Sexta extinção em massa da história

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • Não há condições éticas de Temer seguir no cargo, diz secretário-geral da CNBB

    LER MAIS
  • Brasil será denunciado na OEA por violar direitos dos povos indígenas

    LER MAIS
  • A reforma trabalhista nos leva ao fundo do poço. Artigo de Luiz Gonzaga Belluzzo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

25 Junho 2015

O mundo está começando a sofrer a sexta extinção em massa de sua história. A conclusão consta de um estudo desenvolvido por cientistas de três universidades divulgado na sexta-feira, 19 de junho, segundo o qual, atualmente, os animais desaparecem numa taxa 100 vezes maior do que costumavam. E os seres humanos podem estar entre eles.

A reportagem foi publicada originalmente no sítio EcoDebate e republicada no sítio Envolverde, 23-06-2015. 

Desde o fim da era dos dinossauros, há 66 milhões de anos, o planeta não perdia espécies a uma taxa tão elevada como agora, de acordo com especialistas das universidades de Stanford, Princeton e da Califórnia em Berkeley.

O estudo “mostra sem sombra de dúvidas que estamos entrando na sexta maior extinção em massa”, alertou o co-autor Paul Ehrlich, professor de biologia na Universidade de Stanford.

E a espécie humana é, provavelmente, uma das espécies perdidas, informou o estudo – chamado por seus autores de “conservador” – divulgado na revista Science Advances.

Recuperação lenta

“Se permitirmos que isso continue, a vida vai levar milhões de anos para se recuperar e nossa própria espécie provavelmente se tornará extinta em breve”, afirmou o principal autor do estudo, Gerardo Ceballos, da Universidade Autônoma do México.

A análise baseia-se nas extinções documentadas de vertebrados, ou seja, animais com esqueletos internos como rãs, répteis e tigres, a partir de registros fósseis e outros dados históricos.

A taxa de extinção de espécies moderna foi, então, comparada com “a taxa natural de extinção de espécies antes da atividade humana dominar (a Terra)”.

Metodologia do estudo

Pode ser difícil de estimar esta taxa, também conhecida como taxa de extinção de fundo, porque os seres humanos não sabem exatamente o que aconteceu no curso da história de 4,5 bilhões de anos da Terra.

Para o estudo, os pesquisadores utilizaram uma taxa de extinção passada duas vezes maior às estimativas que são geralmente utilizadas.

Se a taxa passada – ou ritmo natural – era de duas extinções de mamíferos para cada 10.000 espécies com mais de 100 anos, então a “taxa média de desaparecimento de espécies de vertebrados no século passado é 114 vezes maior do que teria sido se não tivesse havido a atividade humana”, disse o estudo.

“E isso mesmo com base em estimativas conservadoras da taxa de extinção de espécies”, acrescentou.

“Nós insistimos que nossos cálculos provavelmente subestimam a gravidade da crise de extinção, pois nosso objetivo era colocar um limite realista, mas limitar o impacto humano sobre sobre biodiversidade”.

Causas da extinção

As causas da extinção atual de espécies são, entre outras, alterações climáticas, poluição e desmatamento.

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), cerca de 41% de todos os anfíbios e 26% das espécies de mamíferos estão ameaçadas de extinção.

“Há exemplares de espécies ao redor do mundo que são basicamente mortos vivos”, explicou Ehrlich.

O estudo chama que “sejam intensificadas e aceleradas as medidas destinadas a conservar as espécies ameaçadas e aliviar a pressão sobre suas populações, como a perda do habitat, a exploração de recursos com fins econômicos e mudanças climáticas”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Sexta extinção em massa da história