Desperdício de alimentos chega a 300 milhões de toneladas por ano

Revista ihu on-line

Hospitalidade

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘A utopia foi privatizada', afirmou Zygmunt Bauman em entrevista inédita

    LER MAIS
  • Francisco: “Nem sempre os cardeais escolhem o mais inteligente”

    LER MAIS
  • Brasil é 10º país que mais mata jovens no mundo; em 2014, foram mais de 25 mil vítimas de homic

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

09 Junho 2015

Um terço de todos os alimentos produzidos no mundo a cada ano, ou seja, cerca de 300 milhões de toneladas, é jogado no lixo. Nas comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente (5), o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, chamou atenção para uma questão pouco tratada quando se pensa em preservação ambiental: o desperdício de alimentos e o impacto disso no mundo. De acordo com Steiner, a comida que jogamos fora ainda serve para o consumo humano e poderia alimentar mais de 800 milhões de pessoas no mundo.

A reportagem é publicada por Pulsar Brasil, 08-06-2015.

O diretor ainda afirma que a produção de alimentos em escala global é uma das principais responsáveis pelo desmatamento e o esgotamento da água. Oitenta por cento do desmatamento é motivado pela expansão de áreas agricultáveis e pasto para animais de corte. A perda de espécies animais e de biodiversidade acaba sendo a “consequência natural”, deste processo descontrolado.

O modelo de agricultura e pecuária extensivos também é responsável por mais de 70 por cento do consumo de água doce.

Até 2050, a população mundial deve chegar a nove bilhões de pessoas, todas precisando se alimentar. Isso vai ampliar a pressão sobre os recursos naturais. Somado a um provável aumento da poluição, a consequência para a humanidade pode ser catastrófica.

A saída defendida por Steiner é aumentar radicalmente o que os economistas chamam de “produtividade”: produzir mais gastando menos. Modificar os padrões de produção e consumo, revertendo a lógica de extração, produção, consumo e desperdício para uma economia verde. Segundo o diretor, o consumo global já é 1,5 vez maior do que a capacidade do planeta de suportar tanto a extração de matérias-primas quanto a produção de resíduos.

Leia a notícia aqui

Que sentimentos esta notícia provocou em você?

Sugerimos este texto bíblico que pode vos iluminar.

Leia-o e deixe que ele ecoe em você.

Meu filho não faça para ninguém aquilo que você não gosta que façam para você.
Não beba vinho até se embriagar,
e não deixe que a embriaguez seja sua companheira de caminho.
Reparta seu pão com quem tem fome e suas roupas com quem está nu.
Dê como esmola tudo o que você tem de supérfluo, e não seja mesquinho.
Ofereça seu pão e vinho sobre o túmulo dos justos, ao invés de dá-los aos infiéis.
Procure aconselhar-se com pessoas sensatas,
e nunca despreze um conselho útil. (Tb 4,15-18)

 

Se quiser, pode escrever sua prece e enviá-la, para que outros possam rezar junto pelo site.
Mande sua mensagem pelo formulário abaixo:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Desperdício de alimentos chega a 300 milhões de toneladas por ano