A renúncia e o drama da relação fé e história. Entrevista especial com Marco Vannini

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Março 2013

Nem a fé nem a Igreja foram abaladas pelo niilismo, responsável apenas por derrubar certezas ilusórias, pondera o estudioso de mística especulativa ao analisar a saída de Bento XVI.

Confira a entrevista.

Para Marco Vannini, a decisão de Bento XVI em abdicar de seu cargo de papa precisa ser compreendida no contexto que o Sumo Pontífice viveu “de modo dramático o problema da relação entre fé e história”. Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, o pesquisador italiano ponderou a influência do niilismo e da secularização, características da modernidade sobre esse ato que já é considerado emblemático para a Igreja Católica. “Não acredito, de fato, que a Igreja e a fé tenham sido abaladas pelo niilismo. O niilismo derrubou certezas ilusórias, forçando, como diz Hegel na Fenomenologia do Espírito, a ‘olhar no rosto o negativo e a se deter junto a ele’, ou seja, a reconhecer honestamente a relatividade de tantas coisas que haviam sido dadas como absolutas, sem tentar escapatórias”. Vannini explica, ainda, a aproximação que teceu entre Bento XVI e o “último papa”, mencionado por Nietzsche em Assim falou Zaratustra: “O último papa e Zaratustra, de fato, têm em comum justamente isto: a negação de Deus como ente – que o é, escrevia Eckhart, apenas para os pecadores – e a afirmação do divino, ou seja, da verdade como espírito”.

Marco Vannini (1948) (foto: Settimanale diocesano de informazione del trentino), filósofo e teólogo, é um dos maiores estudiosos italianos da mística especulativa. Editou as obras de grandes místicos: Eckhart, Angelus Silesius, Sebastian Frank, Valentin Weigel, Marguerite Porete, Jean Gerson, François de Fénelon etc. Publicou inúmeros estudos, tais como: La morte dell’anima. Dalla mística alla psicologia (Ed. Le Lettere, 2004); Storia della mistica occidentale (Ed. Mondadori, 2005); Mistica e filosofia (Ed. Le Lettere, 2007); La mística delle grande religioni (Ed. Le Lettere, 2010); Prego Dio che mi liberi da Dio (Ed. Bompiani, 2010), dentre outras. Em português, foi traduzida a sua Introdução à mística (Edições Loyola, 2005).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Em que sentido o verdadeiro drama do Papa trata da fé que perdeu seus fundamentos históricos?

Marco Vannini
– Eu acredito que o Papa, que é acima de tudo um grande estudioso, se interrogou seriamente sobre o problema dos fundamentos históricos da fé e da religião cristã, que quer ser uma fé e uma religião fundamentadas sobre uma realidade histórica: primeiro, a da tradição bíblica vetero-testamentária; depois, e principalmente, a que concerne às vicissitudes de Jesus, de sua mãe Maria, da constituição da comunidade primitiva etc. Não por acaso ele dedicou os últimos anos do seu trabalho de pesquisa à escrita de uma Vida de Jesus, certamente defendendo aquela verdade histórica, mas também admitindo que as hipóteses racionalistas são fundadas e que, em última análise, o que conta é o Christus pro me, ou seja, o Cristo da fé. Eu não posso e não quero entrar na consciência do papa, mas eu acredito que ele deve ter vivido de modo dramático o problema da relação entre fé e história.

IHU On-Line – Como a Igreja pode dialogar com a modernidade, secularizada e marcada pelo niilismo?

Marco Vannini
Niilismo é uma palavra moderna, que remonta somente ao século XIX, mas a reflexão sobre o nada (nihil) e, de fato, o fato de olhar resolutamente no rosto do nada, sem que a imaginação intervenha para "tapar os buracos" dos quais a graça pode chegar – como dizia Simone Weil –, pertence à própria história do cristianismo e da Igreja. Sem incomodar mais uma vez o autor que eu mais admiro, Mestre Eckhart, basta pensar no Doutor místico por excelência, São João da Cruz, que não se cansa de ensinar que a fé não produz nenhum conhecimento, mas, ao contrário, tira do caminho todo conhecimento e leva à "noite", ou seja, ao "nada". Nada, nada, nada, repete o místico castelhano, porque é nesse nada, ou seja, nesse vazio que a inteligência faz de todo pretenso "saber", que se revela a luz de Deus. Eu acrescento que um estudioso francês, Georges Morel, em um estudo muito amplo sobre São João da Cruz, evidenciou as afinidades entre o carmelita e Hegel. Pois bem, eu acredito que, na tradição filosófico-teológica do mundo cristão, existem todos os recursos para enfrentar o chamado niilismo contemporâneo, do qual, no entanto, não se pode negar o caráter purificatório com relação a tantos pretensos, justamente, "saberes" do passado.

IHU On-Line – Nesse contexto, a fé e a instituição Igreja, assim como o Estado, foram abaladas pelo niilismo? Por quê?

Marco Vannini
– Como eu já disse, não acredito, de fato, que a Igreja e a fé tenham sido abaladas pelo niilismo. O niilismo derrubou certezas ilusórias, forçando, como diz Hegel na Fenomenologia do Espírito, a “olhar no rosto o negativo e a se deter junto a ele”, ou seja, a reconhecer honestamente a relatividade de tantas coisas que haviam sido dadas como absolutas, sem tentar escapatórias. Certamente, isso implica uma profunda revisão da própria fé, que, de crença, deve tornar-se o que ela realmente é, ou seja, conhecimento, conhecimento do espírito no espírito.

IHU On-Line – Em que aspectos Bento XVI é o “último papa”, para usar a expressão de Nietzsche em “Assim falou Zaratustra”?

Marco Vannini
– A renúncia do Papa Bento XVI me fez pensar nas páginas que Nietzsche, na última parte do sua obra Assim falou Zaratustra, dedica ao encontro entre Zaratustra e o último papa, já "fora de serviço", justamente pela razão que eu acabei de expor. O papa de Zaratustra é o representante de uma religião que ensinou que “Deus é Espírito” e com isso abriu o caminho para a incredulidade, porque é muito fácil que a negação de Deus como ente abra caminho para o ateísmo. Zaratustra sente uma certa familiaridade ou, melhor, simpatia por aquele velho último papa, já que, como eu disse antes, no fundo, ele também, o ateu Zaratustra, continua recebendo luz daquela antiga concepção platônica pela qual a verdade é Deus, Deus é a verdade: “É um Deus qualquer – paradoxalmente – que o converteu ao ateísmo”. O último papa e Zaratustra, de fato, têm em comum justamente isto: a negação de Deus como ente – que o é, escrevia Eckhart, apenas para os pecadores – e a afirmação do divino, ou seja, da verdade como espírito.

IHU On-Line – Que mudanças se mostram possíveis na Igreja a partir da renúncia do Sumo-Pontífice?

Marco Vannini
A renúncia do Papa me pareceu um gesto de grandíssima nobreza, humildade e dignidade ao mesmo tempo. Eu não sei o que ela vai mudar na vida da Igreja, mas indubitavelmente irá marcá-la de forma positiva, pela força que o exemplo tem em si.

IHU On-Line – Em que sentido essa renúncia traz uma oportunidade de reflexão e exame para a Igreja?

Marco Vannini
– Como disse acima, esse exemplo atingiu profundamente a todos, e não apenas os católicos. Na Itália, onde eu vivo, houve imediatamente um redespertar extraordinário de interesse pela Igreja, pela sua história, pelo seu futuro. Mesmo os chamados “laicos” foram atingidos nas suas tranquilas certezas, diante de um gesto tão imprevisto, que pode ser interpretado como um sinal de crise, mas também de vitalidade, de juventude, de liberdade do espírito. Obviamente, isso vale ainda mais para a Igreja, que, especificamente, deve se interrogar justamente sobre o significado do poder, lembrando que ministro, ministério vêm do latim, minus, que significa menos e remete, por isso, evangelicamente, à humildade do serviço, e não ao poder.

IHU On-Line – Sob quais aspectos a decisão de Bento XVI também pode ser lida como uma crítica à política vaticana e à sua forma de conduzir as questões da Igreja?

Marco Vannini
– Esse é o aspecto sobre o qual mais os jornais, a televisão etc., em suma, os chamados meios de comunicação se pronunciaram. Não há dúvida de que tiveram algum peso na decisão do Pontífice as questões internas da cúria romana, os recentes escândalos e o modo como foram tratados, principalmente pelo peso que colocaram sobre os ombros de um papa indubitavelmente muito idoso e cansado – além de alheio, por caráter e por estilo, a se ocupar de questões, digamos, tão políticas. Eu não acredito, porém, que Bento XVI renunciou precisamente por isso, ou seja, para criticar com o seu gesto o modo de tratar as questões eclesiais.

IHU On-Line – Há 40 anos, Ratzinger “previa” uma igreja que voltaria às suas origens. Como essa previsão pode ser compreendida hoje?

Marco Vannini
Essa pergunta nos remete, oportunamente, aos problemas realmente essenciais, que não são, a meu ver, os da atualidade, por mais grave e dolorosa que possa ser (a pedofilia, o escândalo do secretário-mordomo etc.). Retornar às origens da Igreja como retornar às origens e às razões profundas da fé. O Papa, estudioso de Santo Agostinho, conhece bem o antigo lema Ecclesia semper reformanda, a Igreja sempre precisa de reforma, ou seja, sempre precisa se “reconformar” com as suas raízes evangélicas, redescobrindo as razões da fé no profundo da própria consciência. O quarto Evangelho se conclui com as palavras que Jesus dirige a Tomé, que acredita só porque viu: “Bem-aventurados os que creem sem ter visto”, ou seja, acreditam pelo único testemunho que realmente propicia a bem-aventurança, o testemunho interior, testimonium spiritus sancti.

(Por Márcia Junges)

Veja também:

“A experiência do espírito vai muito além das distinções espaço-temporais e de gênero”. Entrevista especial com Marco Vannini
Bento XVI, o último papa de Nietzsche. Artigo de Marco Vannini

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A renúncia e o drama da relação fé e história. Entrevista especial com Marco Vannini - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV