Região Metropolitana de Porto Alegre. Inserção de negros aumenta entre a população economicamente ativa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Nós nos tornamos um vírus para o planeta”. Entrevista com Philippe Descola

    LER MAIS
  • América Latina. 300 milhões de pobres, ainda em 2020. Destes, 83 milhões na pobreza extrema, segundo a Cepal e OIT

    LER MAIS
  • O projeto católico conservador se esgotou?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Novembro 2016

Inserção de negros entre a população economicamente ativa (PEA), isto é, a população entre 10 a 64 anos, aumentou 3,1% entre 2014 e 2015, enquanto que a taxa de desemprego aumentou com intensidade semelhante para negros (48,2%) e não negros (47,3%).

O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, compartilha a publicação da Fundação de Economia e Estatística – FEE sobre a inserção dos negros no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre – RMPA, em 2015.

Eis o texto.

Com o objetivo de ampliar o debate e produzir informações que orientem políticas públicas, a Fundação de Economia e Estatística (FEE) e parceiros divulgaram nesta quinta-feira (17/11) os indicadores da inserção dos negros no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre, em 2015.

No comparativo entre 2014 e 2015, a População Economicamente Ativa (PEA) negra, na RMPA, aumentou em 8 mil pessoas em 2015, e a não negra, em 17 mil. Em termos relativos, o crescimento da PEA foi mais intenso para os negros (3,1%) em comparação aos não negros (1,0%). A taxa de participação, que reflete a população negra incorporada ao mercado de trabalho quer esteja ocupada ou desempregada, apresentou aumento, de 53,9% em 2014 para 54,5% em 2015.

A taxa de desemprego aumentou para todos os segmentos populacionais em 2015, com intensidade semelhante para negros (48,2%) e não negros (47,3%). Manteve-se o processo de redução da desigualdade das taxas de desemprego entre os sexos observado nos anos anteriores.

“O contexto de recessão econômica, em 2015, aumentou de forma severa a taxa de desemprego para negros e não negros, sendo que os homens foram os mais atingidos. Por isso não foi interrompida a tendência de redução das desigualdades das taxas de desemprego entre homens e mulheres”, pondera a economista Iracema castelo Branco, Coordenadora do Centro de Pesquisa de Emprego e Desemprego da FEE.

Em 2015, o nível ocupacional diminuiu em 1,3% para os negros e 1,8% para os não negros. Nos diferentes setores de atividade econômica, observou-se aumento na concentração dos negros ocupados nos serviços e na construção, diminuição na indústria de transformação e relativa estabilidade no comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas.

Segundo Iracema Castelo Branco, “A construção e os serviços são os setores que historicamente possuem uma presença maior de negros. Em 2015, do total de homens negros ocupados, 17,4% trabalhavam na construção contra 11,6% entre os homens não negros. Já entre as mulheres, 17,3% das negras estavam ocupadas no emprego doméstico, o índice é de 9,8% entre as não negras.”

Os dados relativos ao rendimento médio real apresentam, de 2014 para 2015, redução tanto para os negros (-4,5%) quanto para os não negros (-7,8%). Observa-se, assim, que a redução do rendimento é maior para os não negros.

Por outro lado, os negros ainda ganham menos. Em valores monetários, o rendimento médio real caiu de R$ 1.697 para R$ 1.620 entre os negros e de R$ 2.343 para R$ 2.160 entre os não negros. Na segmentação por gênero, as mulheres negras apresentaram queda de 9,2% e os homens de 1,4%. Para a população não negra, a retração do rendimento médio real foi mais intensa para os homens (10,2%) do que para as mulheres (3,9%).

“A redução do rendimento médio real foi menos intensa para os negros do que para os não negros, indicando que a recessão econômica foi mais severa para aqueles de maior rendimento médio. A melhoria na desigualdade de renda, em termos proporcionais, deveu-se ao fato dos homens não negros terem apresentado retração do rendimento médio real mais acentuada do que a dos demais segmentos”, analisa Rodrigo Campelo, sociólogo da FEE.

A íntegra da pesquisa sobre a inserção dos negros no mercado de trabalho está disponível aqui.

Leia mais

Região Metropolitana de Porto Alegre. Redução de 3,32% nos últimos 12 meses dos postos de emprego

Número de estabelecimentos de trabalho cresce em 2015, mas vínculos são reduzidos no Vale do Sinos

A inclusão dos catadores na gestão integrada de resíduos sólidos em São Leopoldo

Setores de serviços e do comércio impulsionam aumento de postos de emprego formais no Vale do Sinos em setembro

“A uberização leva à intensificação do trabalho e da competição entre os trabalhadores”. Entrevista com Márcio Pochmann

Diploma inútil? Por que tantos brasileiros não conseguem trabalho em suas áreas

Desoneração previdenciária: uma política Anti-trabalho

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Região Metropolitana de Porto Alegre. Inserção de negros aumenta entre a população economicamente ativa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV