População idosa aumenta 61,4% em 15 anos no Rio Grande do Sul

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • “O Papa tem um espírito radical”. Conversa com Michel Löwy

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Guilherme Tenher e Marilene Maia | 20 Novembro 2018

Além do estado gaúcho, o Brasil e o Vale do Sinos também apresentam dados que revelam o envelhecimento da sociedade. O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rios dos Sinos - ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, acessou bases de dados públicas para analisar as movimentações demográficas entre 2001 e 2016.

O Vale do Sinos recebe destaque por duas tendências demográficas: a observável diminuição da população de crianças e adolescentes e o movimento ascendente da população idosa nos primeiros anos deste milênio. Em 2001, as pessoas com idade entre 0 e 14 anos representavam 27% do total populacional da região (330.072 crianças e adolescentes para 1.219.132 habitantes). Em 2016, por mais que esse corte etário ainda tenha sido o maior entre os demais, houve uma queda para 20% (281.224 crianças e adolescentes para 1.377.755 habitantes). Por outro lado, a população com 65 anos ou mais passou de 5,3% em 2001 (64.662 idosos) para 8,5% (116.820 idosos) do total da população do Vale do Sinos em 2016, segundo a Fundação de Economia e Estatística - FEE.

Da mesma forma, enquanto a população do Rio Grande do Sul na faixa etária de 10 a 14 anos apresentou uma queda percentual de 19,3% se comparados os anos de 2001 e 2016 (2.654.965 em 2001 para 2.141.096 em 2016), a faixa etária de 65 anos ou mais apresentou um aumento de 61,4% para os mesmos anos analisados (767.026 em 2001 para 1.238.221 em 2016), de acordo com os dados da FEE. Ademais, em 2060, o número de habitantes sul-rio-grandenses com mais de 65 anos será 2,3 vezes maior que aquele projetado para este ano. São 1.384.631 idosos em 2018 para 3.173.585 em 2060, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Por fim, o Brasil segue a mesma tendência nos dados concernentes à projeção da população, registrando uma queda percentual de 24,5% para a faixa etária de 0 a 14 anos se comparados os anos de 2018 e 2060 (44.507.410 crianças e adolescentes em 2018 para 33.597.781 em 2060), e um aumento de 202% (19.227.832 em 2018 para 58.181.930 em 2060) na população idosa com 65 anos ou mais para os anos supracitados. 

Seguem abaixo os infográficos com mais detalhes referentes às movimentações demográficas destas regiões nos últimos anos, bem como as projeções populacionais:

Vale do Sinos

 

 

 

 

 

 

 

Rio Grande do Sul

 

 

 

 

 

Brasil

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

População idosa aumenta 61,4% em 15 anos no Rio Grande do Sul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV