebiografia e edição de poemas no Brasil, Pasolini reverbera 40 anos após sua morte

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sinto-me o cardeal de Romero. Ele é um ícone da Igreja”, afirma novo purpurado de El Salvador

    LER MAIS
  • Instituição católica quer indenização milionária por vídeo do Porta dos Fundos

    LER MAIS
  • Ordenação de mulheres: para qual Igreja e com qual teologia? Artigo de Ivone Gebara

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

04 Novembro 2015

O desconforto seguido de crises pessoais desconstrói uma família após um visitante ir embora da casa onde vivem: este é o enredo do longa-metragem Teorema (1968). Em tempos em que se discutem a “expansão da classe média” e “modelos familiares”, o cineasta e escritor italiano Pier Paolo Pasolini já detonava tais concepções na década de 1960 com seu filme.

A reportagem é de Murilo Tomaz, publicada por Opera Mundi, 02-11-2015.

Pasolini nasceu no dia 05 de março de 1922 em Bolonha, no nordeste da Itália, e no dia 2 de novembro de 1975, na cidade litorânea de Óstia, próximo a Roma, foi assassinado. A morte é controversa e existem indícios de que foi encomendada: o autor nutria antipatia de diversos setores da sociedade italiana na época por sua obra e críticas publicadas em jornais. No filme Pasolini (2014), de Abel Ferrara, os últimos momentos da vida do poeta são retratados. O filme tem estreia prevista para 5 de novembro no Brasil.

Antes de tudo, poeta

Mesmo após quatro décadas de sua morte, o efeito de sua obra permanece. No início de outubro, foi lançado no Brasil o livro Poemas: Pier Paolo Pasolini (Cosac Naify), traduzido pelo professor de literatura italiana da USP Maurício Santana Dias e organizado em conjunto com Alfonso Berardinelli. O professor comenta que o lançamento do livro ilumina a figura do Pasolini poeta, ainda pouco conhecida por aqui: “Toda obra dele está vinculada a essa experiência poética”. Além desse enfoque nos poemas, o livro traz de volta “alguém que sacode o leitor”, diz Dias. “Estamos vivendo momentos de apatia, de certa indiferença, de um certo marasmo, e o Pasolini é aquele que vai contra isso. Extremamente vital, visceral, e ele se contradiz e não tem vergonha de se contradizer”.

Quanto ao processo de tradução, Dias observa que o desafio foi acompanhar o amplo espectro apresentado nos poemas. “Ele experimenta muito, usa formas tradicionais como o decassílabo, às vezes com rima, às vezes sem rima, às vezes com rimas internas, até formas livres, verso visual, montagem cinematográfica. A dificuldade é conseguir acompanhar essa enorme variação de formas e também de misturas de registros, pois pode ir do mais humilde, até o mais elevado, o mais sublime”, comenta o professor.

Dois poemas do livro tratam do Brasil: Hierarquia e Comunicado à Ansa - Recife. O poeta esteve no país em 1970, após voltar da apresentação do filme Medeia no festival de Mar del Plata, na Argentina. “Pasolini acabou escrevendo esses poemas que são a versão dele do terceiro mundo, em que ele via um tipo de possibilidade, outro tipo de civilização que não aquela ocidental europeia neocapitalista, completamente condenada ao fracasso”, acredita Dias.

Crítica e filmes

O ponto central da obra de Pasolini está na representação dos marginais da sociedade. Em lugar de retratar o proletariado, ele jogou luzes no subproletariado, o que o distanciou das obras de cinema neorrealistas da época. Com o aprofundamento de sua crítica procurou denunciar o consumismo e o autoritarismo e produziu intencionalmente obras de difícil entendimento imediato. Em sua filmografia também houve espaço para histórias épicas com a celebração de culturas antigas. No entanto, alguns filmes, como os da Trilogia da Vida, foram renegados pelo cineasta por terem sido assimilados como objeto de consumo erótico pela burguesia.

Segundo Dias, o tradutor do poeta, Pasolini não se alinhava a nenhuma doutrina, o que fez com que ele fosse visto como reacionário por alguns setores da esquerda italiana. Em críticas publicadas em jornais se posicionou contra pautas progressistas e chegou a criticar movimentos sociais por acreditar que haviam sido cooptados pelo sistema. Contudo, a crítica voraz foi concentrada no neocapitalismo que o poeta via como “modelo de sociedade voltada para produção e consumo em um estado de aceleração devastador e que acabava anulando as diferenças”, diz Dias.

“Isso é visto como uma espécie de genocídio cultural e até de mutação antropológica. Essa é uma expressão que ele cunhou. O homem estava se transformando em outra coisa, estava se tornando um ser cada vez mais alienado e refém de um pensamento único”, afirma o professor.

Por causa desse “genocídio cultural”, Pasolini defendeu a ideia de se vivia em um tempo póstumo, com uma cultura póstuma, com o homem refém de si mesmo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Com cinebiografia e edição de poemas no Brasil, Pasolini reverbera 40 anos após sua morte